ÉTopSaber Notícias e Criptomoedas

Redes sociais

Varejistas presos entre mudança de gastos do consumidor e excesso de estoque obstinado

1685147697 0x0.jpg

Compartilhe:

Home Depot’s anúncio recente que espera que as vendas nas mesmas lojas no ano fiscal de 2023 caiam em até 5% – seu primeiro recuo desde 2009 – pode ser um prenúncio do que está por vir para o universo do varejo de tijolo e argamassa, à medida que os consumidores mudam seus gastos discricionários de bens para experiências. Para tornar as coisas ainda mais complicadas, o O relatório mais recente do Federal Reserve sugere que o excesso de estoque do ano passado continua sendo um forte vento contrário, pairando logo abaixo de sua leitura de pico no início deste ano.

Essa é a realidade sóbria por trás do som esperançoso relatório do Departamento de Comércio que, após um declínio de dois meses, as vendas no varejo subiram ligeiramente em abril (0,4%), sugerindo que uma reviravolta pode estar em andamento. Atrás das manchetes (“Os compradores impulsionaram as vendas no varejo”), surge uma imagem muito diferente.

Para iniciantes, crescimento ano a ano das vendas no varejo tem diminuído constantemente desde julho passado – 1,6% em abril, contra 8,2% há um ano. Mais importante, o valor das vendas no varejo de primeira linha agrupa os gastos com lojas físicas com o varejo sem loja. Mas desde novembro, os gastos com bens caíram quatro dos últimos seis meses.

Quando você detalha mais os detalhes, descobre que o varejo sem loja (por exemplo, comércio eletrônico) aumentou 8%, os gastos com saúde e beleza aumentaram 7,9% e os serviços de alimentos e bebidas aumentaram 9,4%. Os consumidores estão comprando menos coisas e gastando mais em experiências.

Essa tendência explicaria por que as vendas da Target no trimestre encerrado em 29 de abril ficaram estáveis ​​em comparação com o ano passado. A Target informou que as vendas de produtos de beleza em lojas comparáveis ​​cresceram cerca de 15%, enquanto as vendas caíram em vestuário, casa e linhas duras, respondendo por mais da metade das vendas da empresa.

Embora empresas como Walmart e Target tenham relatado progresso na redução de suas carteiras de estoque, o quadro geral é assustador se essas tendências de compras continuarem. Até agora, não há sinais de que o esgotamento dos varejistas americanos tenha terminado e o reabastecimento tenha começado. De acordo com uma reportagem do The Wall Street Journalfornecedores de transporte e logística dizem que os volumes de entrada de contêineres da Ásia para os portos da Costa Oeste caíram quase um quarto em relação ao ano passado.

A mudança nos hábitos de consumo dos consumidores pode ser o último prego no caixão para os varejistas em dificuldades, mas teve uma suspensão da execução durante a pandemia devido ao aumento nos gastos do consumidor e às baixas taxas de juros.

A lista de falências no varejo tem crescido – Bed Bath and Beyond, David’s Bridal, Christmas Tree Shops, desconto Tuesday Morning, Tupperware Brands e Party City.

À medida que a pandemia desaparece e os consumidores recuam, espere ver mais fechamentos e liquidações de lojas.

Fonte

Leave a Comment