Um olhar sobre o ecossistema da Terra

0 14
O token de staking nativo do Terra, LUNA, foi uma das criptomoedas com melhor desempenho de 2021, com ganhos acima de 13.000%. A Terra também superou a Binance Smart Chain (BSC) em valor total bloqueado com US$ 17,62 bilhões, tornando-se a segunda maior rede DeFi logo após o Ethereum.

Grande parte desse crescimento se deve ao ecossistema do Terra, com uma comunidade de desenvolvedores construindo continuamente aplicativos descentralizados sobre o Terra. Mas pode ser uma surpresa saber que antes de haver centenas de aplicativos construídos no Terra, havia apenas dois que existiam no início de 2021 no Mirror Protocol e Chai.

O Mirror permite que os usuários criem ativos sintéticos, imitando o comportamento dos preços dos ativos financeiros tradicionais e digitais. Os traders usam o Mirror para obter exposição a esses mercados sem deter ou possuir o ativo subjacente. Chai, por outro lado, é um aplicativo de pagamentos que opera na Coreia do Sul com mais de 2,5 milhões de usuários. Esses aplicativos foram criados com base na utilidade do mundo real, fornecendo uso prático para os usuários e promovendo a adoção de criptomoedas.

Protocolo âncora

Seu terceiro aplicativo principal, o Anchor Protocol, foi lançado apenas na rede principal em março de 2021, mas rapidamente se tornou um protocolo de agricultura de rendimento popular no espaço de finanças descentralizadas (DeFi). O Anchor foi projetado para gerar rendimentos na stablecoin da Terra, TerraUSD (UST), bloqueando um LUNA ou Ether (ETH) equivalente. Até agora, o valor total da garantia bloqueado na Anchor cresceu para US$ 5,2 bilhões, de acordo com o site oficial, o que já representa uma mudança de 4.375% em relação ao primeiro dia de seu lançamento.

O crescimento colateral coincide com a expansão de sua base de usuários, aumentando diariamente em cerca de 440 usuários, o que, comparado ao Mirror, está crescendo quase três vezes o ritmo. O aumento da base de usuários também pode ser visto ao lado do aumento gradual das transações do Terra.

Crescimento no número de aplicações

Seguindo os aplicativos principais, vários novos projetos surgiram no ecossistema Terra nas categorias de jogos, metaverso, DeFi, tokens não fungíveis e muitos outros. Existem também vários protocolos de comunicação entre cadeias que permitem que os ativos do Terra migrem livremente para outras cadeias. Por exemplo, o protocolo de ponte Solana Wormhole v2 facilita as transferências de ativos em Terra, Solana, Ethereum, BSC, Polygon, Avalanche e Oasis. Isso foi possível graças à atualização da rede principal Columbus-5 da Terra.

Os desenvolvedores também construíram projetos com os principais aplicativos do Terra como base. Um exemplo é o Orion Money, que utiliza o Anchor Protocol para gerar retornos mais altos para outras stablecoins, como Tether (USDT), Binance USD (BUSD), USD Coin (USDC) e Dai. Ele faz isso utilizando o EthAnchor, convertendo stablecoins em Wrapped TerraUSD (wUST) e depois depositando-o no Anchor, onde o APY é de até 20%.

Por que a Terra cresceu?

Em julho de 2021, a Terraform Labs, a empresa por trás do blockchain Terra, levantou US$ 150 milhões de vários investidores, incluindo Arrington Capital, Lightspeed Venture Partners e Pantera Capital. Os fundos foram para incubar projetos na Terra, que provavelmente estimularam o desenvolvimento.

No entanto, Do Kwon, fundador e CEO da Terraform Labs, acredita que é algo mais fundamental. Em uma entrevista, Kwon disse que o que promoveu a forte comunidade do Terra está enraizado no conceito de dinheiro descentralizado, que o Terra é capaz de alcançar com suas stablecoins algorítmicas.

Terra tem uma família de stablecoins que são atreladas a várias moedas fiduciárias, como o dólar dos Estados Unidos, o euro e o won coreano. Ele também tem uma stablecoin emblemática chamada TerraSDR, que está atrelada aos Direitos Especiais de Saque do Fundo Monetário Internacional. A estabilidade de preços dessas stablecoins, como a UST, é mantida por algoritmos, apresentando incentivos para que os usuários respeitem o peg da stablecoin por meio de oportunidades de arbitragem.

O algoritmo fez exatamente isso, mantendo a paridade do dólar da UST durante os momentos em que se desviou dela. Esse design torna as stablecoins da Terra mais descentralizadas, possivelmente desviando as preocupações regulatórias que afetam outras stablecoins. E de acordo com Kwon, é o que anima a comunidade Terra.

Em sua essência, o Terra requer essas stablecoins para seus aplicativos, o que aumenta seus casos de uso gerais, tornando-o mais atraente para os usuários e criando um ecossistema mais robusto.

Terra, o próximo ano

Os US$ 150 milhões arrecadados no ano passado pelo Terraform Labs são apenas o primeiro lote de fundos dedicado a nutrir os projetos do Terra. Outro fundo de US$ 50 milhões foi lançado pela empresa de capital de risco de Hong Kong Chiron Partners em dezembro de 2021, que também é destinado a projetos de apoio.

Em 7 de janeiro, uma proposta de fornecer US$ 139 milhões foi anunciada e visa trazer mais casos de uso de UST – desta vez, para vários projetos DeFi em Ethereum, Solana e Polygon pelo menos nos próximos seis meses. Com tudo isso em jogo, o ecossistema Terra está voltado para o mesmo crescimento que teve em 2021?

A Newsletter Market Insights da Cointelegraph compartilha nosso conhecimento sobre os fundamentos que movem o mercado de ativos digitais. O boletim informativo mergulha nos dados mais recentes sobre o sentimento de mídia social, métricas na cadeia e derivativos.

Também analisamos as notícias mais importantes do setor, incluindo fusões e aquisições, mudanças no cenário regulatório e integrações de blockchain empresarial. Inscreva-se agora para ser o primeiro a receber essas informações. Todas as edições anteriores do Market Insights também estão disponíveis no Cointelegraph.com.

Receba gratuitamente o Guia Prático do Bitcoin.

Credit: Fonte

Compartilhe sua opinião.

%d blogueiros gostam disto: