ÉTopSaber Notícias e Criptomoedas

Redes sociais

The Battle Royale – o que vem pela frente em meio a conflitos regulatórios e caos de hackers?

Uniswap Sec Eagle .jpg

Compartilhe:

A seguir está uma postagem convidada de Nikita Ovchinnik, o cofundador da Barter DeFi.

DeFi pode estar “na mira” da SEC, como disse recentemente a revista Forbes afirmou após a ação da SEC contra o Uniswap. Ainda assim, o assunto levanta preocupações válidas que o DeFi simplesmente deve abordar para o bem do seu futuro.

De acordo com ao Uniswap, o aviso do Wells sugere uma possível ação coerciva, supostamente atuando tanto como corretor de valores mobiliários não registrado quanto como bolsa de valores não registrada. A SEC alega que certos tokens negociados no Uniswap, como os emitidos através de ICOs, constituem contratos de investimento e, portanto, títulos. Ao permitir a negociação desses tokens sem registro e supervisão regulatória apropriados, o Uniswap teria violado as leis federais de valores mobiliários.

A SEC afirma que o Uniswap Labs exerce um controle significativo sobre as operações da plataforma, tornando-a uma entidade central responsável pelas atividades de negociação. O Uniswap Labs, por sua vez, afirma que é apenas o desenvolvedor responsável pela construção do portal front-end. O protocolo Uniswap em si é separado, apenas um código autônomo liberado para uso público. Na minha opinião, o fato de poder interagir com o protocolo sem usar o front-end apoia essa defesa.

É preciso dizer que a ação da SEC não foi inesperada, dados os rumores e sinais pré-existentes. Embora seja preocupante, a base sólida e a posição favorável do Uniswap no cenário regulatório sugerem que ele tem um caso robusto para apresentar. No curto prazo, poderemos ver as incertezas do mercado impactando a confiança dos investidores e os valores simbólicos.

Para o Uniswap, é improvável que as consequências finais sejam graves. O Uniswap não está apenas enfrentando esses desafios com sucesso, mas também reforçando seu papel como força legitimadora e estabilizadora no DeFi. Este pode ser um período turbulento para todo o DeFi, que durará muitos anos, mas o Uniswap pelo menos parece pronto para a luta. As respostas estratégicas da empresa e os pontos fortes inerentes podem permitir-lhe emergir mais forte, continuando o seu legado como “cavaleiro branco” para a indústria.

A ação da SEC contra o Uniswap faz parte de uma tendência regulatória mais ampla que visa plataformas descentralizadas, o que naturalmente levanta preocupações sobre o excesso. Infelizmente, a SEC decidiu concentrar-se em bons atores como o Uniswap; no entanto, pode pelo menos servir como um alerta para outros.

É hora dos líderes DeFi fazerem sua lição de casa

Embora a consternação com a repressão ao Uniswap seja compreensível, a realidade é que as preocupações da SEC têm peso. Relatórios recentes pintam um quadro preocupante, com projetos DeFi sofrendo perdas surpreendentes. Em janeiro, US$ 133 milhões foi perdido devido a hacks e fraudes; Fevereiro viu mais US$ 67 milhões; e Março testemunhou outro US$ 136 milhões. Em contraste, as plataformas financeiras centralizadas não relataram nenhum incidente de hacking ou fraude no mesmo período.

Por mais inovador que o DeFi possa ser, o seu rápido crescimento e adoção ultrapassaram a sua capacidade de resolver eficazmente questões fundamentais de segurança. A sua natureza de código aberto, justamente celebrada pela sua transparência e colaboração, tornou-se uma faca de dois gumes. A disponibilidade pública do código, é claro, promove a inovação, mas também expõe vulnerabilidades a agentes mal-intencionados que podem estudá-lo à vontade.

Os proponentes do DeFi fariam bem em atender às preocupações e tomar medidas decisivas para reforçar a segurança da indústria à medida que as linhas de batalha são traçadas. Não fazer isso pode resultar em novas repressões regulatórias, sufocando a inovação e minando os próprios princípios sobre os quais o DeFi foi fundado. A comissão está determinada a estabelecer a sua autoridade e garantir que o DeFi opere dentro dos limites das leis de valores mobiliários. O resultado deste confronto certamente moldará a trajetória futura da indústria e o relacionamento com os órgãos reguladores.

Distante da CeFi, mas ainda lutando pela verdadeira descentralização

Em março, o jogo NFT Munchables, construído no blockchain Blast da camada 2 do Ethereum, sofreu um Exploração de US$ 62,5 milhões. O invasor manipulou o contrato de proxy para atribuir a si mesmo um enorme saldo de Ether antes de retirar grande parte dele. O culpado foi um desenvolvedor pseudônimo desonesto contratado pela empresa e três outros, que apoiaram o invasor.

Após o hack, o pesquisador da rede ZachXBT investigou e determinado que todos os quatro eram provavelmente a mesma pessoa, potencialmente ligada aos infames cibercriminosos norte-coreanos, o Grupo Lazarus. Talvez esta revelação tenha inspirado os atacantes a entregar as chaves privadas necessárias para restaurar os fundos roubados, o que ocorreu após fala com o hacker. O incidente ressalta a importância de medidas de segurança robustas e da devida diligência nas práticas de contratação. Manter o controle sobre os processos de implantação e compreender completamente o código enviado ao blockchain é crucial.

Numa perspectiva mais ampla, o hack dos Munchables expõe a tensão entre a descentralização e a protecção dos utilizadores. Os apelos iniciais para que a equipa da Blast intervenha e reverta a cadeia representam um afastamento total do espírito da descentralização, onde as transacções são imutáveis ​​e resistentes à censura. No entanto, neste caso, a magnitude da exploração e o impacto potencial na confiança do utilizador sugerem, compreensivelmente, uma abordagem mais intervencionista.

A jornada para um futuro melhor

Em última análise, o espaço DeFi deve enfrentar desafios de segurança para amadurecer e ganhar aceitação generalizada. Isto requer melhorias técnicas no desenvolvimento de contratos inteligentes e uma mudança cultural no sentido de uma maior transparência, responsabilização e gestão de riscos.

A segurança deve permear todas as camadas das operações, desde o desenvolvimento de contratos inteligentes até o design da interface do usuário. Os líderes devem priorizar a conformidade sem comprometer os princípios fundamentais para navegar nestas águas turbulentas e traçar um caminho em direção a um futuro melhor.

Os protocolos DeFi devem passar por auditorias e testes de penetração rigorosos, aproveitando a experiência de profissionais experientes em segurança cibernética para identificar e mitigar vulnerabilidades de forma proativa. Adotar programas de recompensa por bugs é outro passo crucial. Os projetos podem resolver os pontos fracos, incentivando hackers éticos a descobrir vulnerabilidades antes que possam ser exploradas.

Fundamentalmente, esta abordagem centrada na segurança deve ser acompanhada por um compromisso renovado com a transparência e a comunicação aberta com os reguladores. Ao envolverem-se proativamente com os órgãos reguladores e demonstrarem vontade de colaborar no estabelecimento de padrões e melhores práticas para todo o setor, os líderes DeFi podem ajudar a moldar um quadro regulamentar que promova a inovação e, ao mesmo tempo, garanta a proteção do consumidor.

O caminho a seguir é árduo, mas as recompensas de um ecossistema DeFi seguro e compatível são imensas. Ao priorizar a segurança, abraçar a colaboração e manter um diálogo aberto com os reguladores, a indústria pode abrir caminho para a adoção generalizada e desbloquear o seu verdadeiro potencial.

Mencionado neste artigo

Fonte

Leave a Comment