ÉTopSaber Notícias e Criptomoedas

Redes sociais

Submarino Titan tinha “janelinha minúscula“ para visualização, diz engenheiro

Ff1730f0 Fcb6 4734 98ca 002c73c65c84.jpeg

Compartilhe:

O titã submarinoThat sofreu uma implosão quando submergia rumo a uma visita aos destroços do Titanictinha uma janela de visualização “minúscula” e bem menor do que seu projeto, aparentemente, anterior.

A observação foi feita pelo engenheiro naval Thiago Pontin Tancredi, para quem o fato indica falta de preparo da companhia responsável pela embarcação, a empresa norte-americana OceanGate.

Foto de arquivo da OceanGate mostra o Titan saindo de sua plataforma de lançamento / OceanGate

“Se observarmos vídeos promocionais da empresa em relação a esse submarino, vamos perceber que ele tinha toda a parte frontal transparente, de algum material como vidro ou acrílico”, disse Tancredi, que é professor da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), em entrevista à CNN.

“Isto mostra que essa empresa, desde o início do projeto, desconhecia aspectos técnicos mais fundamentais do que se propunha. Porque, se você olhar as imagens reais, a janelinha de visualização dos destroços é necessário. Não deve ter no máximo uns 30 centímetros de raio. Isto mostra a diferença entre o que eles idealizavam fazer e que acabaram sendo uma solução viável do ponto de vista da engenharia.”

“É como tentar amassar um copo de vidro”

Tancredi explica que as pareciam acerca de como ocorreu a implosão que destruiu o Titã e vitimou seus passageiros vão depender do estado dos destroços encontrados.

De acordo com ele, o mais provável é que tem sido indicado pela equipe de busca da Marinha norte-americana é que o casco está em destroços, e não em uma peça única ou em peças grandes amassadas, o que é mais comum nos acidentes com submarinos feitos de aço.

“O Titan tem um projeto totalmente diferente (…). Ele é feito de fibra de carbono, que é um material não dúctil”, explicou o engenheiro naval.

“Então ele provavelmente não vai amassar; vai fraturar e quebrar em vários fragmentos, e é por isso que a Marinha tem usado o termo ‘implosão catastrófica’. É como tentar amassar um copo de vidro. Você não vai conseguir, ele vai quebrar.”

Assista à entrevista completa no vídeo acima.

Fonte

Leave a Comment