ÉTopSaber Notícias e Criptomoedas

Redes sociais

“Sensação era de que avião estava caindo“, diz passageiro de voo da Azul que declarou emergência

Captura De Tela 2024 01 23 131300 E1706031110834.jpg

Compartilhe:

O advogado Francisco Cunha, 48 anos, era um dos 166 passageiros que embarcaram a bordo do voo AD-4001, da Azul, que declarou emergência a bordo pouco depois de decolar de Natal (RN). A aeronave, um Airbus A320, tinha como destino o aeroporto de Confins (MG), mas precisou voltar para a capital do Rio Grande do Norte. O caso ocorreu na última segunda-feira (22).

Cunha relata que, logo após a decolagem, o avião fazia um “barulho ensurdecedor”. Ele disse que um passageiro questionou uma aeromoça sobre o ruído. “Ela falou que o barulho foi causado por um problema na borracha de colocação na porta que dá acesso ao compartimento de bagagem da aeronave. Eles falaram que o barulho não afetaria nada ou o voo e que o avião estava seguro”, disse o advogado à CNN.

O passageiro lembra que, cerca de três minutos após a explicação da comissária, “o barulho aumentou consideravelmente e, de repente, a aeronave começou a mergulhar. Começaram a acender os avisos para tarar os cintos de segurança e a aeronave desceu. Aí todo o mundo começou a entrar em pânico. Foi um pânico generalizado lá dentro, gente chorando, gente rezando. Pânico, mesmo.”

Durante esse procedimento, lembra Cunha, o piloto deu um aviso sonoro à cabine no qual disse somente: “Descida rápida”. “Uns dois minutos depois, ele deu um aviso dizendo: 'tripulação, estamos em altura de segurança'.”

“A sensação, para quem estava dentro, era de que o avião estava caindo. Porque é uma descida muito rápida e muito forte”, conta.

Segundo Cunha, os passageiros já estavam tensos desde o momento da descolagem, por causa do barulho que a aeronave fazia. Ele diz que o ruído era tão alto que mal era possível conversar ou ouvir música no fone de ouvido. “O barulho era insuportável. Imagina ficar três horas com esse barulhão em cima de você. Um barulho assustador.”

Como foi o voo

De acordo com informações do site de monitoramento Flightradar24, o Airbus A320 que fazia o voo, cujo prefixo era PR-YYH, decolou de Natal às 2h36, pelo horário de Brasília.

Pouco depois de sair do solo, o piloto declarou o código “mayday” na torre de controle. Conforme o dicionário de termos da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), a palavra “mayday”, quando anunciado três vezes repedidas –como ocorreu no voo AD-4001– “indica perigo grave e iminente, e que a aeronave necessita de assistência imediata ”.

Às 2h59, após o piloto de declaração de emergência, o comandante do voo iniciou uma manobra para reduzir a altitude, descendo de 36.400 pés (11.094 metros) para 26.450 pés (8.061 metros) em cerca de três minutos.

Cinco minutos depois, o avião estava a 10 mil pés (3.048 metros). Quando a aeronave sobrevoava o estado de Pernambuco, iniciou uma curva à direita para retornar a Natal. Durante todo o trajeto de volta ao aeroporto de origem, a altitude foi mantida em 10 mil pés.

De acordo com uma cartilha publicada pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), os indivíduos considerados como saudáveis ​​respiram em uma altitude de até 10 mil pés sem “necessidade de oxigênio suplementar”.

O Airbus A320 aterrissou em Natal às 3h46 –cerca de 50 minutos após ter decolado.

Site de monitoramento mostra a trajetória do avião da Azul após declaração de emergência a bordo / Reprodução/FlightRadar24

Passageiro crítico assistência em solo

Francisco Cunha critica a assistência prestada pela companhia aos passageiros depois de uma aeronave ter retornado a Natal. “Só tinha um rapaz e uma moça em solo para atender os 166 passageiros. Eles falaram que não tinham como dar assistência para todo o mundo e aí começou aquele burburinho.”

Cunha, que estava voltando de uma viagem de férias com uma mulher e os dois filhos, contou que teve de fazer uma “saga” para conseguir retornar a Belo Horizonte, onde mora.

De Natal, eles tiveram de voar para Presidente Prudente, no interior de São Paulo, e, de lá, para o aeroporto de Viracopos, em Campinas (SP). De lá, eles pegaram um vôo para Belo Horizonte, que só chegou na madrugada de ontem para hoje.

“Nossa saga começou na madrugada de segunda, às 2 horas da manhã, e terminou à meia-noite. Mas teve gente que ainda não conseguiu voltar”, diz o advogado. “Meus meninos dormiram no chão do aeroporto. Foi bem estressante a experiência.”

O que diz a companhia

Procurada pela CNNa Azul invejou a mesma nota que já havia sido emitida no dia 22. A companhia não falou sobre os supostos problemas com o bagageiro da aeronave e não comentou as críticas feitas pelo passageiro.

A empresa disse apenas que “por questões técnicas identificadas após a decolagem, o voo AD4001 (Natal-Confins), realizada ontem (22), precisou voltar ao aeroporto de origem”.

“O pouso aconteceu com segurança e os Clientes desembarcaram normalmente. A companhia ressalta que os Clientes estão recebendo toda a assistência necessária, conforme previsto na resolução 400 da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) e serão reacomodados em outros voos. A Azul lamenta eventuais transtornos causados ​​e reforça que ações como essa são permitidas para garantir a segurança de suas operações”, finaliza a companhia.

Fonte

Leave a Comment