ÉTopSaber Notícias e Criptomoedas

Redes sociais

Senadores dos EUA desafiam a definição ampla do DOJ de transmissores de dinheiro criptografado

Congress Money Transmission .jpg

Compartilhe:

Dois legisladores dos EUA opuseram-se à tentativa do Departamento de Justiça (DOJ) de expandir a definição de empresa de transmissão de dinheiro.

Em 9 de maio carta ao procurador-geral dos EUA, Merrick Garland, senadores Cynthia Lummis e Ron Wyden argumentou que a interpretação ampla do DOJ poderia criminalizar serviços de software de ativos criptográficos sem custódia.

Segundo os legisladores:

“A interpretação sem precedentes deste estatuto pelo DOJ no contexto de serviços de software de ativos criptográficos sem custódia contradiz a intenção clara do Congresso e a orientação oficial da Rede de Execução de Crimes Financeiros (FinCEN) do Departamento do Tesouro.”

Argumento do DOJ

Em abril, o DOJ argumentou que o misturador de criptografia funcionava como um transmissor de dinheiro não licenciado em sua refutação ao Dinheiro Tornado desenvolvedor Roman Storm's pedido de demissão.

Na sua moção, o DOJ argumentou que o controlo dos fundos não era um pré-requisito para tal classificação. De acordo com ao Departamento de Justiça:

“A definição de 'transmissão de dinheiro' na Seção 1960 não exige que o transmissor de dinheiro tenha 'controle' dos fundos transferidos. A definição estende-se à “transferência de fundos em nome do público por todo e qualquer meio”.

Intenção do Congresso

Os legisladores acreditam que a posição do DOJ estava errada, uma vez que a intenção do Congresso relativamente à lei exige que uma empresa tenha “recebimento e controlo directo de activos” para se qualificar como uma empresa de transmissão de dinheiro.

Os legisladores também citaram a Lei do Sigilo Bancário e vários regulamentos do FinCEN para apoiar o seu argumento contra a posição do DOJ.

Os senadores também afirmaram:

“Os provedores de serviços criptográficos sem custódia não podem ser classificados como empresas transmissoras de dinheiro porque os usuários de tais serviços mantêm a posse e o controle exclusivos de seus ativos criptográficos.”

Os legisladores instaram o DOJ a não se desviar “da definição clara, logicamente sólida e bem estabelecida de “transmissão de dinheiro” estabelecida pelo FinCEN”. Eles acrescentaram:

“Sujeitar os desenvolvedores de software de ativos criptográficos sem custódia a possíveis responsabilidades criminais como transmissores de dinheiro não registrados contraria a interpretação bem estabelecida desta disposição e servirá apenas para sufocar a inovação e abalar a confiança no respeito do DOJ pelo Estado de Direito.”

Mencionado neste artigo

Fonte

Leave a Comment