ÉTopSaber Notícias e Criptomoedas

Redes sociais

Secretário de Estado dos EUA retorna a Israel para conversas com Netanyahu

Tagreuters.com2024binary Lynxmpek150ve Filedimage.jpg

Compartilhe:

Ó secretário de Estado dos EUA, Antony Blinkenretornou a Israel na sexta-feira (22) como parte de um intenso esforço diplomático para alcançar um “cessar fogo sustentado e imediato” em Gaza e impedir uma intervenção israelense em Rafah.

A parada em Tel Aviv marca a sexta rodada da diplomacia de Blinken na região desde o ataque do Hamas a Israel em 7 de outubro. Ele chegou ao país durante a manhã no horário local para encontros com Benjamim Netanyahu e o gabinete de guerra.

A visita de Blinken coincide com a retomada das negociações em Doha com o objetivo de garantir um acordo para um cessar-fogo ligado à libertação dos árbitros mantidos pelo Hamas, bem como uma votação na ONU sobre uma resolução do Conselho de Segurança patrocinada pelos EUA pedindo um “cessar-fogo imediato” no conflito de Gaza.

As relações entre a administração de Biden e o governo de Netanyahu enfraqueceram nas últimas semanas, e as frustrações internacionais dos EUA sobre a guerra continuaram a aumentar. As divisões partidárias cresceram no Capitólio, exemplificado pela convocação do líder minoritário democrata Chuck Schumer na semana passada para uma eleição em Israel e pelo presidente republicano da Câmara, Mike Johnson, na quinta-feira (21), afirmando sua intenção de convidar Netanyahu para se dirigir ao Congresso.

Espera-se que as reuniões de Blinken fiquem tensas com Netanyahu prometendo realizar uma incursão militar israelense em Rafahonde mais de um milhão de habitantes de Gaza foram obrigados a fugir, apesar das críticas dos EUA e da comunidade internacional a esse plano.

“Nossa posição, que é muito clara, é que uma grande operação militar em Rafah seria um erro, algo que não apoiamos”, reiterou Blinken em uma coletiva de imprensa na quinta-feira (21). “Não há lugar para os muitos civis que estão amontoados… em Rafah… para sair do caminho do perigo. E para aqueles que ocorreram, seria um desastre humanitário.”

Espera-se que o assunto seja discutido nas reuniões de Blinken em Tel Aviv, e as autoridades israelenses viajarão para Washington na próxima semana para ouvir os “pontos de vista sobre como lidar com o problema de forma diferente”, informou ele na quarta-feira (20).

Com a retomada das negociações de cessar-fogo em Doha, o diretor da CIA, Bill Burns, deve viajar para a capital do Catar para se reunir com contrapartes de Israel, Catar e Egito. Nos últimos dias, Blinken expressou otimismo cauteloso de que um acordo pode ser realizado, mas admitiu que “ainda há desafios reais”.

Juntamente com o trabalho na região, os EUA apresentarão uma resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidas na sexta-feira “que apoiará inequivocamente os esforços diplomáticos em andamento destinados a garantir um cessar-fogo imediato em Gaza como parte de um acordo de reféns, que permitiria a liberação de reféns e ajudaria a aumentar a ajuda humanitária”, disse Nate Evans, porta-voz da Missão dos EUA na ONU.

“Esta resolução é uma oportunidade para o Conselho falar a uma só voz para apoiar a diplomacia que acontece no terreno e pressionar o Hamas a aceitar o acordo sobre a mesa”, disse Evans.

Todos esses esforços diplomáticos são apresentados no contexto de uma crise humanitária em Gaza, onde “100% da população está experimentando níveis severos de insegurança alimentar aguda”, disse Blinken.

O principal diplomata dos EUA deve novamente pressionar Israel sobre a necessidade urgente de mais assistência humanitária para alcançar as pessoas na faixa devastada pela guerra.

“Israel precisa fazer mais”, disse ele na quinta-feira (22).

“Vimos algumas melhorias nas últimas semanas na concessão de assistência humanitária aos palestinos, mas não é suficiente”, comentou Blinken.

Em uma entrevista na quarta-feira (20), Blinken pediu a Israel “para abrir mais pontos de acesso a Gaza”, enquanto funcionários do governo e trabalhadores humanitários internacionais enfatizavam repetidamente a necessidade de uma “inundação” de ajuda.

A maneira mais eficaz de obter assistência aos necessitados é através de passagens terrestres, mas a pressão sustentada dos EUA não conseguiu pressionar o governo israelense para agir além da abertura de uma travessia adicional. Em meio à resistência em curso do governo israelense no início deste mês, os EUA anunciaram que estavam voltando para os lançamentos aéreos de ajuda e a construção militar dos EUA de um cais marítimo.

Fonte

Leave a Comment