ÉTopSaber Notícias e Criptomoedas

Redes sociais

Repensando blockchains públicos para proteger o futuro frágil da tokenização

Tokens Fragile.jpg

Compartilhe:

A tokenização assumiu o centro das atenções na Web3 no ano passado, atraindo imenso investimento e atenção da BlackRock, JPMorgan e outros participantes importantes. Apesar de um “início lento”, analistas preveem que a tokenização de ativos atingirá um Tamanho de mercado de US$ 2 trilhões até 2030. Seu ímpeto é evidenciado pelo aumento da popularidade dos títulos do Tesouro dos EUA tokenizados durante o recente mercado em baixa, com a capitalização de mercado disparando em 782% somente em 2023de US$ 104 milhões para US$ 917 milhões.

Ao mesmo tempo, espera-se que o mercado global de jogos blockchain alcance US$ 614,91 bilhões em 2030. As vantagens são claras. Maior liquidez, transparência aprimorada, segurança aumentada e acesso e propriedade globais contínuos. Além de finanças e jogos, a tokenização também tem o potencial de revolucionar o mercado imobiliário, jogos e cadeias de suprimentos; indicando uma nova era de acessibilidade e eficiência.

Blockchains públicos e suas limitações… O grande problema

Apesar desses desenvolvimentos promissores, o caminho para um mundo totalmente tokenizado é repleto de desafios, particularmente causados ​​por blockchains públicos. Professor de Regulamentação Financeira na American University, Hilary Allen já havia alertado da “fragilidade” e ineficiência dos blockchains públicos no caso da tokenização em massa.

O problema? Escalabilidade. Problemas de escalabilidade assolam blockchains públicos populares, dificultando sua capacidade de gerenciar altos volumes de transações. A transação de Bitcoin leva cerca de uma hora em média para ser validado, mas isso depende muito do congestionamento da rede. O Ethereum enfrenta um obstáculo de escalabilidade semelhante.

Um aumento nas transações na cadeia fez com que as taxas de gás disparassem para níveis recordes no primeiro trimestre de 2024, deixando a rede lenta e efetivamente inutilizável. Sim, as taxas de gás caíram desde então, mas essas questões continuam sendo um problema a ser resolvido e se estendem além das transações para o espaço de cunhagem e tokenização.

A infraestrutura atual não pode suportar a adoção generalizada da tokenização convencional. Assim como uma rodovia lotada, a maioria dos blockchains públicos como o Ethereum que enfrentam esses problemas de escalabilidade podem ficar sobrecarregados por muito tráfego, dificultando sua capacidade de abrigar e escalar ativos tokenizados de forma eficiente e econômica.

Vulnerabilidades de segurança complicam ainda mais as coisas. O potencial de hackers ou grupos nefastos ganharem controle majoritário do mecanismo de consenso de um blockchain, frequentemente apelidado de “ataque de 51%”, representa riscos significativos. A tecnologia blockchain foi projetada especificamente para evitar que isso aconteça, mas tal ataque pode levar a gastos duplos ou reversões de transações, o que para ativos tokenizados pode significar a reversão de transferências de propriedade que causariam caos e perda de confiança no sistema.

No entanto, obter uma maioria em Bitcoin ou Ethereum agora seria proibitivo em termos de custos: custaria cerca de US$ 20 bilhões em Bitcoin. As pontes que conectam diferentes sistemas de consenso e transferem valor entre eles também são uma brecha na armadura da tokenização; a menos que sejam construídas com extremo cuidado, elas estão em risco de hacks e exploração.

Contratos inteligentes também são vulneráveis. Se forem explorados, isso pode resultar diretamente na perda de ativos tokenizados.

Para que a tokenização cumpra seu potencial transformador em áreas como jogos e finanças, é necessário deve ser capaz de escalar para tokenizar uma vasta gama de ativos. A realidade é que o estado atual da maioria dos blockchains públicos torna isso inviável.

Imagine se o Minecraft fosse um jogo habilitado para blockchain e cada item criado por um jogador precisasse ser tokenizado. O Minecraft tem mais de 166 milhões de jogadores ativos mensalmente. O grande volume de itens do jogo que precisariam ser tokenizados por dia para cada jogador impactaria drasticamente blockchains como o Ethereum, sem mencionar como os altos níveis de congestionamento aumentariam as taxas de gás.

Existem alternativas robustas além dos blockchains públicos?

Soluções de 'Camada 2' que se baseiam em blockchains existentes têm sido frequentemente apontadas como uma solução para problemas de escalabilidade e segurança enfrentados pela tokenização em larga escala.

Essas soluções aliviam muito a pressão dos blockchains públicos, processando transações fora da cadeia ou agrupando transações antes de enviá-las para uma Camada 1, reduzindo significativamente o congestionamento e facilitando transações mais eficientes a custos muito mais baixos.

No entanto, essas soluções de Camada 2 não estão isentas de limitações. Elas ainda dependem do blockchain subjacente de Camada 1 e frequentemente há compensações entre segurança, escalabilidade e descentralização com soluções de Camada 2. A maioria e talvez todas as L2s são 'blockchain-lite'; muitas L2s tentam fazer o mesmo que uma blockchain L1 sem a mesma segurança. Para operar a partir da L1, elas exigem transferência de moeda (moeda encapsulada), o que é muito hostil ao usuário e requer pontes.

Por Análise de risco da L2Beata maioria dos Layer2's vem com riscos. Estes incluem como o “fato de que “apenas um punhado de atores da lista de permissões pode enviar”; “as retiradas de usuários podem ser censuradas pelos operadores autorizados”; “não há como verificar o sistema”; “a construção da prova depende totalmente de dados que NÃO são publicados na cadeia”; e “os dados dependem de um Comitê de Disponibilidade de Dados com um limite de 5/7”.

Cunhagem sem ponte

Métodos alternativos de cunhagem on-chain também prometem caminhos para melhor escalabilidade e eficiência. Você pode pensar que isso parece o trabalho de uma Camada 2, mas soluções construídas sobre Camadas 1 como Ethereum pagam altos preços por segurança. Camadas 1 universais, diferentemente de L1s solo como Avalanche, podem existir sem amarras a uma única rede, permitindo interoperabilidade escalável entre diferentes ecossistemas sem pontes.

Por exemplo, o protocolo de cadeia cruzada da Polkadot (XCMv3) permite que blockchains interajam entre si perfeitamente. L1s construídos com Polkadot podem se apoiar em um aspecto do XCMv3 chamado 'Universal Location' que permite que diferentes sistemas de consenso se refiram a recursos dentro uns dos outros.

Pense na maneira como a web usa URLs para se referir a diferentes sites e páginas da web: a Localização Universal faz a mesma coisa para blockchains, contratos inteligentes e tokens. Essa tecnologia pode ser alavancada por L1s para desenvolver padrões sem pontes pelos quais cada blockchain pode descarregar parte de suas transações.

Uma contagem simples de transações on-chain dos últimos 2 anos mostra que mais de 20% de todas as transações em Ethereum e Polygon podem ser descarregadas imediatamente. Não é uma quantia insignificante.

Arquiteturas como essas simplificam os processos de criação e gerenciamento de tokens, reduzindo drasticamente o risco associado a transações entre cadeias e aumentando a confiabilidade geral. Imagine a capacidade de cunhar milhões de ativos no blockchain de sua escolha, sem pagar taxas de gás nativas e permanecer onde a liquidez está. Esse é o poder da cunhagem sem pontes.

Desbloqueando a Tokenização

A jornada em direção a um mundo totalmente tokenizado requer alternativas robustas para blockchains públicas. A exploração e o desenvolvimento contínuos de métodos seguros de cunhagem on-chain são cruciais. Ao abordar os desafios de escalabilidade e segurança, podemos desbloquear todo o potencial da tokenização, transformando setores como jogos e finanças e impulsionando a próxima onda de inovação digital.

Mencionado neste artigo

Fonte

Deixe um comentário