ÉTopSaber Notícias e Criptomoedas

Redes sociais

Relatório do Tesouro dos EUA conclui que o uso de criptografia em atividades financeiras ilícitas permanece pequeno, mas uma fração crescente dos fluxos totais

Treasury Dept Bitcoin.jpg

Compartilhe:

O Departamento do Tesouro dos EUA disse em 8 de fevereiro que seu último avaliações de risco mostram que os ativos virtuais representam atualmente uma pequena fração do total dos fluxos de lavagem de dinheiro em comparação com as moedas fiduciárias; no entanto, estão a tornar-se uma preocupação crescente para as agências reguladoras e de fiscalização.

O regulador revelou as conclusões nas suas Avaliações Nacionais de Risco de Lavagem de Dinheiro, Financiamento do Terrorismo e Financiamento da Proliferação de 2024. Os relatórios apontam para um cenário em evolução de criptomoedas e outros ativos virtuais como uma fronteira financeira inovadora e uma nova via para a exploração criminosa.

Apesar de representar uma pequena parcela do total dos fluxos financeiros envolvidos na lavagem de dinheiroo crescente setor de ativos virtuais levanta questões regulatórias, de conformidade e de aplicação significativas.

Preocupações regulatórias

Uma grande preocupação levantada pelo Tesouro é a conformidade inconsistente com os regulamentos ABC/CFT em diferentes jurisdições. Esta inconsistência, juntamente com as características únicas dos activos virtuais que facilitam o anonimato e as transacções transfronteiriças, coloca desafios significativos na redução das actividades de branqueamento de capitais.

De acordo com o relatório, a adaptabilidade dos branqueadores de capitais à era digital é evidente na sua utilização de ferramentas e métodos sofisticados para ocultar as origens dos fundos ilícitos. Ele detalha como os criminosos utilizam diversas tecnologias e métodos para ocultar as origens dos fundos ilegais, complicando os esforços para rastrear e combater a lavagem de dinheiro.

Técnicas como mistura de serviços, moedas de privacidade e salto em cadeia entre diferentes ativos de blockchain são particularmente preocupantes. Estes métodos, juntamente com a utilização de carteiras e plataformas não alojadas que permitem transações diretas entre pares sem supervisão de intermediários, prejudicam significativamente a eficácia das medidas ABC/CFT.

A natureza descentralizada de muitas transações de ativos virtuais, especialmente no âmbito do DeFi, agrava ainda mais estes desafios, ao oferecer um escudo de anonimato àqueles que procuram contornar a supervisão regulamentar. O relatório destaca a complexidades do DeFi plataformas e esquemas de investimento em ativos virtuais, que se tornaram terrenos férteis para fraude e lavagem de dinheiro.

De acordo com o Tesouro, a falta de controlo centralizado e o anonimato proporcionado por estas plataformas representam riscos substanciais, com os criminosos a explorar estas funcionalidades para atividades ilícitas, incluindo pagamentos de ransomware e branqueamento de fundos roubados.

Estrada à frente

Para enfrentar estes desafios, o Tesouro defende quadros regulamentares melhorados, melhores práticas de conformidade entre os prestadores de serviços de activos virtuais (VASPs) e uma maior colaboração entre os organismos reguladores e a indústria de activos virtuais.

Estabelecer diretrizes claras e adotar ferramentas analíticas avançadas são cruciais para mitigar os riscos associados aos ativos virtuais. Além disso, o Tesouro enfatiza a importância da cooperação internacional para garantir uma abordagem global coesa para regular e monitorar o mercado de ativos virtuais em rápida evolução.

O relatório também enfatizou a necessidade de adaptação e vigilância contínuas para abordar o cenário em evolução dos activos virtuais e a sua utilização em actividades de branqueamento de capitais, sugerindo uma abordagem multifacetada que envolve inovação tecnológica, ajustamentos regulamentares e colaboração internacional.

Fonte

Leave a Comment