ÉTopSaber Notícias e Criptomoedas

Redes sociais

Putin diz que deixou motim do Grupo Wagner continuar para evitar derramamento de sangue

Tagreuters.com2023binary Lynxmpej5p0c9 Filedimage.jpg

Compartilhe:

o presidente da Rússia, Vladimir Putinfez um discurso desafiador na televisão na noite desta segunda-feira (26), dizendo que deixou deliberadamente que o motim do Grupo Wagner do último sábado (24) durasse o máximo possível para evitar derramamento de sangue, e que isso garantau a união nacional.

A declaração, a primeira sobre o assunto desde seu anúncio no sábado prometendo acabar com a rebelião, parecia ter a intenção de colocar um ponto final em um evento que muitos líderes ocidentais viram como uma exposição da vulnerabilidade de Putin desde a invasão da Ucrânia 16 meses atrás.

Os combatentes do Grupo Wagner, emocionados por Yevgeny Prigozhinassumiram o controle da cidade de Rostov-on-Don, com seu centro de comando militar conduzindo a campanha da Ucrânia, e seguiram em um trem armado pela Rússia, até 200 milhas de Moscou.

“Desde o início dos eventos, foram tomadas medidas sob minhas instruções diretas para evitar um sério derramamento de sangue”, explicou Putin.

“Foi necessário tempo, entre outras coisas, para dar aos que erraram a chance de cair em si, de perceber que suas ações foram firmemente rejeitadas pela sociedade e que a aventura em que estavam envolvidos tinha consequências trágicas e destrutivas para a Rússia e para o nosso Estado”, prosseguiu.

Putin não mencionou Prigozhin, que havia exigido que o ministro da Defesa, Sergei Shoigu, e o chefe do Estado-Maior, Valery Gerasimov, fossem a Rostov para falar com ele. Prigozhin pediu que ambos estivessem demitidos.

Putin também não mencionou nenhuma mudança interativa de pessoal no Ministério da Defesa, embora por volta das 23h (horário de Moscou) ele tenha aparecido na televisão discursando em uma reunião de chefes de seus departamentos de segurança, entre eles Shoigu.

Prigozhin disse que seus homens foram forçados a abater helicópteros que os atacaram enquanto se dirigiam para Moscou; Putin fez alusão a algum derramamento de sangue, mas culpou o Grupo Wagner.

“Os organizadores do motim, tendo traído seu país, seu povo, também traíram aqueles que arrastaram para o crime. Mentiram para eles, os empurraram para a morte: sob fogo, para atirar nos seus”, citou o presidente russo.

Putin agradeceu aos combatentes e comandantes do grupo que recuaram do motim para evitar o que chamou de “derramamento de sangue fratricida” e disse que a grande maioria dos membros de Wagner eram patriotas.

Ele disse que aqueles que não assinaram contratos com o Exército sob uma ordem do Ministério da Defesa poderiam se mudar para Belarus ou simplesmente voltar para suas famílias.

Putin disse que todos os níveis da sociedade adotaram “uma posição firme e inequívoca em apoio à ordem constitucional”.

“Todos estavam unidos e reunidos pelo principal”, declarou. “Responsabilidade pelo destino da pátria”, finalizou.

A Rússia diz que está realizando uma “operação militar especial” na Ucrânia para remover o que chama de ameaça potencial contra sua própria segurança vinda do governo de tendência ocidental em Kiev. A Ucrânia e o Ocidente descreveram a invasão de fevereiro de 2022 como uma apropriação de territórios não provocada.

Fonte

Deixe um comentário