ÉTopSaber Notícias e Criptomoedas

Redes sociais

Presidente do Irã: entenda o que deve acontecer após queda do helicóptero que matou Ebrahim Raisi

Tagreuters.com2023binary Lynxmpej5e0xd Filedimage E1699698647743.jpg

Compartilhe:

Outrora visto como um sucessor provável do Líder Supremo do Irã, o Presidente Ebrahim Raisi morreu sem carga, deixando o estabelecimento da linha-dura da República Islâmica perante um futuro incerto.

Um presidente ultraconservador, Raisi, de 63 anos, foi morto no domingo (19), junto com o ministro das Relações Exteriores, Hossein Amir-Abdollahian e outros altos funcionários, em um acidente de presidente no remoto noroeste do Irã.

A sua morte ocorre em um momento delicado para um país que enfrenta desafios sem precedentes a nível interno e externo.

Equipes de resgate levaram corpo após a queda do presidente que transportou o presidente do Irã, Ebrahim Raisi, segundo agência estatal IRNA
Equipes de resgate levaram corpo após queda do presidente que transportou o presidente do Irã, Ebrahim Raisi, segunda agência estatal IRNA / IRNA

A economia da República Islâmica continua prejudicada pelas avaliações americanas, a sua população jovem está se tornando cada vez mais inquieta e o país enfrenta adversários cada vez mais beligerantes no Oriente Médio e fora dele.

A morte de Raisi “desencadeará eleições num momento em que a IRI (República Islâmica do Irã) está no nadir da sua legitimidade e no auge das suas políticas de exclusão”, disse Ali Vaez, Diretor do Projeto Irã no think tank International Crisis Group, sem X.

Quem assume a presidência?

O poder foi agora transferido para Mohammad Mokhber, que serviu como vice-presidente de Raisi e foi aprovado na segunda-feira como presidente interino pelo líder supremo, o aiatolá Ali Khamenei, o julgado final dos assuntos internos e externos na República Islâmica.

Não tão conhecido como Raisi, Mokhber é “outro administrador”, disse Sanam Vakil, diretor do programa do Oriente Médio e Norte de África no think tank Chatham House, em Londres, a Becky Anderson, da CNN.

Primeiro vice-presidente do Irã, Mohammad Mokhber / Rouzbeh Fouladi/Zuma/Alamy Live News/AP/File

“Ele está perto do IRGC [Exército dos Guardiães da Revolução Islâmica]perto das alavancas do poder”, disse Vakil, acrescentando que é provável que apresente um modelo de “business as usual” (ou “negócios como de costume”, em português) nos próximos dias.

Mas o país deve, por lei, realizar eleições nos próximos 50 dias. Na segunda-feira, o noticiário estatal iraniano IRNA disse que as eleições presidenciais do Irã acontecerão na sexta-feira, 28 de junho.

Os candidatos poderão inscrever-se de 30 de maio a 3 de junho, e a campanha ocorrerá de 12 de junho até a manhã de 27 de junho, acrescentou.

Especialistas dizem que as eleições provavelmente serão organizadas às pressas, com pouca participação dos participantes. Em março, o Irão registou uma participação eleitoral mais baixa desde a fundação da República Islâmica em 1979, apesar dos esforços do governo para reunir os eleitores antes do pleito.

Essa votação – para assentos no Parlamento, ou Majles, e na Assembleia de Peritos de 88 membros, encarregada de escolher o Líder Supremo – atraiu principalmente políticos de linha dura.

“A população em geral perdeu a fé na ideia de que a mudança pode passar pelas urnas”, escreveu Trita Parsi, cofundadora e vice-presidente executiva do Quincy Institute for Responsible Statecraft em Washington, DC, no domingo no X.

As eleições de também março proibiram a candidatura de políticos mais moderados – incluindo o antigo Presidente Hassan Rouhani, outrora um regime forte –, estreitando o pequeno círculo de linhas duras para continuar o governo conservador do Líder Supremo após a sua morte.

“Alternativas reais aos radicais do Irã simplesmente não foram autorizadas a concorrer a cargas públicas nas últimas eleições”, disse Parsi no X, acrescentando que “essas alternativas, aos olhos da maioria da população, eliminadas de qualquer maneira, devido ao fracasso para entregar uma mudança.”

Até que o Líder Supremo seja substituído, no entanto, algumas mudanças deverão ocorrer após a morte de Raisi, especialmente na política externa.

“É realmente o Líder Supremo e a Guarda Revolucionária que tomou as decisões finais e, mesmo na região, implementaram principalmente a política regional do Irã”, disse Vaez, acrescentando que “no geral veremos mais continuidade do que mudança”.

Quais são as implicações no longo prazo da morte de Raisi?

A morte de Raisi levantou questões sobre quem acabará por suceder ao líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, de 85 anos, o homem mais poderoso do país.

O estabelecimento clerical iraniano investiu pesadamente em Raisi durante a sua presidência, vendendo-o como um potencial sucessor de Khamenei. Observadores dizem que ele foi preparado para ser elevado à posição de Líder Supremo.

Líder supremo do Irã, Ali Khamenei / Divulgação via Reuters (22.jan.02)

A morte de Raisi criará “uma crise de sucessão no Irã”, escreveu Karim Sadjadpour, membro sênior do Carnegie Endowment for International Peace, no X.

O presidente falecido manteve algumas das políticas mais duras do regime, reprimindo os protestos em massa de 2022 que procuravam desafiar leis repressivas, como o hijab obrigatório.

De acordo com a constituição, a Assembleia de Peritos, composta por 88, os membros escolhem o sucessor do Líder Supremo após a sua morte. Os membros da própria Assembleia são, no entanto, previamente avaliados pelo Conselho Guardião do Irã, um poderoso órgão de 12 membros encarregados de supervisionar as eleições e a legislação.

A Assembleia de Peritos tornou-se cada vez mais dura ao longo dos anos. Na votação de março, Raisi foi reeleito para a assembleia e o Conselho Guardião proibiu Rouhani de disputar um assento.

Embora existam procedimentos para a seleção do Líder Supremo, as discussões sobre sucessões são sempre “muito opacas”, disse Vakil, acrescentando que ocorre “dentro de um círculo muito próximo de indivíduos”.

Alguns apontaram o filho do atual Líder Supremo, Mojtaba Khamenei, um clérigo de nível médio, como um candidato potencial ao cargo mais alto, mas isso seria uma mudança nos princípios da República Islâmica, que derrubou uma monarquia repressiva em 1970 e se orgulha de ser por se livrar do domínio hereditário.

Permitir que Mojtaba substitua o seu pai pode, no entanto, estimular teorias de que a morte de Raisi não foi acidental, disse Sadjadpour.

Os rivais de Raisi também deverão tentar preencher o vácuo que ele deixa, disse Vaez.

“Isso definitivamente joga pela janela todos os planos que os escritórios do Líder Supremo provavelmente tinham”, disse Vaez a Paula Newton, da CNN.

Acrescentou, no entanto, que não faltam ao Irão actores políticos que sejam “subservientes e pertençam à velha guarda da República Islâmica” que possam substituir Raisi.

Como isso afetará as relações externas do Irã?

Raisi e Amir-Abdollahian supervisionaram uma reviravolta nas relações do Irã com os seus vizinhos árabes, ajudando a normalizar as relações com a Arábia Saudita, inimiga de longos dados, com a ajuda da China.

Mas também vimos a República Islâmica iniciar um ataque direto em grande escala contra Israel pela primeira vez, após um suposto ataque israelense a um complexo diplomático iraniano na Síria. Isso levou Israel a lançar uma retaliação sem precedentes, trazendo à tona uma guerra paralela entre as duas nações.

Sistema antimíssil em Israel após ataque iraniano / Amir Cohen/Reuters (14.abr.24)

Especialistas afirmam que é pouco provável que a morte de Raisi tenha impacto na política externa do regime, que é quase exclusivamente domínio do Líder Supremo.

A política externa do Irã é decidida pelo Conselho Supremo de Segurança Nacional e pode ser vetada pelo Líder Supremo, Mohammad Ali Shabani, especialista em Irã e editor do meio de comunicação Amwaj.media, disse Anderson da CNN.

“Veremos continuidade em termos de como o Irã aborda os arquivos regionais e a colaboração com aliados regionais.”

Ele acrescentou que uma trajetória semelhante provavelmente será vista no programa nuclear.

As próximas eleições presidenciais poderão trazer mudanças ao Irã?

Alguns especialistas dizem que as eleições representam uma oportunidade para o regime trazer de volta os moderados marginalizados.

Embora seja provável que Khamenei mantenha um governo conservador, ele “sempre enfatizou a participação eleitoral como um teste decisivo à legitimidade do sistema”, disse Shabani.

“Essas eleições podem ser um divisor de águas para o Irã.”

Raisi chegou ao poder em eleições que muitos iranianos consideraram uma conclusão precipitada. Com os candidatos moderados eliminados, a participação eleitoral foi extremamente baixa, evidenciando a diminuição da legitimidade do regime.

“Se o Líder Supremo decidir usar estas eleições antecipadas como um momento decisivo para abrir o espaço político, para fazer com que as pessoas votem novamente, isso poderia ser uma grande mudança no jogo”, disse Shabani, acrescentando que isso também teria impacto na sucessão ao Supremo. Líder.

Quais são os planos funerários?

As cerimônias fúnebres de vários dias para Raisi começarão nesta terça-feira (21) em Tabriz e continuarão em Qom, Teerã e Mashhad, de acordo com Mohsen Mansouri, chefe do comitê de planejamento funerário e vice-presidente de assuntos executivos do Irã.

Falando à televisão estatal na segunda-feira, Mansouri disse que as orações fúnebres começarão na cidade de Tabriz, no noroeste, às 9h30, horário local, nesta terça-feira. Haverá uma procissão da Praça dos Mártires de Tabriz até o Tabriz Mosallah (sala de orações).

Ainda nesta terça, os corpos das vítimas do acidente de helicóptero serão transferidos para a cidade sagrada de Xiita de Qom, onde as orações fúnebres terão lugar às 16h30, hora local, fora do Santuário de Fátima Masumeh.

Depois, pela noite, os corpos serão transferidos para a Grande Mesquita Mosallah de Teerã, segundo Mansouri.

Na quarta-feira, grandes cerimônias estão planejadas em Teerã, no Grand Mosallah. Uma ou duas outras cerimônias serão anunciadas posteriormente, segundo Mansouri.

Na manhã da próxima quinta-feira (23), as orações fúnebres começarão em Birjand, província de Khorasan do Sul, onde Raisi atuou como representante do Líder Supremo.

Mais tarde, na quinta-feira, o corpo de Raisi será transferido para o santuário Imam Reza em Mashhad, onde o líder supremo Ali Khamenei conduzirá orações sobre o corpo de Raisi, de acordo com o Mehr News.

Na noite de quinta-feira, o corpo de Raisi será enterrado em Mashhad, segundo Mansouri.

Mansouri também anunciou o encerramento de escritórios na quarta-feira em todo o país e disse que os governadores das províncias onde decorrerão as procissões podem declarar feriados na quarta-feira.

(Tamara Qiblawi, da CNNcontribuições para este texto)

Fonte

Leave a Comment