ÉTopSaber Notícias e Criptomoedas

Redes sociais

Por que razão as carteiras criptográficas anónimas NÃO estão a ser proibidas na UE

Eu Crypto Wallet.jpg

Compartilhe:

Os recentes regulamentos da UE contra o branqueamento de capitais (LBMA) suscitaram um debate acalorado sobre o equilíbrio entre o combate ao crime financeiro e a preservação dos direitos dos cidadãos à privacidade e à liberdade económica. As novas leis, aprovado pela maioria das principais comissões do Parlamento da UE, atraíram críticas e apoio de várias partes interessadas.

Seguindo um artigo de Finbold em 22 de março, originalmente intitulado “Carteiras criptográficas anônimas agora ilegais na UE”, uma enxurrada de atividade ocorreu no fim de semana nas redes sociais. O artigo usou um postagem no blog por Patrick Breyer, membro do Parlamento Europeu (MEP), como fonte principal e teve uma visão contundente da nova legislação restritiva. Desde então, o título do artigo foi atualizado para “UE proíbe pagamentos anônimos de criptografia para carteiras hospedadas”, após debate sobre se o foco do artigo era excessivamente alarmista.

Por que as carteiras criptografadas anônimas foram banidas

A publicação original de Breyer destacou que os pagamentos anónimos em dinheiro superiores a 3.000 euros em transações comerciais serão proibidos ao abrigo dos novos regulamentos, e os pagamentos em dinheiro superiores a 10.000 euros serão totalmente proibidos em transações comerciais. Além disso, pagamentos criptografados anônimos para carteiras hospedadas serão banidos sem um limite mínimo.

Breyer, um autoproclamado lutador pela liberdade digital do Partido Pirata, expressou forte oposição às novas leis em sua postagem. Ele argumenta que a proibição de pagamentos anónimos teria efeitos mínimos sobre o crime, ao mesmo tempo que privaria cidadãos inocentes da sua liberdade financeira e privacidade. Breyer salienta que dissidentes como o falecido Alexei Navalny e a sua esposa e organizações como o Wikileaks dependem de doações anónimas, muitas vezes em moedas virtuais, para financiar as suas atividades.

Além disso, Breyer manifesta preocupação com as potenciais consequências da “guerra ao dinheiro” da UE. Ele adverte que a abolição progressiva do numerário poderá levar a taxas de juro negativas e a uma maior dependência dos bancos, resultando em última análise na privação de direitos financeiros. Em vez disso, apela a formas de trazer os melhores atributos do dinheiro para o futuro digital, permitindo aos cidadãos pagar e doar online sem que as suas transações pessoais sejam registadas.

Pagamentos para carteiras anônimas são proibidos nas exchanges

No entanto, Patrick Hansen, o Diretor de Estratégia da UE para o Círculo, procurou esclarecer o que ele acredita ser desinformação em torno da AMLR. Hansen, um antigo membro da equipe do Parlamento Europeu, apresentou regularmente relatórios sobre a legislação da UE antes de ingressar no Circle e demonstrou uma compreensão abrangente da política. Hansen enfatiza que as carteiras de autocustódia e os pagamentos de/para essas carteiras não são proibidos pelas novas regulamentações. As transferências P2P também estão explicitamente excluídas do AMLR.

No entanto, Hansen reconhece que pagar aos comerciantes com criptografia usando uma carteira de autocustódia não KYC (Conheça seu Cliente) se tornará mais difícil ou banido, dependendo da configuração do comerciante. Ele observa que a AMLR se aplica apenas a “entidades obrigadas” e prestadores de serviços, e não a fornecedores de hardware, software ou carteiras de autocustódia que não têm acesso ou controle sobre os criptoativos.

De acordo com a AMLR, os provedores de serviços de criptoativos (CASPs), como bolsas, serão obrigados a seguir os procedimentos padrão KYC/AML e serão proibidos de fornecer contas anônimas ou contas para moedas de privacidade. Hansen argumenta que isso está alinhado com as práticas existentes e não é novidade na indústria.

Para transferências entre CASPs e carteiras de autocustódia, o AMLR exige medidas de “mitigação de riscos”, como análises de blockchain ou coleta de dados adicionais sobre a origem/destino dos criptoativos. Isto está alinhado com o Regulamento de Transferência de Fundos (TFR), a implementação da regra de viagem do Grupo de Ação Financeira (GAFI) na UE.

O debate regulatório sobre carteiras criptográficas autocustódias na União Europeia continua

Em última análise, o debate em torno dos novos regulamentos da UE contra o branqueamento de capitais destaca a tensão contínua entre o combate ao crime financeiro e a preservação dos direitos dos cidadãos à privacidade e à liberdade económica.

Embora críticos como Patrick Breyer vejam os regulamentos como uma ameaça significativa a estes direitos, outros, como Patrick Hansen, acreditam que as regras se alinham em grande parte com as práticas existentes e que algumas preocupações podem ser exageradas. À medida que os regulamentos entrarem em vigor, será crucial monitorizar o seu impacto na luta contra o branqueamento de capitais e nos direitos dos cidadãos da UE.

É claro que os novos regulamentos são extremamente rigorosos e há um debate sobre como exigir que as carteiras sejam KYC irá impedir a actividade ilícita. Criminosos que enviam criptografia ilegalmente para carteiras anônimas podem agora estar simplesmente quebrando duas leis em vez de umaembora os cidadãos possam ser potencialmente obrigados a KYC para pagar por um café com um Carteira relâmpago.

Ainda assim, permanece um facto crítico: manter criptomoedas numa carteira anónima e não KYC não será ilegal na UE. Haverá apenas limitações severas sobre o que pode ser feito sem ser doxado.

Mencionado neste artigo

Fonte

Leave a Comment