ÉTopSaber Notícias e Criptomoedas

Redes sociais

Por que a família real britânica está no centro de uma onda de teorias da conspiração

Principe William E Kate Middleton.png

Compartilhe:

A decisão do príncipe William de se retirar de uma importante reunião familiar na terça-feira (26), e a falta de uma explicação para isso, mergulhou na família real britânica numa onda de fofocas, especulações e teorias de conspiração selvagens.

Parte disso é normal para uma família que nunca está longe das manchetes na era da mídia moderna. Mas o discurso atingiu um nível frenético nesta semana, especialmente no domínio desenvolvido nas redes sociais.

Uma fonte real se decidiu a dizer exatamente o que impediu os herdeiros do trono real de comparecerem ao funeral de seu padrinho, o Rei Constantino da Grécia. A informação é que William teria um assunto pessoal para tratar.

Dada esta falta de clareza, a sua ausência imediatamente foi ligada à sua esposa, Kate, que ainda está em casa se recuperando de uma cirurgia. Muitos viram o recente retorno do príncipe aos deveres reais como um sinal de que o prognóstico de que a situação estava melhorando rapidamente.

Vale ressaltar que uma fonte real disse à CNN que Kate “continua se recuperando bem”. E embora o palácio tenha deixado claro desde o início que a recuperação da Princesa de Gales a retirada das funções públicas durante vários meses após a operação abdominal, as pessoas ainda tentam preencher as lacunas.

O Palácio de Kensington deu um passo incomum em meio a especulações sobre o paradeiro e a saúde de Kate, com um porta-voz dizendo na quinta-feira (29) que o palácio “deixou claro, em janeiro, os prazos de recuperação da princesa e que serão fornecidos apenas atualizações recentes.

Faltar a eventos normalmente não leva a esse tipo de especulação. Se recuarmos dois anos, simplesmente não teria sorte o mesmo nível de especulação online como nos últimos dias.

Mas muitos estão preocupados com uma série aparentemente interminável de dores de cabeça e problemas de saúde recentes da realidade. A morte da Rainha Elizabeth II, e o fato de tanto o Rei Charles III como Kate – Princesa de Gales – foram adoecidos pouco depois, mas o fato de o público não ver Kate desde o dia de Natal, desenvolvido para a especulação.

Uma série de golpes devastadores foi agravada ainda mais pela morte repentina de Thomas Kingston, marido da prima do rei, Lady Gabriella, aos 45 anos. Entende-se que a ausência de William não estava ligada à notícia da morte de Kingston, que foi revelada publicamente no mesmo dia do funeral de Constantino.

Embora o Príncipe de Gales não tenha estado presente no serviço memorial de terça-feira, sua agenda não foi liberada para eventos públicos e ele voltou à ação na quinta-feira.

O palácio tem revelado o máximo de informações sem comprometer a privacidade médica. Este é o desafio de uma antiga monarquia que opera numa paisagem transformada, onde as pessoas esperam informação imediatamente. Nem sempre o público é insensível, mas as pessoas se preocupam e querem saber por que alguém que estava acostumado a ver ausente da vista do público.

Como sociedade, estamos habituados a ter informações ao nosso alcance e existe um desejo instintivo de preencher essa lacuna. Um exemplo disso é bem representado em “The Crown”, da Netflix.

A série foi inicialmente baseada em registros históricos, mas à medida que as temporadas se aproximavam dos dias atuais, os escritores e produtores foram solicitados a dramatizar os momentos para fins narrativos.

A realidade é que ninguém, além dos diretamente envolvidos, sabe exatamente por que William se retirou deste evento familiar ou como Kate se sente no dia a dia.

Acontecimentos recentes realçaram que, embora as galeses sejam funcionários públicos, também são pessoas vulneráveis ​​às mesmas lutas que todos enfrentamos.

Fonte

Leave a Comment