ÉTopSaber Notícias e Criptomoedas

Redes sociais

Por dentro da onda de Bitcoin de um pequeno reino do Himalaia

A 6e134f.jpg

Compartilhe:

Situado no Himalaia, o Butão, conhecido por seu foco na Felicidade Interna Bruta, está fazendo uma aposta ousada no mundo das criptomoedas. O país está rapidamente expandindo suas capacidades de mineração de Bitcoin em antecipação ao próximo halving, um evento programado no código do Bitcoin que reduz pela metade o número de novas moedas concedidas aos mineradores.

Esta medida estratégica surge depois de a economia do Butão, fortemente dependente do turismo, ter sido duramente atingida pela pandemia do coronavírus. Com as reservas cambiais diminuindo e o desemprego aumentando, o governo está olhando para a mineração de Bitcoin como uma fonte potencial de receita.

A incursão do Butão na criptomoeda a mineração começou em 2023. Agora, o reino está fazendo parceria com o Bitdeer Technologies Group, uma empresa listada na Nasdaq, para aumentar significativamente sua capacidade de mineração. Até 2025, esta colaboração visa triplicar as capacidades actuais do Butão, elevando a sua capacidade mineira total para uns espantosos 600 megawatts – um aumento de 500 megawatts.

A redução pela metade do Bitcoin estimula a expansão da mineração

A força motriz por trás desta expansão é a próxima Bitcoin reduzido pela metade, previsto para abril de 2024. Este evento quadrienal impacta diretamente a lucratividade das mineradoras. Ao reduzir o número de novos Bitcoins concedidos por bloco minerado, o halving basicamente reduz pela metade a renda potencial dos mineradores. A estratégia do Butão é contrariar esta diminuição aumentando significativamente o seu volume de mineração.

Esta abordagem reflete uma tendência global. Dados da Coin Metrics revelam um aumento surpreendente de 60% no consumo global de energia de mineração de Bitcoin este ano, possivelmente refletindo mineradores em todo o mundo que buscam se proteger contra o impacto do halving.

BTCUSD trading at $66,897 on the 24-hour chart: TradingView.com

Desafios para o jogo Bitcoin do Butão

No entanto, o caminho do Butão não é isento de desafios. Embora o país possua uma vantagem energética limpa, dependendo fortemente da energia hidroeléctrica para a mineração, as implicações ambientais de uma operação de tão grande escala continuam por avaliar minuciosamente. Especialistas alertam que as demandas energéticas deste empreendimento poderiam prejudicar a capacidade hidrelétrica do Butão, impactando potencialmente o fornecimento disponível à população.

Bitdeer's new bitcoin mining facility in Bhutan. Image: Shutterstock

Além disso, o sucesso da aposta do Butão depende fortemente do preço do Bitcoin. Se o preço não aumentar significativamente após o halving para compensar as recompensas reduzidas, os mineiros, incluindo os do Butão, poderão enfrentar dificuldades financeiras. O mercado de criptomoedas é notoriamente volátil e uma queda nos preços pode impactar significativamente o retorno do investimento do Butão.

Leitura Relacionada: O campeão do Bitcoin, Max Keiser, critica a postura criptográfica do presidente argentino

A decisão do Butão de entrar no criptografia A arena de mineração marca uma mudança significativa para a nação. Embora os potenciais benefícios económicos sejam inegáveis, a sustentabilidade e a rentabilidade a longo prazo deste empreendimento continuam por ver.

Os próximos meses serão cruciais à medida que o mundo observar como se desenrola esta experiência única nas alturas do Himalaia. A aposta do Butão poderá abrir caminho a outras nações em desenvolvimento para explorarem a mineração de criptomoedas como fonte de receitas, mas questões relativas ao impacto ambiental e à dependência do mercado terão de ser abordadas para que esta estratégia seja verdadeiramente sustentável.

Fonte

Leave a Comment