É Top Saber - Notícias e Análises

Redes sociais

Pescadores ou agricultores? O que seus ancestrais fizeram tem uma influência surpreendente em sua riqueza.

1664105444_0x0.jpg

Compartilhe:

Por que alguns países são ricos e outros pobres? E por que a riqueza é distribuída de forma tão desigual?

Oded Galor, professor da Brown University e meu último convidado no Podcast Unplugged Top Tradersacredita que devemos viajar de volta ao início da cultura humana para encontrar as respostas.

Suas descobertas são boas notícias para os EUA e notícias potencialmente indesejadas para seu maior rival, a China.

Galor é o fundador de um novo campo da economia chamado Teoria do Crescimento Unificado. Ele explora como fatores antigos como geografia, cultura e diversidade impactam a desigualdade de riqueza de hoje. Seu novo livro, A jornada da humanidade: as origens do crescimento e da desigualdadeusa linguagem simples e narrativas divertidas para explicar como isso funciona.

As raízes surpreendentes e profundas dos valores culturais

Galor descobre certos “valores culturais” que se correlacionam com a prosperidade econômica. Por exemplo, culturas que valorizam uma mentalidade “orientada para o futuro” tendem a ser mais ricas porque enfatizam a economia e o planejamento. Mas de onde vem essa mentalidade?

Acaba por refletir as condições geográficas enfrentadas pelos fundadores dessa cultura. Culturas que cultivavam, e particularmente aquelas que cultivavam culturas como trigo e arroz com longos períodos entre o plantio e a colheita, tiveram que adiar o consumo e fazer planos complexos para o futuro. Essa ênfase na importância do futuro foi então transmitida através das gerações como um valor cultural – mesmo quando os descendentes há muito pararam de cultivar.

Em contraste, as comunidades pesqueiras consumiram suas capturas imediatamente e, portanto, não desenvolveram a mesma orientação futura. Isso não os torna “piores” do que as culturas agrícolas, apenas diferentes. Mas é menos provável que prosperem economicamente no mundo moderno, onde atividades orientadas para o futuro, como poupar e investir, geram riqueza.

A geografia antiga influencia o preconceito de gênero

Essa “sombra da geografia” cobre outros valores culturais que melhoram o crescimento. Em lugares onde era necessário um arado pesado para lavrar os campos, surgiram culturas que enfatizavam a importância dos homens trabalharem para gerar renda – porque eram os homens que tinham a força física necessária para manejar um arado.

Em contraste, em áreas onde o solo podia ser arado com equipamentos leves, homens e mulheres trabalhavam juntos nos campos, e disso surgiram culturas que valorizavam e incentivavam ambos os sexos ao trabalho. No mundo de hoje, isso se traduz em maior participação feminina na força de trabalho, o que, por sua vez, leva a melhores resultados econômicos muito depois de os arados serem deixados de lado.

O livro de Galor nos ajuda a ver que as raízes dos traços culturais são profundas e viajam conosco através do tempo e do espaço. O que acontece quando essas viagens fazem com que culturas diferentes se misturem? A diversidade que isso cria é boa para o crescimento econômico?

Economicamente, existe um “ponto ideal” de diversidade?

Galor usa Detroit para obter a resposta.

Na década de 1920, Detroit era a “Paris do Oeste”, suas avenidas repletas de belos prédios e sua economia impulsionada pela nascente indústria automobilística. O trabalho na indústria automobilística atraiu um grande fluxo de afro-americanos migrando do sul. Lá eles se misturaram com uma variedade de culturas europeias brancas.

Galor escreve: Desta fusão de povos e tradições surgiu um dos desenvolvimentos ecléticos do século XX – o rock n’ roll.

Mas também, preconceito e violência racial, culminando em um motim racial de três dias em 1943, onde muitos afro-americanos tiveram suas vidas e propriedades destruídas. Em termos de seu impacto no crescimento econômico, a diversidade funciona nos dois sentidos – aumenta a criatividade e a inovação, mas reduz a confiança e a coesão.

Globalmente, isso resulta em uma relação mista entre diversidade e riqueza. Inicialmente, à medida que a região se torna mais diversificada, seu desempenho econômico aumenta, atingindo um “ponto ideal” onde as forças opostas se equilibram. Uma vez que a diversidade ultrapassa esse ponto, os efeitos negativos dominam, terminando em maus resultados. Guerra. Ele cita a Etiópia como exemplo. É um dos países com maior diversidade étnica e religiosa do mundo e está atolado em guerra há anos.

A prosperidade futura exigirá ainda mais diversidade

Este ponto ideal de diversidade mudou ao longo do tempo. Na Idade Média, evitar conflitos – Galor chama isso de “coesão social” – importava mais do que inovação. Agora, a inovação importa muito mais. De fato, nas medidas de Galor, o nível de diversidade dos EUA está atualmente próximo do ótimo em termos de produtividade econômica.

Esta é uma má notícia para a China, onde o governo ainda valoriza a coesão. O futuro exigirá ainda mais diversidade para resolver problemas cada vez mais complexos e projetar novas tecnologias. Galor acredita que a China corre o risco de ficar para trás, a menos que possa desenvolver formas de encorajar uma cultura que valorize o pensamento crítico e o desacordo criativo.

História = destino?

The Journey Of Humanity revela os antigos as raízes das circunstâncias econômicas de hoje. Isso significa que a história é “destino”?

Galor diz que não.

Em vez disso, ele vê seu trabalho como a criação de um modelo que nos permite nos afastar de uma receita de tamanho único para o sucesso econômico. Em vez disso, ele acredita que agora podemos projetar abordagens para criar riqueza que sejam específicas para a história, cultura e diversidade de uma região. Compreender o caminho de nossas jornadas passadas ajudará a mapear um futuro mais próspero.

Fonte

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *