ÉTopSaber Notícias e Criptomoedas

Redes sociais

Paradigm insta ESMA a reconsiderar posição em relação ao MEV

Esma Eu.jpg

Compartilhe:

A Paradigm levantou alarmes sobre os regulamentos propostos pela Autoridade Europeia dos Valores Mobiliários e dos Mercados (ESMA) ao abrigo do Regulamentação dos mercados de ativos criptográficos (MiCA), com foco na má interpretação do Valor Máximo Extraível (MEV) e no potencial excesso de medidas regulatórias.

Em uma resposta detalhada ao terceiro pacote de consulta da ESMA, a empresa descreveu potenciais impactos negativos tanto para os cidadãos da UE quanto para o ecossistema de criptomoedas mais amplo, decorrentes inadvertidamente de algumas das regras propostas.

Preocupações com MEV

A ESMA disse recentemente que o MEV será considerado um “forma clara de abuso de mercado” sob a próxima estrutura MiCA. No entanto, a Paradigm expressou preocupações de que a abordagem atual do órgão regulador interpreta mal a mecânica e as implicações do MEV, uma característica fundamental na operação dos ecossistemas DeFi.

MEV se refere ao valor potencial que mineradores e validadores podem extrair da reordenação de transações dentro de um bloco, o que a Paradigm argumenta ser vital para a eficiência e segurança de redes descentralizadas.

A Paradigm disse que o MEV desempenha um “papel importante” no apoio ao ecossistema DeFi, permitindo a alocação eficiente de blockspace e auxiliando em atividades essenciais de mercado. De acordo com a empresa:

“A caracterização do MEV pela ESMA como uma forma de abuso de mercado semelhante ao front-running nos mercados financeiros tradicionais mostra um mal-entendido fundamental da tecnologia blockchain.”

A empresa acrescentou que, tradicionalmente, o front-running envolve alguém que usa informações privilegiadas para executar negociações antes de outros, obtendo uma vantagem injusta. A Paradigm apontou que esta definição não se aplica a transações blockchain, que são normalmente públicas e transparentes por design.

A Paradigm disse que, como todos os participantes podem ver as transações pendentes nas blockchains, nenhuma informação privilegiada é envolvida, tornando o conceito tradicional de front-running inaplicável neste contexto.

Exagero regulatório

O feedback da Paradigm também abordou preocupações mais amplas sobre a intenção da ESMA de aplicar o Market Abuse Regulations (MAR) à “camada base” de criptoativos. Essa camada envolve operadores de infraestrutura descentralizada que registram e validam transações de blockchain.

A Paradigm afirma que o MAR, concebido para os mercados financeiros tradicionais, é inadequado para esta infra-estrutura descentralizada. De acordo com a empresa:

“Aplicar o MAR à camada base da criptografia seria uma divergência significativa das regulamentações tradicionais do mercado financeiro. Isto poderia incluir inadvertidamente fornecedores de serviços de Internet, centros de dados em nuvem e desenvolvedores de software de rede sob o seu âmbito, o que é impraticável e inconsistente com o mandato da ESMA.”

A empresa pediu à ESMA que conduzisse mais pesquisas e se envolvesse com o setor privado para entender melhor o papel diferenciado do MEV em ecossistemas de blockchain. Ela alertou que a aplicação incorreta do MAR às operações de blockchain poderia sufocar a inovação e forçar as principais empresas de tecnologia a se mudarem para fora da UE.

A Paradigm propôs que a aplicabilidade do MAR deveria ser limitada a situações envolvendo serviços centralizados e plataformas operadas por Crypto Asset Service Providers (CASPs) com relacionamento direto com os clientes.

A empresa disse:

“Os CASPs que operam bolsas centralizadas devem garantir práticas de mercado justas e transparência.”

A resposta da Paradigm destaca as complexidades da regulação de tecnologias emergentes com estruturas concebidas para mercados tradicionais. À medida que a ESMA continua o seu processo de consulta, a indústria criptográfica permanece atenta aos potenciais desenvolvimentos regulamentares que poderão moldar o futuro da blockchain e dos activos digitais na Europa.

Fonte

Deixe um comentário