ÉTopSaber Notícias e Criptomoedas

Redes sociais

Paquistão sofre ataque de mísseis do Irã e alerta para “sérias consequências“

Cnn L19jb21wb25lbnrzl2ltywdll2luc3rhbmnlcy9jbhjom253ctawmdaxm2i2ahzkcg5xczdj L19jb21wb25lbnrzl2fydgljbguvaw5zdgfuy2vzl2nscmgwbtv4azawmgtmenfpn3m4zjk4cdq E1705480224612.jpg

Compartilhe:

O Paquistão condenou veementemente na terça-feira (16) um ataque aéreo iraniano que matou duas crianças dentro de suas fronteiras, chamando-o de “violação não provocada do seu espaço aéreo” e alertando para retaliação.

O Irã disse ter usado “ataques com mísseis de precisão e drones” para destruir dois redutos do grupo militante sunita Jaish al-Adl, conhecido no Irã como Jaish al-Dhulm, na área de Koh-e-Sabz, na província do Baluchistão, no sudoeste do Paquistão, segundo à agência de notícias Tasnim, homologado ao Estado do Irã.

O ataque ocorre depois de o Irã ter lançado mísseis no norte do Iraque e na Síria, na segunda-feira, na mais recente escalada de hostilidades no Oriente Médio, onde a guerra em curso de Israel na Faixa de Gaza corre o risco de se transformar num conflito regional mais amplo.

O Ministério das Relações Exteriores do Paquistão disse que o ataque ao seu território matou “duas crianças inocentes” e alertou o Irã sobre “sérias consequências”. O Paquistão descreveu o ataque aéreo como uma “violação não provocada do seu espaço aéreo pelo Irã dentro do território paquistanês”.

“É ainda mais preocupante que este ato ilegal tenha ocorrido apesar da existência de vários canais de comunicação entre o Paquistão e o Irã”, afirmou o ministério.

Após o ataque, o Paquistão, detentores de armas nucleares, apresentou um “forte protesto” a um alto funcionário do Ministério dos Negócios Estrangeiros do Irã, na capital iraniana, Teerã, e apelou ao encarregado de negócios iraniano, dizendo que “a responsabilidade pelas consequências recairá diretamente sobre o Irã”.

Veja também: Houthis prometem resposta forte a ataques dos EUA

O grupo militante Jaish al-Adl disse na terça-feira que a Guarda Revolucionária do Irã usou seis drones de ataque e uma série de foguetes para destruir duas casas onde viviam os filhos e esposas de seus combatentes.

As autoridades da província do Baluchistão disseram à CNN que duas meninas morreram e pelo menos quatro pessoas morreram. As meninas, de oito e 12 anos, foram mortas em casas danificadas no ataque no vilarejo de Koh-e-Sabz em Kulag, a cerca de 60 milhas do distrito de Panjgur, na noite de terça-feira, segundo o deputado distrital, comissário Mumtaz Khetran.

Khetran também disse que uma mesquita perto das casas foi alvo e atingida nos ataques.

Koh-e-Sabz – a cerca de 50 quilômetros da fronteira do Paquistão com o Irã – é conhecido por ser a casa do ex-segundo em comando de Jaish-ul-Adl, Mullah Hashim, que foi morto em confrontos com as forças iranianas em Sarawan, uma região iraniana adjacente a Panjgur, em 2018.

No mês passado, o Irão acusou militantes do Jaish al-Adl de invadir uma delegacia de polícia na província iraniana de Sistão e Baluchistão, o que descobriu na morte de 11 polícias iranianos, segundo a Tasnim.

Jaish al-Adl, ou Exército da Justiça, é um grupo militante separatista que opera em ambos os lados da fronteira e já assumiu anteriormente a responsabilidade por ataques contra alvos iranianos. O seu objectivo declarado é a independência das províncias iranianas do Sistão e do Baluchistão.

Os ataques no terrorismo ocorreram um dia depois de a Guarda Revolucionária do Irã ter lançado mísseis balísticos, o que alegou ser uma base de espionagem da agência de inteligência de Israel, Mossad, em Erbil, no norte do Iraque, e contra “grupos terroristas anti-Irã” na Síria.

O Irã disse que os ataques no Iraque foram em resposta ao que esses ataques israelenses que mataram comandantes da Guarda Revolucionária Iraniana, e afirmou que alvos na Síria estavam envolvidos nos recentes atentados duplos na cidade de Kerman durante um memorial ao comandante da Força Quds assassinado , Qasem Soleimani, que deixou bolsas de mortos e feridos.

O país defendeu, ainda, que os ataques são como uma operação “precisa e direcionada” para dissuadir ameaças à segurança, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores iraniano, Nasser Kanaani, em comunicado de terça-feira.

Aumento da tensão no Oriente Médio

Os ataques do Irã aumentarão ainda mais o recebimento de que a guerra de Israel em Gaza possa se transformar numa guerra em grande escala no Oriente Médio, com graves consequências humanitárias, políticas e econômicas.

Os ataques no Iraque e na Síria foram condenados pelos Estados Unidos como “imprudentes” e imprecisos, enquanto as Nações Unidas afirmaram que “as preocupações de segurança devem ser abordadas através do diálogo e não de ataques”.

O Iraque disse que apresentou uma reclamação ao Conselho de Segurança da ONU e à ONU na terça-feira. O ministro das Relações Exteriores do Iraque, Fuad Hussein, disse que não há centros afiliados ao Mossad operando em Erbil, na região semiautônoma do Curdistão.

O bombardeio implacável de Israel sobre Gaza em resposta aos ataques terroristas do Hamas em 7 de outubro matou mais de 24 mil pessoas, segundo o Ministério da Saúde gerido pelo Hamas, e provocou uma devastação generalizada, uma vez que os civis vivem com a ameaça de morte iminente – seja por um ataque aéreo ou por fome ou doença.

O conflito intensificou as hostilidades em toda a região, com os aliados e representantes do Irã – o chamado eixo de resistência – a lançar ataques contra as forças israelenses e os seus aliados.

Na terça-feira, os militares dos EUA lançaram novos ataques contra alvos Houthi dentro do Iémen, lançando mísseis balísticos antinavio controlados pelo grupo rebelde apoiado pelo Irã, disse um oficial da defesa à CNN.

Poucas horas depois, os Houthis lançaram um míssil contra rotas marítimas internacionais no sul do Mar Vermelho, atingindo o M/V Zografia, um graneleiro de bandeira maltesa, disse o funcionário.

Os ataques são pelo menos a terceira rodada de ataques que os militares dos EUA lançaram contra a infraestrutura dos Houthis desde a última quinta-feira, quando americanos e britânicos conduziram uma operação conjunta que teve como alvo nós de comando e controle e depósitos de armas usadas ​​pelos Houthis para lançar mísseis e drones contra a navegação comercial no Mar Vermelho.

Os EUA no Iraque e na Síria também foram repetidamente alvo de ataques de foguetes e drones por parte de representantes de Teerã. Na semana passada, os EUA levaram a cabo um ataque em Bagdá que matou um líder de um grupo de procuradores apoiado pelo Irã, que Washington culpou pelos ataques contra pessoal dos EUA na região.

E os combates intensificaram-se entre Israel e o poderoso grupo Hezbollah, apoiado pelo Irã, do outro lado da fronteira com o Líbano. No domingo, o chefe do Hezbollah, Hassan Nasrallah, prometeu obrigações os confrontos com as forças israelenses na fronteira com o Líbano até o fim da intervenção israelense em Gaza.

Fonte

Leave a Comment