ÉTopSaber Notícias e Criptomoedas

Redes sociais

Pacto de Kim e Putin prevê uso de “todos os meios necessários” em caso de ataque

2024 06 19t045844z 1 Lop191919062024rp1 Rtrmadp Baseimage 960x540 Northkorea Russia Putin Welcome.jpg

Compartilhe:

A Coreia do Norte e a Rússia comprometem-se a utilizar todos os meios disponíveis para fornecer assistência militar imediata no caso de outra ser atacada, de acordo com o texto de um novo pacto de defesa histórico acordado pelas nações duas autoritárias.

Ó presidente russo, Vladimir Putin, e o líder norte-coreano, Kim Jong Un, Acordamos o novo acordo de parceria estratégica na quarta-feira (19) em Pyongyang, durante uma rara visita de Estado do líder russo, que descreveu o acordo como um “novo nível” nas relações bilaterais.

Ó pacto, que tem como pano de fundo a guerra opressiva de Putin contra a Ucrânia, é o acordo mais significativo assinado pela Rússia e pela Coreia do Norte em décadas e é visto como uma espécie de renascimento da promessa de defesa mútua da era da Guerra Fria de 1961 . Também consolida a poderosa ligação do regime de Kim com uma potência mundial que exerce poder de veto no Conselho de Segurança da ONU.

Nesta quinta-feira (20), a mídia estatal norte-coreana KCNA publicou o texto completo do pacto, que também inclui cooperação política, comercial, de investimento e de segurança.

De acordo com o texto, o artigo 4.º estabelece que caso um dos países “entre em estado de guerra devido a uma agressão armada”, o outro “deverá imediatamente fornecer assistência militar, com todos os meios à sua disposição”.

O texto recentemente divulgado irá agora levantar várias questões aos observadores ocidentais, incluindo se a poderosa dissuasão nuclear da Rússia se estende agora à Coreia do Norte, ou se as duas nações irão agora realizar exercícios militares.

Putin referiu-se à cláusula de defesa após a reunião com Kim na quarta-feira, dizendo que ela prevê “a prestação de assistência mútua em caso de agressão contra uma das partes deste acordo”.

Enquanto isso, Kim chamou a nova “aliança” de um “momento divisor de águas no desenvolvimento das relações bilaterais”.

Alguns analistas dizem que o pacto parece mais um tratado formal de defesa do que um acordo de parceria.

“De certa forma, isso mostra o que eles já vêm construindo nos últimos meses e anos”, disse Jo Bee-yun, pesquisador associado do Instituto Coreano de Análises de Defesa. “Mas eu diria que esta cláusula é muito alarmante porque está perto de chegar, além, a uma espécie de contrato de defesa mútua”.

Yu Ji-hoon, pesquisador do Instituto Coreano de Análises de Defesa, disse que a “cláusula de intervenção automática” do tratado significa que todos os meios militares serão mobilizados, “incluindo o exército, a marinha e a força aérea”.

No entanto, os detalhes sobre a cláusula são escassos e Yu disse que era “necessário monitorizar de perto as disposições relativas à intervenção militar da Coreia do Norte e da Rússia”.

Por exemplo, a Coreia do Norte refere-se ao “treinamento Coreia do Sul-EUA, ou treino giratório a Coreia do Norte” como um ataque, “mas não é visto como equivalente a uma guerra”, disse Yu.

O acordo cimenta o alinhamento cada vez mais profundo dos dois países face ao seu isolamento internacional devido à guerra de Moscou na Ucrânia e ao programa nuclear e de mísseis balísticos de Pyongyang.

Os EUA, a Coreia do Sul e outros países acusaram a Coreia do Norte de fornecer ajuda militar substancial ao esforço de guerra da Rússia, enquanto os observadores levantaram preocupações de que Moscou pudesse estar violando avaliações internacionais para ajudar Pyongyang no desenvolvimento de seu nascente programa militar de satélites. Ambos os países negaram as exportações de armas norte-coreanas, apesar de evidências relevantes de tais transferências.

Falando após o encontro com Kim, Putin irritou-se contra o que chamou de “a política imperialista dos Estados Unidos e dos seus satélites” e disse que a Rússia “não descartou o desenvolvimento da cooperação técnico-militar com a RPDC”, referindo-se se à Coreia do Norte pela sua sigla oficial.

Analistas afirmam que qualquer reforço da cooperação tecnológica aumentaria o poder militar da Coreia do Norte.

“Isso inclui avanços em armas nucleares e meios eficazes de fornecer essas capacidades nucleares”, disse Yu.

Leif-Eric Easley, professor da Universidade Ewha em Seul, disse que o pacto “simboliza a escolha de Moscou por Pyongyang em vez do regime internacional de não-proliferação e das obrigações da Rússia como membro do Conselho de Segurança da ONU”.

Fonte

Deixe um comentário