ÉTopSaber Notícias e Criptomoedas

Redes sociais

O rápido aumento dos golpes de romance com criptomoedas

Love Scam.jpg

Compartilhe:

A seguir está um post convidado de Brendan Cochrane e Katya Gozias.

Os golpes de “abate de porcos”, em que as vítimas são “engordadas” com bajulação, muitas vezes sob o pretexto de romance, antes de entregarem seus bens ao golpista, estão aumentando, e o governo e as bolsas de criptomoedas deveriam estar fazendo mais para proteger as pessoas desses golpes.

Em junho, o Comissão de negociação de futuros de commodities (CFTC) iniciou uma ação coerciva contra o californiano Cunwen Zhu, que, segundo eles, fingiu namorar 29 pessoas para fazê-las depositar US$ 1,3 milhão para comprar criptomoedas em seu nome. Em vez disso, ele pegou para si. Infelizmente, a maioria dos perpetradores por trás dos mais de US$ 250 bilhões em fraudes criptográficas FBI relatou nunca será levado à justiça.

Desconfie de todas as comunicações que você recebe de pessoas que você não conhece.

A psicologia do golpe

Os golpistas entram em contato com vítimas em potencial por meio das redes sociais e fingem fazer amizade com elas, até mesmo namorá-las à distância. A maioria dos golpistas que matam porcos frequentemente encontram suas vítimas em sites de namoro, aproveitando seu desejo de conexão e companheirismo para ganhar sua confiança. Mas não se trata apenas de sites de namoro – esses golpistas usam qualquer plataforma de mídia social. Por exemplo, pessoas foram vitimizadas através de Instagram, Discord, Telegram, YouTube, Facebook e LinkedIn. As conversas então passam para o WhatsApp.

Nesse ponto, o golpista convence a vítima a investir em criptomoedas, muitas vezes enviando-lhes um link para um site ou aplicativo de troca de criptomoedas de aparência legítima. Uma vítima recebeu um link para o que parecia ser So-Fi – incluindo até mesmo um link funcional atendimento ao Cliente contato – mas era falso.

As vítimas são desencorajadas de tentar retirar fundos devido a preocupações com “impostos” e “taxas de processamento”, mas os golpistas já têm o seu dinheiro. Às vezes, os golpistas devolvem o que parece ser uma parte do investimento da vítima para continuar o ciclo e manter a confiança quando repatriam os fundos roubados de outra vítima, muito semelhante a um esquema Ponzi. Muitas vezes é aqui que a vítima percebe que foi enganada.

Você pode se proteger tomando cuidado com quem compartilha suas informações de contato, não respondendo a mensagens de pessoas que você não conhece ou que não conheceu pessoalmente, ou clicando nos links que elas lhe enviam. Pesquise de forma independente bolsas e plataformas de negociação e verifique se elas são legítimas, possuem mecanismos de resolução de disputas e cumprem as solicitações das autoridades dos EUA.

Processar fraudes de abate de porcos pode ser complexo, envolvendo agências reguladoras e policiais locais, estaduais e federais, como a Securities and Exchange Commission e a Commodity Futures Trading Commission. É ainda mais complicado pelo fato de que oos cammers normalmente não estão no mesmo país que suas vítimas.

Os golpistas operam frequentemente na China, no Camboja, em Mianmar e nos Emirados Árabes Unidos, onde não existem tratados de extradição ou onde a extradição pode ser difícil devido ao afastamento e à falta de coordenação. Os golpistas também podem ter subornado as autoridades locais.

Pior ainda, o golpista que entra em contato com a vítima pode ser ele próprio uma vítima – de tráfico humano argolas. O FBI recentemente avisou que as pessoas que viajam para o Sudeste Asiático estão a ser atraídas para as mãos de organizações criminosas através de falsas ofertas de emprego e depois mantidas como escravos virtuais, forçadas a perpetrar a fraude. Como resultado, a aplicação da lei concentra-se em desmantelar as empresas de fachada, as cadeias de lavagem de dinheiro e os sites falsos dos golpistas.

Uma coisa é certa: as agências reguladoras e de aplicação da lei precisam de mais força para lidar com estas fraudes e de cooperação público-privada.

Quando a aplicação da lei faz uma diferença na investigação de fraudes de abate de porcos, isso representa uma gota no oceano do montante total de dinheiro roubado. No início deste ano, o governo federal Recuperação do Departamento de Justiçaacabou US$ 100 milhões valor em criptomoeda, mas acredita-se que as perdas relatadas sejam de cerca de US$ 3 bilhões por ano e estão aumentando. Além disso, muitas vezes, as vítimas não relatam as suas perdas.

O futuro das parcerias público-privadas

Uma investigação por CNBC descobriu que o bitcoin de uma vítima de golpe foi transferido via Crypto.com para uma carteira que recebeu US$ 1,6 bilhão em bitcoin desde 2019 e transfere fundos regularmente por meio da Binance. A vítima entrou em contato com a Crypto.com, mas foi informada de que não poderia ajudar na recuperação. Ele apresentou queixa às autoridades, mas ainda não recebeu resposta.

Suponhamos que as exchanges não possam ajudar as vítimas a recuperar o seu dinheiro. Nesse caso, eles estão, no mínimo, em uma posição única para recusar hospedar carteiras associadas a atividades suspeitas ou sinalizá-las para aplicação da lei. As parcerias público-privadas e a partilha de informações são fundamentais para desmantelar as operações de abate de suínos.

Só porque parte do dinheiro foi recuperado não significa que ele foi devolvido à vítima, principalmente porque muitas agências locais de aplicação da lei não estão familiarizadas com a investigação de crimes relacionados à criptografia. É aí que entra a vice-procuradora do condado de Santa Clara, CA, Erin West.

De acordo com Forbes“muitas vezes o primeiro passo é ensinar a polícia e o Ministério Público como criar uma carteira controlada pelo governo, para que quando uma bolsa de criptomoedas for ordenada a entregar ativos criptográficos ilícitos, os investigadores tenham uma maneira de recebê-los”.

Assim que os fundos forem congelados, West pode ir a um juiz e solicitar um mandado de apreensão. “Então, o Ministério Público de Santa Clara pode manter a criptografia sob custódia, enquanto passa pelo processo judicial para garantir que ninguém mais tenha direito a esses fundos. Esgotados esses procedimentos de notificação, um juiz assina a transferência final de volta à vítima”. West liderou uma equipe que recentemente restaurou US$ 1,15 milhão para vítimas de fraude.

West também está aumentando a conscientização sobre o crime entre as agências policiais de nível inferior. Ela construiu duas organizações, a Crypto Coalition e a Operation Shamrock. A Crypto Coalition tem cerca de 1.100 agências de aplicação da lei como membros que oferecem educação para profissionais de aplicação da lei. A Operação Shamrock espera interromper os golpes de abate de porcos, educando o público, apreendendo dinheiro roubado e interrompendo as operações dos golpistas, envolvendo a indústria de tecnologia.

Os golpes de abate de porcos são um perigo crescente. Eles se aproveitam da necessidade humana básica de companheirismo e amor. Usando a mídia social como um parasita, os golpistas podem se esconder à vista de todos e coletar informações para construir pessoas pelas quais as vítimas terão empatia. Embora muitos golpes tenham como alvo idosos ou pessoas que não entendem de tecnologia, qualquer um pode ser vítima de um golpe de abate de porcos. Na verdade, segundo alguns Estatisticas, dois terços das vítimas são mulheres com idades entre 25 e 40 anos. Devemos estar vigilantes e fazer mais para educar as pessoas sobre o perigo e as precauções que podem tomar.

Se você ou alguém que você conhece for vítima de tal golpe, consultores terceirizados que usam ferramentas como Chainalysis ou QLUE (criado pelo Blockchain Intelligence Group) podem rastrear fundos até uma exchange. Essas ferramentas extraem dados de blockchains públicos, sobrepõem as informações com inteligência das agências de aplicação da lei e apresentam as informações em um gráfico que ilustra os fluxos de fundos.

As bolsas que cooperam com as autoridades dos EUA podem então ser intimadas para obter informações de “Conheça o seu cliente”, que podem ser usadas para tentar recuperar os fundos.

Isenção de responsabilidade: as informações fornecidas neste artigo não constituem e não pretendem constituir aconselhamento jurídico; em vez disso, todas as informações, conteúdos e materiais fornecidos aqui são apenas para fins informativos gerais. As informações contidas no artigo podem não constituir as informações jurídicas ou outras informações mais atualizadas. Este artigo contém links para outros sites de terceiros. Tais links são apenas para comodidade do leitor, usuário ou navegador.

Katya Gozias é diretora administrativa da Guidepost Solutions. Ela trabalha com empresas de blockchain para desenvolver um roteiro e uma estrutura para a adição de soluções de tecnologia blockchain totalmente operáveis ​​para clientes corporativos, incluindo configuração para KYC, segurança cibernética, antifraude e rastreamento da cadeia de suprimentos. Ela também auxilia vítimas de abate de porcos a rastrear a movimentação de fundos até uma bolsa e a estabelecer contato com as autoridades.

Brendan Cochrane é sócio da YK Law LLP, onde se concentra em questões de blockchain e criptomoeda, e professor adjunto da Faculdade de Direito da Universidade de Suffolk, ensinando “Blockchain, Criptomoeda e a Lei”. Ele também é o diretor e fundador da CryptoCompli, uma startup focada nas necessidades de conformidade de empresas de criptomoedas.

Fonte

Deixe um comentário