O impacto e a importância do uso de energia para PoW

0 157
Enquanto escrevia o white paper mais famoso do mundo, Satoshi Nakamoto definiu o processo de mineração Bitcoin (BTC). Ficou estabelecido que a cunhagem das novas moedas ocorreria por meio de prova de trabalho. Para realizar essa verificação e ser capaz de minerar a criptomoeda, os computadores precisariam resolver cálculos matemáticos complexos.

No início, não havia muitos mineiros. No entanto, isso mudou antes da primeira corrida de touros do Bitcoin. A competição na mineração disparou, causando um aumento acentuado no custo das máquinas capazes de competir. Ainda mais importante, a demanda de energia explodiu com as novas máquinas – que precisavam de energia principalmente para processamento e resfriamento.

Depois de oito anos, a demanda de energia para minerar Bitcoin cresceu – e hoje chega a 116,71 terawatts-hora por ano, de acordo com dados do Cambridge Bitcoin Electricity Consumption Index, ou CBECI. À primeira vista, isso parece muito, certo? Mas vamos examinar mais de perto os dados para entender melhor o impacto real que a mineração de Bitcoin tem no meio ambiente.

Relacionado: Ignore as manchetes – a mineração de Bitcoin já é mais verde do que você pensa

O uso de energia na mineração de Bitcoin

Alguns influenciadores apareceram recentemente nas redes sociais e estão associando o Bitcoin a um suposto aumento no uso de energia de combustível fóssil, especialmente carvão. Na verdade, alguns países – como a China – usam o carvão como uma importante fonte de energia. Mas esse é o principal combustível para a energia utilizada?

De acordo com um estudo publicado pela Universidade de Cambridge em setembro:

“A hidreletricidade está listada como a principal fonte de energia, com 62% dos hashers pesquisados ​​indicando que suas operações de mineração são movidas a energia hidrelétrica. Outros tipos de energias limpas (por exemplo, eólica e solar) estão mais abaixo, atrás do carvão e do gás natural, que representam, respectivamente, 38% e 36% das fontes de energia dos entrevistados ”.

Ainda, de acordo com o CBECI, 25.082 TWh de energia são produzidos no mundo anualmente. Apenas 20.863 TWh são consumidos, ou seja, 16,82% são desperdiçados. Bitcoin representa um gasto de energia de 0,47% do total de energia produzida e apenas 0,54% do desperdício de energia em todo o mundo.

Outra pesquisa divulgada recentemente pela Galaxy Digital compara o uso de energia do Bitcoin com o uso de bancos e mineração de ouro. De acordo com o documento, a indústria do ouro consome 240,61 TWh por ano, enquanto o sistema bancário consome 263,72 TWh.

Ainda mais alarmante é o que aponta a CBECI em relação aos dispositivos eletrônicos não utilizados. Só nos Estados Unidos, com a eletricidade gasta em um ano por dispositivos conectados que não estão em uso, seria possível alimentar a rede Bitcoin por quase dois anos.

Portanto, está claro que o consumo de energia do Bitcoin não é tão relevante quanto se diz, quando comparado com a produção e o desperdício global de energia. Sem falar que esse consumo de cerca de 116 TWh é responsável por dar segurança e acesso a uma vida digna para milhões de pessoas em todo o mundo.

O que realmente devemos estar cientes quando falamos sobre o Bitcoin ser verde é sua pegada de carbono.

Relacionado: Bitcoin é um desperdício de energia? Prós e contras da mineração de Bitcoin

Pegada de carbono do Bitcoin

Infelizmente, grande parte da energia gerada atualmente resulta em uma alta taxa de carbono, e essa deve ser a principal preocupação e o ponto focal ao discutir o impacto ambiental do Bitcoin.

De acordo com dados divulgados em 2019 pela revista científica Joule, a pegada de carbono do Bitcoin é entre 22 e 22,9 toneladas métricas de CO2. Na verdade, é uma quantidade relevante comparável às taxas de emissão da Jordânia ou do Sri Lanka. No entanto, é consideravelmente menor, por exemplo, do que o gasto de energia da força militar americana, que segundo dados compilados pelo Statista emite 59 MtCO2.

Felizmente, existem maneiras simples de compensar a pegada de carbono deixada pelo Bitcoin. Com a tokenização de ativos, algumas empresas optaram por tokenizar créditos de carbono, tornando mais fácil para os mineiros e todos os envolvidos de alguma forma com a indústria de criptomoedas diminuir o impacto causado pela geração de energia elétrica utilizada nas máquinas de mineração.

Olhando para o futuro, nossa atenção deve estar voltada para a redução do uso de combustíveis fósseis, com o objetivo de diminuir a pegada de carbono remanescente.

Vale ressaltar que o problema ambiental não será resolvido apenas com a redução do uso de combustíveis fósseis. É ainda mais importante otimizar o uso da energia gerada e, ao mesmo tempo, focar na redução do desperdício e das emissões desnecessárias de carbono no processo.

Relacionado: O ano pandêmico termina com uma solução tokenizada de limite e comércio de carbono

Desenvolvendo um Bitcoin verde

Não se espera que o consumo de energia pela mineração aumente muito nos próximos anos, pois está mais associado ao poder de computação do que a adoção do próprio Bitcoin. Portanto, o 116,71 TWh deve permanecer estável por algum tempo.

Para atingir a meta de uma rede Bitcoin verde, as empresas de mineração de criptografia podem fazer sua parte comprando tokens de crédito de carbono e promovendo a produção com menos uso de combustíveis fósseis. É injusto – para dizer o mínimo – acusar o Bitcoin ou os mineiros de degradar o meio ambiente enquanto fecha os olhos aos outros 99,54% da energia gerada.

O Bitcoin é aberto e pode ir até os confins da Terra, independentemente das limitações ou proibições impostas por terceiros. É importante lembrar que esta criptomoeda foi criada para proporcionar uma vida digna a pessoas comuns e desfavorecidas, para evitar a desvalorização do dinheiro, para garantir o poder de compra e para melhorar a qualidade de vida.

Este artigo não contém conselhos ou recomendações de investimento. Cada movimento de investimento e negociação envolve risco, os leitores devem conduzir suas próprias pesquisas ao tomar uma decisão.

Os pontos de vista, pensamentos e opiniões expressos aqui são exclusivamente do autor e não refletem nem representam necessariamente os pontos de vista e opiniões da Cointelegraph.

Jay Hao é um veterano em tecnologia e líder experiente do setor. Antes da OKEx, ele se concentrou em aplicativos baseados em blockchain para streaming de vídeo ao vivo e jogos móveis. Antes de entrar na indústria de blockchain, ele já tinha 21 anos de sólida experiência na indústria de semicondutores. Ele também é um líder reconhecido com experiência de sucesso em gerenciamento de produtos. Como CEO da OKEx e um crente firme na tecnologia de blockchain, Jay prevê que a tecnologia eliminará as barreiras das transações, aumentará a eficiência e, eventualmente, terá um impacto substancial na economia global.