O uso do Bitcoin por criminosos caiu de 90% pra 10% nos últimos cinco anos.

O uso do Bitcoin por criminosos caiu de 90% pra 10% nos últimos cinco anos.

O uso do Bitcoin para fins criminosos caiu nos últimos cinco anos, de acordo com uma análise de dados de Blockchain que mostrou que a atividade criminosa estava por trás de cerca de 90% das transações na criptomoeda. Agora, a atividade ilegal encolheu para cerca de 10%.

O uso do Bitcoin por traficantes não parou.

Portanto, vale ressaltar que isso não significa que os criminosos pararam de usar o Bitcoin. O volume total de transações associadas a usos ilegais aumentou desde 2013, disse Infante, que é um agente especial da DEA e faz parte da Força-Tarefa de Investigação Cibernética de10 pessoas.

“A equipe se concentra em investigações relacionadas a dark web e moeda virtual e colabora com outras unidades do Departamento de Justiça, incluindo o Federal Bureau of Investigation e o Bureau de Álcool, Tabaco, Armas de Fogo e Explosivos. Tudo cresceu ao longo dos anos em atividades criminosas, mas a proporção diminuiu”, disse ela em uma entrevista em seu escritório em Weston, Flórida. A maioria das transações é usada para especulação de preços“.

As descobertas do Infante contradizem a percepção popular de que o Bitcoin está sendo usado principalmente por criminosos como o notório Dread Pirate Roberts, mas também mostram que o mercado subterrâneo é um dos maiores grupos de pessoas usando Bitcoin por suas características reais do que por seus giros de preços.

As transações são pseudônimas, portanto não são facilmente rastreáveis, enquanto um livro descentralizado elimina a necessidade de bancos e governos e também significa que não há nenhuma empresa que possa ser intimada em uma investigação.

A dark web, onde os produtos ilegais são vendidos, funciona exclusivamente em criptomoedas, como tem sido o caso há anos, disse ela. O que se tornou uma tendência crescente no ano passado é que organizações criminosas, como cartéis de drogas, estão usando moedas digitais em suas operações, desde lavagem de dinheiro até transferências internacionais, pois é mais barato, rápido e percebido como mais seguro do que passar o sistema bancário, disse Infante.

É uma faca de dois gumes para os criminosos, já que a lei está usando a tecnologia blockchain em sua vantagem. O Bitcoin e outros Blockchains são públicos e imutáveis, fornecendo um recurso valioso para os agentes rastrearem transações e padrões e enquanto os endereços de carteira já obscureceram as identidades dos usuários, o Infante disse “não mais”.

Embora troquem o uso do Bitcoin por outras moedas.

Embora os usuários às vezes troquem o uso do Bitcoin por outras moedas com taxas mais baixas e tempos de transação mais rápidos para transferir fundos, a esmagadora maioria das transações ainda estão em Bitcoin. Criptomoedas com foco em privacidade, como Monero e Zcash, não são suficientemente líquidas e embora sejam mais anônimas do que o Bitcoin, “ainda temos maneiras de rastreá-las”, disse o Infante.

Traficantes e lavadores de dinheiro trocam Bitcoin por moedas fiduciárias em bolsas de balcão e entre pares, embora também passem por grandes bolsas baseadas nos EUA, disse o Infante.

O Infante disse que os criminosos provavelmente continuarão usando criptomoedas, mas tudo bem com ela.

“A Blockchain na verdade nos dá muitas ferramentas para identificar as pessoas”, disse ela. “Eu realmente quero que eles continuem usando-os”.

Facebook Comments

Fabio Arruda

About Fabio Arruda

Administrador e escritor do site É TopSaber, produtor e pesquisador de criptomoedas para levar a melhor notícias até você.

View all posts by Fabio Arruda →

Deixe o que achou sobre essa informação