Debate sobre ETFs do Bitcoin: Por que a SEC pode aprovar a proposta de ETF do Bitcoin da CBOE?

ETF do Bitcoin

O ponto mais falado nesses últimos dias no mundo das criptomoedas é :“A SEC aprovará o ETF do Bitcoin da CBOE ou rejeitará como fez da última vez?”

Como a CoinGape disse em uma publicação, já parece haver lados e algumas pessoas acreditam que a aprovação é uma possibilidade, enquanto outras dizem que não. Se pudermos entender o que é diferente desta vez em comparação com as últimas rejeições, poderemos responder a essa pergunta, ou pelo menos escolher um lado.

Por que os pedidos anteriores foram rejeitados?

A SEC rejeitou três vezes o Bitcoin, mas desta vez as coisas parecem favoráveis.

A primeira tentativa para a criação do ETF do Bitcoin foi iniciada pelos gêmeos Winklevoss em Março de 2017. Eles propuseram que o fundo de Bitcoin iria negociar como uma ação ordinária sob o símbolo “COIN”.

A SEC tomou a decisão de impedir o ETF, então disse que o motivo foi:  “preocupações sobre o potencial de atos e práticas fraudulentas ou manipuladoras”.

Em Dezembro de 2017, o Chicago Board Options Exchange (Cboe) entrou com um pedido na Securities and Exchange Commission (SEC) dos EUA para listar vários ETFs futuros de Bitcoin que também enfrentaram rejeição.

Em Janeiro de 2018, a SEC havia rejeitado os planos de membros de dois grupos comerciais da Wall Street, Investment Company Institute e Securities Industry and Financial Markets Association de criar fundos negociados em bolsa (ETFs) para Bitcoins e outras criptomoedas. Estes foram rejeitados novamente com a SEC dizendo que há uma série de questões significativas de proteção ao investidor que precisam ser examinadas antes de os patrocinadores começarem a oferecer esses fundos a investidores de varejo.

A liquidez e a notória volatilidade dos mercados de criptomoedas faria com que o investidor de varejo perdesse seus investimentos, fossem vistos como a questão principal. As outras questões que foram colocadas foram a Custódia, Segurança de Ativos e manipulação potencial.

Em Março de 2018, depois que a SEC rejeitou outras duas tentativas de ETF (sendo uma da SolidX Management – a atual co-candidata), o presidente da CBOE Global Markets chegou à SEC encorajando a criação de um ETF do Bitcoin.

O que torna a proposta do ETF do Bitcoin diferente desta vez?

A proposta apresentada pela CBOE, VanEck e SolidX foi preparada considerando todas as razões apresentadas anteriormente pela SEC. O detalhamento em que o documento é preparado é impressionante.

As principais razões parecem ter sido atendidas.

No que diz respeito à proteção dos investidores de varejo, o tamanho do ingresso do investimento é alto para manter o produto fora do alcance de pequenos investidores de varejo. Cada ação, de acordo com a proposta, seria de 25 Bitcoins tornando muito caro para um investidor de varejo.

Anteriormente, não havia serviços de custódia, como mencionou  Dalia Blass, Diretora de Administração de Investimentos, da US Securities e Exchange Commission, na carta de resposta que havia rejeitado a constituição da ETF em Janeiro de 2018. Felizmente, os serviços de custódia para criptomoedas agora são disponível com a Coinbase e a Bolsa de Valores da Suíça.

Com relação ao roubo devido a invasão, a proposta menciona que todos os Bitcoins mantidos pelo Trust (quem mantém os ativos) serão armazenados usando “carteiras de armazenamento a frio de assinatura múltipla”. Além disso, “para fins de backup e recuperação de desastres, o Trust manterá em armazenamento a frio backups de carteira em locais geograficamente distribuídos pelos Estados Unidos, inclusive no Nordeste e no Centro-Oeste. ”Futuramente, a empresa afirmou que terá um recurso de segurança adicionando um seguro aos ativos subjacentes.

Anteriormente, a liquidez também havia sido vista como um problema. Agora, com os futuros do Bitcoin sendo lançados, há um volume decente gerado tanto no CBOE quanto no CME. Mesmo em mercados à vista em exchanges de criptomoedas, o volume parece estar crescendo.

O que os reguladores pensam sobre o ETF do Bitcoin?

As regulamentações também parecem estar favorecendo esse período, que também constituiu uma razão importante para a aprovação, já que a SEC explicou que os Bitcoins não eram regulamentados.

Mas agora, o Futuro de Bitcoins começou a negociar na CBOE e na CME, atraindo muitos bancos de investimento da Wall Street para empresas como a JP Morgan e a Goldman Sachs. Também no mês passado, a própria SEC forneceu mais clareza ao anunciar que o Bitcoin, Ether e outras criptomoedas descentralizadas não serão classificadas como títulos.

Além desses pontos o mundo tornou-se mais consciente do que as criptomoedas são do que sabiam no ano passado. Com as correções de preços, os especuladores parecem ter que ficar em repouso por enquanto, abrindo espaço para os investidores e acionistas genuínos.

O ETF de Bitcoin parece uma realidade próxima, pois muitos pontos são a favor, o que antes não era. A decisão pode ser positiva desta vez a menos que a SEC retire algumas razões do ar por não aprovar o ETF.

Vamos esperar e ver como isso vai acabar e como vai mudar o valor do Bitcoin.

About Lucas Carvalho

Historiador como formação, tecnologia como paixão, 12 anos dando aulas de Teologia, Historia, Inglês e Tecnologia, agora 100% dedicado ao estudo e a divulgação das criptomoedas, Blockchain e tecnologias revolucionarias.

View all posts by Lucas Carvalho →

One Comment on “Debate sobre ETFs do Bitcoin: Por que a SEC pode aprovar a proposta de ETF do Bitcoin da CBOE?”

Deixe o que achou sobre essa informação