ÉTopSaber Notícias e Criptomoedas

Redes sociais

Norte da China se prepara para onda de calor sem precedentes

Capturar Ab55c4.png

Compartilhe:

Uma grande onda de calor deve se espalhar por grandes áreas do norte da China Nesta semana, trazendo recordes de temperaturas para algumas áreas, de acordo com as autoridades ambientais da China.

A onda de calor, que começou no sábado (8), já desencadeou alertas meteorológicos do governo e segue-se à primavera mais quente já registrada no país.

O observatório nacional emitiu nesta segunda-feira (10) um alerta laranja para altas temperaturas – o segundo aviso mais grave – à medida que um calor sufocante engolfava o norte do país.

No domingo (9), na província costeira de Shandong, sete estações meteorológicas nacionais registaram a temperatura mais alta para o início de junho, enquanto as temperaturas no norte da província de Hebei e na região oeste de Xinjiang subiram acima dos 40ºC, de acordo com o Centro de Serviço Meteorológico Nacional.

Prevê-se que a onda de calor se expanda ainda mais nos próximos dias, disse o CSMN em comunicado.

Os governos locais também emitiram alertas.

Pequim emitiu no sábado (7) seu primeiro alerta amarelo para altas temperaturas neste verão, alertando os residentes para evitarem sair de casa durante os períodos mais quentes do dia.

O alerta surgiu no momento em que bolsas de milhares de formandos do ensino secundário na capital chinesa terminavam o exame nacional de admissão à faculdade – um teste altamente competitivo de dois dias conhecido como “gaokao”. Uma escola no distrito de Chaoyang, em Pequim, distribui sorvete gratuitamente aos pais que esperavam do lado de fora do portão sob o calor extenuante, informou a mídia estatal.

Zheng Zhihai, meteorologista-chefe do Centro Nacional do Clima, disse ao jornal estatal Global Times que as temperaturas na maior parte da China deveriam ser mais altas do que o normal neste verão, e o número de dias de alta temperatura também seria maior do que o habitual.

Zhong disse que as altas temperaturas estão ligadas ao El Ninoum padrão climático natural marcado para temperaturas oceânicas mais quentes do que a média no Pacífico equatorial.

A China teve a primavera mais quente já registrada neste ano. A temperatura média nacional entre março e maio atingiu 12,3ºC, a mais alta desde que os registos obtidos em 1961, com 12 estações meteorológicas nacionais registando temperaturas que atingiram ou ultrapassaram registos, segundo o Centro de Serviço Meteorológico Nacional.

Enquanto isso, partes do sul da China enfrentam semanas de chuvas torrenciais. Na província de Guangdong, as chuvas registaram provocaram inundações mortais em Abril, com um tribunal do Rio das Pérolas a registar a chegada mais precoce da sua estação anual de cheias desde que os registos obtidos em 1998.

A China também registrou o ano mais quente de sempre em 2023, quando o maior poluidor do mundo causou uma série de ondas de calor implacáveis ​​​​e outras características climáticas, extremos impulsionados pela crise climática causada pelo homem.

A temperatura média na China no ano passado foi de 10,7ºC – a mais alta desde que os registos obtidos em 1961, informou a agência de notícias estatal Xinhua. O registro cortesão o registro anterior de 10,5ºC previsto em 2021.

O calor excepcional da China ecoou as tendências globais – com os cientistas a confirmarem que 2023 foi oficialmente o ano mais quente de que há registo, o resultado dos efeitos combinados do El Niño e das alterações climáticas.

Fonte

Leave a Comment