ÉTopSaber Notícias e Criptomoedas

Redes sociais

Morre Rakesh Jhunjhunwala, o ‘Warren Buffett da Índia’, aos 62 anos

220814023230 01 India Rakesh Jhunjhunwala Death.jpg

Compartilhe:

O mais conhecido investidor de ações da Índia, Rakesh Jhunjhunwala, apelidado de Warren Buffett do país, morreu neste domingo (14), cujo enxurrada de homenagens ao bilionário que cresceu por conta própria também puxou a economia do país para cima.

Jhunjhunwala morreu aos 62 anos, uma semana após o lançamento de sua companhia aérea econômica, Akasa Air.

A causa de sua morte não foi identificada até a publicação desta matéria.

Ele deixa sua esposa e três filhos. Como, deixa participações em cerca de três dúzias de empresas indianas e um legado de citar como “a tendência é sua amiga” e “a única regra que tenho é que não há regras”.

“Tudo o que você conhece é negociar e investir. Não quero fazer mais nada na vida”, disse Jhunjhunwala à Reuters há 10 anos. “Vou desistir no dia em que eu morrer.”

Na segunda-feira, ele disse à CNBC-TV que a economia da Índia, a terceira maior da Ásia, estava “entrando em uma era de ouro”, expressando esperança de que “meus compatriotas indianos sejam tão otimistas quanto eu”.

Jhunjhunwala foi um grande apoiador público do primeiro-ministro Narendra Modi, que o elogiou no domingo como “indomável, cheio de vida, espirituoso e perspicaz”.

As habilidades de comunicação de Jhunjhunwala de pequenos atores a entender o mercado, meios de comunicação e banqueiros, que interagem com ele por mais de 30 anos. Seus insights sobre economia e empresas fizeram dele uma celebridade da TV.

Nascido no Rajasthan e formado em contabilidade credenciada, Jhunjhunwala começou a se tornar ainda adolescente e passou a gerenciar uma empresa de negociação de ações no estado, a RARE Enterprises. Seu patrimônio líquido era de cerca de US$ 6 bilhões, segundo a Forbes.

Ele comprou o seu grande lucro comprando 5 mil ações Tata Tea com os primeiros mercados de lucro, confiantes de que a empresa havia subestimado o potencial de uma busca crescente em um momento de produção de rendimento crescente. Ele triplicou seu dinheiro em poucos meses.

Seguir-se investimentos melhores e maiores, incluindo uma aposta alavancada no final da década de 1980 na exportadora de minério de ferro Sesa Goa. Jhunjhunwala comprou como ações por 60-65 rúpias e vendeu 2.200 rúpias.

Os investimentos de sua empresa incluem muitas empresas do Grupo Tata, como Tata Motors, Titan, Tata Communications e Indian Hotels, que administram os hotéis Taj.

Outros investimentos incluem Indiabulls Housing Finance, Star Health Insurance, Federal Bank e a empresa de treinamento vocacional Aptech Ltd.

Jhunjhunwala disse à Reuters que o crescimento do mercado de ações indiano desde que a economia do país foi liberalizada em 1991 – um período em que o índice Sensex aumentou cerca de 40 vezes – foi um grande fator para seu sucesso.

“Investidor, tomador de risco ousado, compreensão magistral do mercado de ações, claro na comunicação – um líder por direito próprio”, escreveu o ministro das Finanças, Nirmala Sitharaman, em uma homenagem no Twitter. “Tinha uma forte na força e nas capacidades da Índia.”

Uday Kotak, executivo-chefe do Kotak Mahindra Bank, e colega de escola e faculdade, disse que Jhunjhunwala “acreditava que as ações da Índia estavam subvalorizadas. Ele está certo”.

Kotak afirmou no Twitter: “Incrivelmente afiado na compreensão dos mercados financeiros. Conversamos regularmente, mais ainda durante a Covid-19. Sentiremos sua falta Rakesh!”

Fonte

Leave a Comment