ÉTopSaber Notícias e Criptomoedas

Redes sociais

Modi tem mais cinco nos no poder da Índia; o que isso significa para o mundo?

Tagreuters.com2024binary Lynxmpek540hm Filedimage.jpg

Compartilhe:

Narendra modi elevou a estatura da Índia no cenário global de um modo que nenhum outro líder recente do país mais populoso do mundo conseguiu fazer.

O primeiro-ministro — que garantiu um raro terceiro mandato esta semana — posicionou a Índia e sua economia em rápido crescimento como uma peça crucial em questões globais, como as mudanças climáticas e o desenvolvimento. Ele também consolidou a capital Nova Deli como parceiro de segurança fundamental para os Estados Unidos e colocou o país como aspirante a líder do Sul Global.

A vitória de Modi dará ao líder de 73 anos e ao Partido do Povo Indiano (Bharatiya Janata, em hindu) mais cinco anos para aumentar a estatura global da Índia — e para gerir as relações controversas e fronteiras contestadas com os vizinhos com armas nucleares, a China e o Paquistão.

Mas os resultados eleitorais também colocam Modi em uma posição radicalmente diferente daquela que ele desfrutou durante sua primeira década no poder.

O líder grandioso e o seu BJP ficaram muito aquém da maioria absoluta esperada e devem contar com parceiros de coligação para formar um governo.

Isto tem sido amplamente visto como uma reviravolta chocante para o líder e seu partido. Eles foram acusados ​​​​pelos críticos de alimentação à islamofobia e à violência religiosa na Índia, ao mesmo tempo que reverteram as liberdades civis e não atenderam à resolução de questões de subsistência, como o crescente desemprego juvenil.

Agora, Modi precisará “dedicar muito tempo dedicado a negociações internas para manter o governo intacto com uma coalizão de diferentes agendas”, indicado TV Paul, autor do livro “A busca inacabada: a busca da Índia pelo status de grande potência, de Nehru a Modi.”

“Esta ideia da Índia exercer o seu peso pode ser muito menos viável por enquanto, dado que as questões de política externa não tiveram tanto impacto na decisão eleitoral como as pessoas planejadas que permaneceram.”

Política de poder

Um aspecto das ambições internacionais da Índia que provavelmente não mudará no novo mandato de Modi é a relação de Nova Deli com Washington — uma ligação que ajudou a construir a imagem do primeiro-ministro como o de um ator de poder no xadrez mundial.

A Índia emergiu como um parceiro de segurança fundamental para os Estados Unidos, um pilar importante do seu grupo de segurança “Quad” ao lado do Japão e da Austrália. Além disso, os países expandiram a cooperação de alta tecnologia e defesa em meio a uma preocupação compartilhada sobre uma China cada vez mais assertiva e poderosa.

Em uma mensagem de felicitações a Modi pela sua vitória no início desta semana, o presidente americano, Joe Bidenafirmou que a amizade EUA-Índia “está só crescendo à medida que desbloqueamos um futuro partilhado de potencial ilimitado”.

Segundo analistas, essa relação, no entanto, só deverá se fortalecer no curto prazo.

“Os dois países partilham preocupações sobre a estabilidade regional e estão supervisionando uma cooperação crescente em defesa”, disse Farwa Aamer, diretor de Iniciativas do Sul da Ásia no Instituto de Política da Sociedade da Ásia, em Nova York. “Podemos esperar uma Índia mais objetiva, alinhando-se estreitamente com os interesses dos EUA no Indo-Pacífico e expandindo uma colaboração tecnológica.”

Os laços entre Nova Deli e Washington aqueceram nos últimos anos, apesar de Modi ter estabelecido firmemente a política de autonomia estratégica da Índia para operar uma ordem global não puramente dominada pelos Estados Unidos ou pela rivalidade EUA-China — outro objetivo que deverá permanecer inalterado até às eleições. Nova Deli, por exemplo, decidiu-se a desistir da sua relação próxima com a Rússia, apesar da pressão dos EUA para os seus parceiros cortarem laços com o país em guerra.

Mas uma questão é como o terceiro mandato de Modi afetará as preocupações que se espalham nos círculos políticos americanos sobre um retrocesso amplamente documentado das liberdades civis na Índia sob a sua liderança de direita — bem como as acusações de que o BJP pretende marginalizar a minoria muçulmana do país de mais de 200 milhões de pessoas.

A Índia também discutiu revelações de excesso extraterritorial, que levantam questões sobre os riscos da crescente confiança, assertividade — e compromisso com as normas internacionais — do país sob Modi.

Ó primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, disse em setembro que seu estava investigando “alegações verossímeis” que ligavam a Índia ao país assassinato de um cidadão canadense e líder proeminente sique. Nova Deli respondeu ferozmente, acusando o Canadá de abrigar terroristas e de não agir contra extremistas, apesar de negar a acusação do país norte-americano.

Dois meses depois, os promotores dos EUA também alegaram que um agente indiano estava por trás de uma conspiração frustrada de um assassinato encomendado contra um ativista americano. A Nova Deli negou qualquer envolvimento nesse alegado complexo e criou um comitê de alto nível para investigar a acusação.

Uma Índia mudada?

Um factor a observar após a contundente vitória eleitoral de Modi, dizem os especialistas, é se o novo governo irá intensificar ou suavizar a postura que afecta as relações da Índia com os seus vizinhos do sul da Ásia.

Os especialistas apontam para a forma como o nacionalismo hindu ao longo da última década não só alimentou a divisão e a violência dentro do país, mas também ameaçou inflamar fricções na região, especialmente com o Paquistão — muitas vezes alvo de retórica acalorada do BJP.

Agora, o BJP de Modi terá de responder aos interesses dos seus aliados da coligação — e enfrentar um controle mais forte de uma oposição ressurgente, o que poderá amortecer a sua agenda nacionalista hindu. E os analistas sublinham que avançar tempo para ver como o BJP irá calibrar os objetivos políticos e a sua resposta com base nesta nova realidade política.

“Se for uma política normal, veremos que os cotovelos não serão tão precisos em várias questões”, apontaram e Sushant Singh, professor da Universidade de Yale, nos EUA. “Mas, para atender à sua base de apoio nacionalista, (o BJP) pode, na verdade, seguir o outro caminho”, para aumentar a retórica, acrescentou. “Teremos que ver qual decisão política será tomada.”

Tal fato também pode ser motivado pela posição relativa de fraqueza do BJP neste mandato, analisaram os especialistas, observando que a vitória esmagadora de Modi nas eleições de 2019 se abalou a um aumento das tensões com o Paquistão.

Depois, a Índia alegou ter lançado ataques aéreos contra o que disse ser um “campo de treino terrorista” ao longo da sua fronteira com o Paquistão, depois de um carro-bomba ter matado forças paramilitares indianas num incidente contestado por Islamabade.

O BJP utiliza a “assimetria da imagem do Paquistão para reunir a sua base central Hindutva”, pondera Fahd Humayun, professor assistente de Ciência Política na Universidade Tufts, nos EUA, referindo-se à ideologia do partido no poder de que a Índia é inerentemente uma terra para os hindus.

“Para esse fim, não é difícil imaginar um cenário em que, com as costas contra a parede, um governo Modi em apuros reforce as percepções de ameaças externas para tentar reunir as relevâncias nacionais.”

Em sua posição enfraquecida, Modi também pode ser pressionado a responder de forma assertiva a quaisquer ameaças percebidas da China.

Modi parece não estar disposto a arriscar um confronto com o vizinho, que é militarmente superior da Índia, apesar de ter sido criticado pelo que considera ser uma resposta “branda” aos confrontos mortais de 2020 ao longo da disputada fronteira com o Himalaia.

Os governos e os tomadores de decisões políticas de todo o mundo estarão atentos à evolução destas questões nos próximos meses.

Entretanto, alguns especialistas sugerem que, embora os resultados eleitorais possam não ter impulsionado Modi, já são uma vitória para a influência global da Índia.

“Se ele teve uma (super)maioria e promoveu a agenda hindu, isso provavelmente teria prejudicado a agenda internacional da Índia”, analisa Paul, o autor, que também é professor na Universidade McGill, no Canadá.

Paul disse que a democracia era “a maior tradição de poder brando da Índia” e que o seu aparente ressurgimento nas eleições pode melhorar a imagem do país entre as nações liberais.

“O regresso da Índia como uma democracia adequada é bom para a ordem mundial em muitos sentidos”, acrescentou. Mas “tudo depende de como Modi jogará este jogo”.

Fonte

Leave a Comment