ÉTopSaber Notícias e Criptomoedas

Redes sociais

Mineiros chineses migram para a Etiópia em busca de clima fresco, eletricidade barata e lucros elevados

1 70673e.jpg

Compartilhe:

Numa dança estratégica entre potências globais e o fascínio por recursos inexplorados, os mineiros chineses de Bitcoin estão a orquestrar uma migração em massa para a Etiópia. Atraída pelo canto de sereia dos custos de eletricidade incrivelmente baixos do país e pela surpreendente adoção da mineração de Bitcoin, a Etiópia tornou-se um refúgio inesperado para empresas de criptomoedas, preparando o terreno para uma parceria única no coração da África Oriental.

A aposta Bitcoin da Etiópia: a complexidade geopolítica se desdobra

A colaboração desenrola-se tendo como pano de fundo a proibição da Etiópia do comércio de criptomoedas, paradoxalmente justaposta com a recepção de braços abertos do governo à mineração de Bitcoin desde 2022. Um balé geopolítico complexo, este movimento alinha-se com os esforços da Etiópia para fortalecer os laços com a China, com empresas chinesas, instrumental na construção da Grande Barragem da Renascença Etíope, de US$ 4,8 bilhões, agora preparada para fornecer energia ao crescente fluxo de mineradores de Bitcoin.

À medida que a indústria global de mineração de Bitcoin enfrenta um aumento de críticas pelas suas práticas intensivas em energia, a Etiópia surge como um oásis surpreendente, oferecendo um raro descanso para as empresas de criptomoeda que enfrentam preocupações crescentes sobre as alterações climáticas e a escassez de energia. Para as empresas chinesas, que já foram gigantes na área de mineração de Bitcoin, o cenário da Etiópia apresenta uma oportunidade de recuperar o seu domínio, afastando-se da concorrência feroz encontrada no atual epicentro da indústria, o Texas.

BTC market cap currently at $877.016 billion. Chart: TradingView.com

No entanto, esta medida ousada não está isenta de riscos, ecoando tentativas passadas de países em desenvolvimento como o Cazaquistão e o Irão, cujas incursões na mineração de Bitcoin foram confrontadas com conflitos internos alimentados pelo voraz apetite energético da indústria. Jaran Mellerud, presidente-executivo da Hashlabs Mining, oferece uma perspectiva sóbriaalertando para possíveis armadilhas onde os países podem esgotar os seus recursos eléctricos ou onde os mineiros podem ser indesejáveis ​​e forçados a fazer as malas e partir.

Um alto executivo da Bitmain, empresa sediada em Pequim que é a principal fornecedora de plataformas, afirma que em alguns anos, a capacidade da nação africana de gerar eletricidade para a criação de bitcoin poderá se igualar à do Texas. Capacidade de geração instalada da Etiópia ampliado para 5,3 gigawatts com a abertura do projeto GERD; a energia hidrelétrica, uma fonte de energia renovável, representa mais de 90% dessa capacidade, segundo o South China Morning Post.

Chinese President Xi Jinping meets Ethiopian Prime Minister Abiy Ahmed on the sidelines of the BRICS Summit in Johannesburg, South Africa, last August. Photo: Xinhua

Lei de equilíbrio de Bitcoin da Etiópia: oportunidades abundam

Navegando nesta dança precária, as autoridades etíopes abordam a mineração de Bitcoin com cautela. Apesar dos recentes avanços no aumento da capacidade de produção de energia, a realidade flagrante persiste: quase metade da população não tem acesso à electricidade, tornando o tema da mineração um tema delicado e cheio de nuances. No entanto, a promessa de ganhos significativos em divisas funciona como um incentivo sedutor para o governo equilibrar delicadamente os potenciais benefícios económicos extraordinários face ao pano de fundo das preocupações sociais.

A Luxor Technology, uma provedora de serviços de mineração, lança luz sobre a rápida ascensão da Etiópia à proeminência como destino global para equipamentos de mineração de Bitcoin. A concessionária de energia controlada pelo Estado assinou acordos para fornecer eletricidade a 21 empresas de mineração de Bitcoin, com propriedade predominantemente chinesa, ressaltando a influência substancial do investimento estrangeiro no florescente setor de mineração da Etiópia.

À medida que a primeira vaga de mineiros chineses de Bitcoin chega à Etiópia, a nação encontra-se numa encruzilhada de oportunidades económicas e perigo potencial. Esta fusão inesperada do investimento chinês e da abertura da Etiópia ao reino das criptomoedas pinta um quadro vívido da dinâmica em evolução no cenário financeiro digital global. Ainda não se sabe se este empreendimento prova ser uma panaceia para as aspirações económicas da Etiópia ou uma aposta arriscada com consequências de longo alcance, acrescentando um capítulo intrigante à narrativa em curso da pegada global da criptomoeda.

Imagem em destaque do Adobe Stock, gráfico do TradingView

Fonte

Leave a Comment