ÉTopSaber Notícias e Criptomoedas

Redes sociais

Milhões vão às urnas decididas formação do Parlamento Europeu

2024 06 09t143219z 1 Lop924209062024rp1 Rtrmadp Baseimage 960x540 Eu Election Wrap.jpg

Compartilhe:

Eleitores de toda a Europa votaram neste domingo (9) para a eleição do Parlamento Europeu, que provavelmente conduziram a assembleia a se posicionar mais à direita, aumentando o número de nacionalistas céticos em relação ao bloco.

A possibilidade de mudança de posição significa que a assembleia pode se tornar menos comprometida em relação às políticas externas à mudança climática, ao mesmo tempo em que se mostra mais liberada com as medidas para limitar a imigração para a União Europeia, um bloco formado por 450 milhões de cidadãos.

A eleição também pode ampliar a fragmentação do Parlamento, o que tornaria a aprovação de qualquer medida mais complicada e lenta, uma vez que o bloco europeu enfrenta desafios, como a hostilidade da Rússia e o aumento da rivalidade industrial entre a China e os Estados Unidos.

“Nem sempre concordo com as decisões que a Europa toma”, disse a aposentada Paule Richard, de 89 anos, após votar em Paris. “Mas ainda espero que haja um acerto de contas entre todos os países europeus, para que a Europa possa ser um bloco unificado e olhar para a mesma direção”.

A votação começou na quinta-feira (6) na Holanda e foi transferida para outros países na sexta-feira (7) e no sábado (8), porém a maior parte dos eleitores votou neste domingo (9), quando a França, Alemanha, Polônia e Espanha abrirão suas urnas e a Itália realizará o segundo dia de votações.

O Parlamento Europeu é responsável por votar a legislação mais importante para os cidadãos e as empresas da União Europeia, que é composta por 27 países.

Contudo, há muitos anos, os participantes de todo o bloco reclamam que a tomada de decisões da UE é complexa, distante e desconectada da realidade cotidiana, o que explica a baixa participação nessas eleições.

“As pessoas não sabem quem realmente tem o poder, entre a Comissão e o Parlamento”, disse Emmanuel, outro eleitor francês, numa secção eleitoral no norte de Paris. “E a verdade é que isso levanta questões e gera desconfiança, que hoje poderiam não existir se as coisas fossem mais claras”, disse o programador de 34 anos.

As pesquisas de opinião projetaram que o Partido Popular Europeu (PPE), de centro-direita, continuaria sendo o maior grupo do Parlamento Europeu, o que garantiria um segundo mandato à presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, da Alemanha.

Porém, ela pode precisar do apoio de alguns nacionalistas de direita, como o partido Irmãos da Itália, da primeira-ministra italiana Giorgia Meloni, para garantir uma maioria parlamentar, o que dará a Meloni e seus aliados mais influência.

Boca de Urna

Uma projeção feita pelo instituto de pesquisas Europe Elects no domingo mostrou que o EPP poderia ganhar cinco cadeiras em comparação com a atual formação do parlamento, conquistando um total de 183 vagas. Os socialistas, que incluem o partido do chanceler alemão Olaf Scholz, deveriam perder quatro cadeiras e ficar com 136.

O Partido Verde Europeu enfrentou uma eliminação por parte das famílias dos agricultores e da indústria devido às caras políticas da União Europeia que limitam as emissões de CO2 e, por isso, parece estar entre os grandes derrotados. Uma pesquisa deste domingo (9) indica que eles deveriam ter apenas 56 deputados, o que representa uma perda de 15 cadeiras no parlamento.

As análises relacionadas ao grupo liberal Renew Europe também são sombrias, dada a expectativa de que o partido de extrema direita Rassemblement National, da deputada Marine Le Pen, derrote o partido centrista Renaissance, do presidente francês Emmanuel Macron, na França.

Uma pesquisa de domingo (9) indica que o grupo Renew perderá 13 cadeiras, evitando que o partido termine com 89 vagas.

Em contrapartida, uma pesquisa disse que o grupo nacional-conservador ECR provavelmente obteria mais cinco deputados, totalizando 73, e o grupo de extrema direita ID poderia obter mais oito assentos, totalizando 67.

Segundo a pesquisa, mais deputados conseguiram se juntar aos grupos de direita e de extrema-direita entre os deputados até agora não afiliados; Hoje, eles contabilizaram 79 parlamentares.

Volta à direita

Atingidos pela inflação, consideráveis ​​​​potenciais estão preocupados com a migração e os custos relacionados à transição ecológica. Além disso, os participantes demonstram estar incomodados com as dificuldades geopolíticas, como a guerra na Ucrânia.

Os partidos de extrema-direita e de direita aproveitaram isso e ofereceram ao eleitorado uma alternativa.

“Quem acredita que precisa de uma mudança de boato e que as coisas podem ser feitas muito melhor em Bruxelas tem apenas uma alternativa, que é o Vox”, disse o principal candidato do partido espanhol de extrema direita, Jorge Buxade, após votar em Madri .

Na Holanda, as pesquisas de boca de urna na quinta-feira (6) mostraram que o partido anti-imigração do nacionalista Geert Wilders deve conquistar sete dos 29 assentos holandeses no Parlamento da UE, após sua grande vitória nas eleições nacionais do ano passado.

Em 2019 o partido não tinha conquistado nenhuma cadeira.

Isso faz com que o Partido da Liberdade de Geert Wilders tenha apenas um assento a menos que a aliança entre Socialistas Democratas e Partido Verde.

Na Bélgica, os eleitores também elegerão as câmaras federais e regionais neste domingo (9), e a previsão é de que o partido separatista flamengo de extrema direita, Vlaams Belang, tenha um número recorde de votos, embora ainda possa ficar fora do poder devido a outros partidos.

Fonte

Leave a Comment