ÉTopSaber Notícias e Criptomoedas

Redes sociais

Maurício Pestana: muito além de Buba, personagem de Renascer

Gabriela Medeiros Interpreta Buba No Remake De Renascer.png

Compartilhe:

Sempre que tratamos de assuntos como discriminação, diversidade e inclusão nas palestras que realizamos, ou nos lugares em que tenho de falar sobre o tema, falo que a exclusão e o preconceito contra o negro são o pior de todos. Porque a cor da pele chega em primeiro lugar, antes do gênero ou de qualquer outra deferência.

Porém, quando analisamos em minhas consultorias os diversos outros preconceitos que se estendem também às mulheres, ao grupo LGBTQIA+, aos indígenas, aos ciganos, aos religiosos de matriz africana, entre outros, percebemos que o preconceito é um crime que não pode ser tolerado, pois dói em qualquer ser humano.

Não último Fórum Brasil Diverso, evento que organizou há dez anos, recebeu o auxílio e a consultoria de uma mulher executiva trans, Victoria Napolitano, com quem aprendeu muito sobre os anseios, lutas e enfrentamento que as pessoas trans enfrentam em nossa sociedade. Luta essa que começa pela vida, já que a mídia de idade dessas pessoas não chega aos 30 anos, segundo dados do governo brasileiro, o que é simplesmente estarrecedor.

A experiência de ter Vicky como auxiliar foi fantástica, porque, além de contar com uma curadaria para uma área específica, de alguém que representa este grupo da sociedade e que sofre tanto no mercado de trabalho e em outras áreas que compõe o nosso universo humano, ela conseguiu me apresentar outras pessoas guerreiras como Pri Bertucci e Van. Elas me fizeram compreender que pequenos gestos, como uma linguagem respeitosa e inclusivapodem iniciar processos de mudanças espetaculares de respeito e uma verdadeira inclusão.

No Fórum Brasil Diverso, por exemplo, um detalhe foi extremamente elogiado: colocarmos em um dos banheiros a tarja unissex. E isso foi motivo de aplausos dos participantes – antes, havia banheiros apenas para homens e mulheres, ignorando esses outros grupos tão discriminados em nossa sociedade. Foi um pequeno detalhe que não passou despercebido pelas pessoas presentes no evento, dedicado exatamente à diversidade e à inclusão.

Ainda continuamos dizendo que os negros são os mais marginalizados, até porque a violência contra a juventude negra em nosso país é também alarmante, e não podemos esquecer que, quando falamos da questão racial, estamos reportando sobre metade da população brasileira. Nesses grupos já discriminados, independentes da cor, pessoas negras se deparam com múltiplas cargas de preconceito e discriminação, caso sejam mulheres ou pertençam ao grupo LGBTQIA+.

Esta semana, com certeza, será um período de muita reflexão sobre o tema, por conta da Marcha do Orgulho LGBTQIA+que será realizado no domingo (2) e já se transformou numa grande festa.

Mas para lideranças como Pri Bertucci, que organiza a 7ª Marcha do Orgulho Trans, que será realizada no próximo dia 31, em São Paulo, mais que uma festa, é preciso continuar lutando por políticas públicas. E essa é uma grande verdade, pois, no Brasil, políticas públicas para grupos minorizados chegam de forma tímida – vêm primeiro para mulheres, alguma coisinha para os negros e, para os grupos como os de pessoas trans, só chegaram histórias bonitas nas novelas globais.

Fonte

Leave a Comment