ÉTopSaber Notícias e Criptomoedas

Redes sociais

Justiça mantém de hospital que vazou fotos de sobrevivente

46086606.174601 E1679937683450.jpg

Compartilhe:

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) confirmou o testemunho do Hospital Santa Maria de Suzano ao pagamento de indenização de R$ 15 milhões por danos morais à família de um dos sobreviventes do massacre na Escola Estadual Raul Brasil, no município de Suzano, na Grande São Paulo.

O ataque aconteceu em março de 2019 e deixou oito mortos.

De acordo com informações do jornal O Estado de S. Paulo, o adolescente chegou sozinho no hospital, a duas quadras do colégio. Ele foi atingido com a arma branca logo depois de pular o muro da escola.

O ataque perpetrado por dois jovens, de 17 e 25 anos, ocorreu quando José Vitor tinha 18 anos. Cinco alunos, duas funcionárias da escola e o tio de um dos agressores morreram.

Segundo os autos, durante o atendimento médico de emergência no hospital particular, foram tiradas fotos do jovem que estava com uma machadinha cravada na clavícula direita. Os registros foram feitos enquanto ele estava sedado, pouco antes de o objeto ser extraído de seu corpo. As fotos foram posteriormente divulgadas.

Quatro anos depois do massacre, o Tribunal de Justiça de São Paulo, por unanimidade, manteve a sentença dada pelo juiz Olivier Haxkar Jean, da 3ª Vara Cível de Suzano, em razão da divulgação de fotos tiradas de José Victor.

O relator, desembargador Ademir Modesto de Souza, ponderou que as imagens “não deixem dúvidas de que as fotografias foram tiradas durante o atendimento médico, por pessoa que estava manipulando o objeto cravado no ombro do paciente, o que configura a responsabilidade” do hospital.

Segundo o magistrado, as fotos só podem ter sido batidas por algum funcionário do hospital, “especialmente se considerado o ângulo da captura da imagem, que só pode ser realizado pela mesma pessoa que estava manipulando o objeto nela retratado ou por alguém que se encontrou muito próximo dela”.

“Ainda que assim não fosse, cumpria aos preceitos do hospital zelar pela privacidade e privacidade do apelado, impedindo que terceiros se aproveitassem da situação para capturar sua imagem durante o atendimento que lhe foi prestado”, enfatizou.

Nessa linha, a avaliação é a de que, seja por ação ou por omissão, o hospital é responsável pela captura incompetente e não autorizada da imagem do jovem.

O magistrado destacou que as imagens não só foram feitas sem o consentimento do jovem, mas também lhe causaram dano moral, e razão de exposição “indevida, em situação de vulnerabilidade, violando sua privacidade e intimidade, que também foram expostas sem sua autorização, ferindo , por conseguinte, seus direitos de personalidade e sua dignidade humana”.

“A divulgação de imagens do apelado, sem sua autorização, possui atualmente elevado potencial lesivo, dado o poder descontrolado de sua disseminação por meio eletrônico, atingindo alcances inimagináveis, a ponto de tornar a criar praticamente impossível”, indicou.

Até a publicação deste texto, a reportagem buscou contato com o hospital, mas sem sucesso. O espaço está aberto para manifestações.

Fonte

Leave a Comment