ÉTopSaber Notícias e Criptomoedas

Redes sociais

Irã violou direitos e cometeu crime contra a humanidade em repressão a protestos, diz ONU

220921124533 Demonstrators Iran Amini.jpg

Compartilhe:

O governo do Irã violou os direitos humanos e cometeu crimes contra a humanidade durante a repressão de protestos pela morte da jovem Jina Mahsa Amini, de 22 anossegundo concluiu uma missão da Organização das Nações Unidas (ONU) em um relatório divulgado nesta sexta-feira (8).

As ações que violaram os direitos humanos incluem, segundo o relatório:

  • Execuções e assassinatos extrajudiciais e ilegais;
  • Uso desnecessário e desproporcional da força;
  • Privação arbitrária de liberdade;
  • Tortura;
  • Estupro;
  • Desaparecimentos provocados; e
  • Perseguição de gênero.

O Conselho de Direitos Humanos da ONU ressaltou que a maioria das manifestações pela morte de Amini eram importadorasmas que a “discriminação institucional generalizada contra mulheres e garotas levou a graves revelações dos direitos humanos”.

Mahsa Amini morreu enquanto estava sob custódia da Polícia da Moralidade Iraniana. Ela foi detida devido ao uso inadequado do véu islâmico, que é obrigatório no país.

Ainda segundo a missão do Conselho de Direitos Humanos, a violência que Amini sofreu durante a prisão foi por causa de sua morte.

“Em vez de investigar esta morte ilegal de forma rápida, eficaz e exaustiva, conforme exigido pelo direito internacional dos direitos humanos, o governo [do Irã] ofuscou ativamente a verdade e negou Justiça”, destaca o órgão.

Os protestos “Mulher, Vida, Liberdade” tiveram início em 16 de setembro de 2022 e a violenta repressão do governo iraniano deixou mortos, feridos e centenas de presos.

O relatório reforça que “números credíveis sugerem” que 551 manifestantes foram mortos pelas forças de segurança iranianas, sendo ao menos 49 mulheres e 68 crianças. A maioria das mortes foi causada por armas de fogo, incluindo rifles de assalto, acrescentando o texto.

“A divulgação dos direitos humanos afetou desproporcionalmente mulheres, crianças e membros de minorias étnicas e religiosas. A Missão constatou que a perseguição de gênero se cruzava com a discriminação com base na etnia e na religião”, destaca o Conselho de Direitos Humanos da ONU.

“Estes atos fazem parte de um ataque generalizado e sistemático dirigido contra a população civil no Irão, nomeadamente contra mulheres, raparigas, rapazes e homens que exigiam liberdade, igualdade, dignidade e responsabilização”, afirma Sara Hossain, presidente da missão da ONU, segundo comunicado.

As forças de segurança também morreram durante os confrontos com manifestantes. Inclusive, em relação a isso, o governo do Irã executou três homens.

Segundo o inquérito, o Irã executou arbitrariamente ao menos nove jovens entre dezembro de 2022 e janeiro de 2024, após o que classificou como julgamentos sumários “que se basearam em confissões extraídas sob tortura e maus-tratos.

“Prisões arbitrárias” e violência sexual

O conselho da ONU também diz que as forças de segurança reprimiram os protestos com um padrão de detenções arbitrárias, incluindo pessoas que não se envolveram em violência.

“Muitos foram vendidos e transportados em veículos não identificados, incluindo ambulâncias. Centenas de crianças, algumas com apenas 10 anos, foram presas e separadas das suas famílias sem qualquer informação sobre o seu paradeiro”, pontua a ONU.

À época, a CNN noticiou uma denúncia de que uma mulher teria sido estuprada em uma prisão da Guarda Revolucionária — o que o governo negou.

A missão das Nações Unidas é que, durante a detenção, as autoridades estatais torturaram pessoas para “extrair confissões ou para intimidar, humilhar ou infligir castigos”.

Também houve casos de estupro e “outras formas de violência sexual e de gênero, incluindo estupro coletivo, eletrocussão dos órgãos genitais e nudez forçada”.

Pedido ao governo iraniano

Por fim, o Conselho de Direitos Humanos da ONU afirmou que “os Estados-membros devem explorar vias de responsabilização a nível internacional e nos seus sistemas nacionais”.

O órgão pede que seja aplicado o princípio da jurisdição universal a todos os crimes ao abrigo do direito internacional, sem limitações processuais.

Também pontuais que devem ser previstos fundos para as vítimas e que seja fornecida proteção, inclusive através da concessão de asilo e vistos humanitários para aqueles que “fogem da perseguição no Irã no contexto dos protestos”.

“Pedimos às autoridades iranianas que suspendam todas as execuções e a liberdade imediata e incondicionalmente todas as pessoas presas e detidas arbitrariamente no contexto dos protestos, e que cessem com a repressão dos manifestantes, das suas famílias e dos apoiantes do movimento Mulher, Vida, Liberdade” , concluiu Shaheen Sardar Ali, membro da Missão de Apuração de Fatos.

Fonte

Leave a Comment