ÉTopSaber Notícias e Criptomoedas

Redes sociais

“Finanças também é papo de botequim” é tema de evento sobre economia financeira

Teamwork 3213924 1920.jpg

Compartilhe:

Com o tema “Finanças também é papo de botequim”, o evento tem como principal objetivo desmistificar crenças sobre dinheiro que atravessa a história da população negra, especialmente para financeira. Para Ana K Melo, chefe de Diversidade e Inclusão da XP Inc, a diversidade e inclusão de instituições podem ser mais fortes e com potenciais de inovação. “Quanto mais pessoas diferentes você reunir para criarem juntas, mais incrível é uma solução produto ou serviço que você está, Falar de diversidade no Brasil está diretamente relacionado a promover e expandir como assuntos sobre todos os assuntos além do mundo corporativo.” enfatizar.

debates propostos para apreender as pessoas negras e as pessoas. Mônica Costa, fundadora do GP Finanças, destaca e reforça o papel importante das mulheres negras quando o assunto é dinheiro. “Foi graças à inteligência financeira que as nossas ancestrais, as empresas que chegaram antes de nós, puderam a sociedade que é machista e racista. Foi necessário muita criatividade, resiliência e inteligência financeira para que pudéssemos estar aqui.” saliente.

Educação financeira e sua importância

De acordo com a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), o endividamento superou os 80% pela primeira vez. O número de famílias endividadas atingiu 79,3% do total de familiares no país em setembro ano. Como desmistificar as crenças em torno da financeira também será debatido durante o Poupa Fest, que acontecerá nesta terça (8), das 17h e da educação será pré online no canal do Youtube do Festival Feira Preta.

“Podemossmistificar como crenças de finanças quando olhamos para elas a partir de nossa subjetividade. Falar de dinheiro é também trazendo para a dimensão da saúde mental, inclusive. Muitas vezes reproduzimos padrões de comportamento que vêm de várias gerações. Essa questão ainda, quando fala mais da população negra, pois se torna ainda um histórico da escravidão, pois se torna associado à nosso trabalho.” confirma Adriana Barbosa, CEO da Pretahub e fundadora da Feira Preta.

Fonte

Leave a Comment