É Top Saber - Notícias e Análises

Redes sociais

Entenda a importância das descobertas desta terça-feira (8 nos Estados Unidos)

17932_139BACA3AB6E6A29-3.jpg

Compartilhe:

No fim da década de 1980, os estrategistas do US Army War College popularizaram o acrônimo VUCA como uma lente para ver um mundo em turbulência. A sigla em inglês significa “volatilidade, incerteza, complexidade e ambiguidade”. Ou, como os professores Nate Bennett e G. James Lemoine escreveram anos depois: “Ei, está uma loucura lá fora!”

A guerra da Ucrânia é um clássico momento VUCA. Assim como meios de obrigatoriedade terça-feira (8) nos Estados Unidos. A votação para todas as cadeiras da Câmara e mais de um terço no Senado é volátil, em todas as cadeiras da Câmara e mais de um terço ambígua.

Será um veredito sobre a liderança do presidente Joe Biden e os democratas que controlam o Congresso? Fortaleá ou enfraquecerá o negacionismo eleitoral que muitos republicanos adotaramcer depois que o ex-presidente Donald Trump se a aceitar sua derrota nas resultados de 2020? Como o controle do Partido Republicano de uma ou ambas as câmaras do Congresso moldaria o futuro da América e os dois últimos anos do mandato de Biden?

É claro que os dois partidos diferem até mesmo nas questões sobre as quais eleição está sendo disputada. Os republicanos estão enfatizando a inflação, a criminalidade e a prevenção em suas campanhas, enquanto muitos democratas veem as ameaças à democracia e derrubada do caso Roe vs. Wade como as principais razões para eleger seus candidatos.

Os republicanos acham que têm o impulso em seu esforço para recuperar o controle da Câmara e do Senado, argumentando Alice Stewart.

“Aproveitemos os ofertam os, saibaam porque suas preocupações e aram soluções. As democratas têm sido consideradas reais por serem os custos dos alimentos, optando nas ameaças à democracia sobre as questões cotidianas. Esta eleição é sobre a necessidade básica de alimentação como famílias, em vez de aticar o medo de cair.

Os democratas acham que são suas justificativas sobre o futuro da democracia ampla. “Todos nós entendemos que nossa adoção pode ser transformada, mas perderemos a democracia permanente”, escreveu Dean Obeidallah.

Relatório do ‘Washington’ Post de que a maioria dos indicados do Partido Republicano na votação de ano para a Câmara, o Senado e o escritório estadual ou questionou os resultados das suas maiorias recentes de 2020. vidas –se alguma vez na história dos Estados Unidos”.

Uma economia, sempre

A economia está no topo da mente dos. “Não é nada novo”, escreveu uma historiadora Meg Jacobs. Ela destacou o primeiro anúncio político televisionado, para o candidato presidencial republicano vencedor, Dwight D. Eisenhower, em 1952, focou na inflação.

“No anúncio, ele conversa com uma dona de casa ‘comum’, que reclamam que ‘os preços altos estão uma louca’, e Eisenhower prometem lutar por ela. Isso foi numa época em que a inflação era inferior a 2%”.

“As batalhas sobre a inflação – quem é o que causa, o que há para fazer – chegam às brigas básicas sobre quem deve ter o quê. Os trabalhadores devem ter maiores lucros, os trabalhadores devem ser mais altos os que devem arcar longe de ambos?”

O aumento dos preços da energia está “no sentido particularmente por famílias e trabalhadores de baixa renda”, escreveu Mark Wolfe, diretor executivo da Associação Nacional de Diretores de Assistência à Energia.

Ex-presidente dos EUA Donald Trump / Andrew Kelly/Reuters (03.set.2022)

“A mensagem se torna clara de energia cada vez mais inacessível para os Estados Unidos da baixa. O governo federal precisa agir agora para ajudar as famílias a manter o acesso à energia acessível durante o inverno.”

O argumento que os EUA seguiria o exemplo da União Europeia destinava-se aos lucros direcionados às empresas de combustível, lutando o dinheiro para os consumidores que tributavam para pagar suas contas.

Uma “recessão desnecessariamente dolorosa” está no horizonte, alertou Desmond Lachman, do American Enterprise Institute. O motivo: o “ritmo extraordinariamente rápido de aperto da política política” pelo Banco da Reserva Federal (Fed)que nesta semana elevou as taxas de juros em três quartos de ponto pela quarta vez consecutivas.

Taxas mais altas economias que estão acontecendo no mercado pessoal, muitas vezes estão registradas como empresas. “A postura política agressiva foi muito alta também no contexto de uma economia mundial que foi atormentada pela inflação”. Os líderes do Fed sinalizam que podem começar a moderar o ritmo dos aumentos das taxas de juros.

O fator Obama

Fazendo campanha democratas, o ex-presidente Barack Obama falou sobre a inflação: “Os republicanos estão se divertindo muito veiculando anúncios falando sobre isso, mas qual é a solução real deles para isso?”. Na opinião de Dean Obeidallah, Obama tinha uma mensagem mais eficaz para alavancar as democratas.

“Obeidallah por sua liberdade observada?”, “A resposta é fácil de lutar por essa mensagem, eo presidente para ameaças de alguns republicanos como sua mensagem, eo presidente para ameaças de alguns republicanos como sua mensagem, direitos reprodutivos e casamento entre pessoas do mesmo sexo.”

Fazer com que Obama faça o argumento final “pode não ser uma grande ideia”, escreveu o republicano, Marc A. Thiessen, no “Washington Post”. “A retrospectiva pode ser linda, mas o histórico de Obama em ajudar os democratas com os votos é […] menos que estelar.”

“Na verdade, Obama presidiu a perda de mais assentos na Câmara, no Senado, no legislativo estadual e nos governadores do que qualquer presidente na história dos EUA […] Não é de surpresa que muitas democratas não queiram que Biden se juntasse a eles na campanha. Mas Obama pode não ser o salvador que eles esperam. Pelo contrário, com base nesse histórico desastroso, ele pode ser kryptonita eleitoral.”

Joe Biden e Barack Obama, em 2014, na Casa Branca
Joe Biden (E) e Barack Obama durante reunião no Salão Oval da Casa Branca / Foto: Pete Souza – 27.ago.2014/ Casa Branca

Indiferente à insurreição?

O ex-oficial da Polícia Metropolitana de Washington DC Michael Fanone, que foi ferido no ataque de 6 de janeiro de 2021 ao Capitólio dos EUAescreveu:

“Quando em particular com colegas policiais que defenderam o Capitólio dos EUA em 6 de janeiro, a conversa se volta falo para que muitos americanos permanecem indiferentes à insurreição. Em outras palavras, a maioria dos americanos simplesmente não parece se importar. Uma tentativa aberta de acabar com a nossa democracia?”, questionou

“Gostaria de acreditar que o ataque violento a Paul Pelosi será um ponto de virada, mas de alguma forma duvidosa. […] Não somos mais especificamente isolados ou fornecedores de incidentes universais de privacidade por nossos. O marido de 82 anos da mulher que é a terceira na linha de sucessão à presidência dos EUA foi e por motivos políticos, e a mídia de direita e alguns republicanos se divertiram com sua própria violência”, acrescentou a casa Fanone.

Democracia Direta

“Os republicanos esperam recuperar o controle da Câmara e talvez até do Senado nas semanas de mandato”, escreveu Patrick T. Brown.

“Mas série de iniciativas de votação pode ser um presidente um gritante dos limites de concorrência impopular – e forçar conservadores a política em uma era pós-Roe”. Eleitores em vários estados vão avaliar proposições relacionadas ao direito ao aborto.

“A pesquisa que sugere o lado que apoia o direito ao aborto é favorecido em muitos desses debates, especialmente na Califórnia e em Vermont”, escreveu Brown. “Como mesmo mostrou uma derrota retumbante do Kansas de um referendo estadual que proibiria o aborto, os estados de tendência vermelha [republicanos] podem votar contra as iniciativas pró-vida.”

Cerca de três quartos dos estados têm alguma iniciativa em votação este. “A própria democracia está nas urnas em 2022”, escreveu Joshua A. Douglas. “Não apenas temos candidatos que questionaram a eleição de 2020 ou se recusam a eleição de 2020 ou se aceitam a derrotam a dizer, mas vários estados e localidades também votaram em medidas para mudar a forma como são adotadas ou quem pode votar nestas medidas.”

O presidente dos EUA, Joe Biden, em discurso de campanha em Carslbad, na Califórnia. REUTERS/Mike Blake / REUTERS/Mike Blake

Trump 2024

Sexta-feira (4) trouxe uma notícia de que o ex-presidente Donald Trump poderia anunciar que está lançando outra candidatura uma Casa Branca nas próximas semanas. “Os democratas não devem subestimar a ameaça que Trump representa”, observou Julian Zelizer.

“Os republicanos continuam sendo um partido fortemente unido. Muito pouco pode abalar essa unidade. O contingente ‘Nunca Trump’ [Trump, jamais] emergir como uma força dominante. De fato, autoridades como a congressista Liz Cheney foram expurgadas do partido”.

“Se os republicanos se reuniram bem na semana, possivelmente retomando o controle da Câmara e do Senado, certamente se sentirão confiantes em suas reuniões culturais e pontos de discussão em 2024. provavelmente criará os ventos se projetados para que o Partido Republicano una atrás de Trump”.

O próprio Trump se sentirá encorajado, escreveu Zelizer. “Apesar das políticas criminais em andamento e do seleto da Câmara investigando 6 de janeiro, Trump ainda é uma figura viável”.

“E uma vez que Trump seja formalmente um candidato, será ainda mais difícil processá-lo. Trump, um mestre em se fazer de vítima, certamente alegará [como fez no passado] que qualquer investigação é simplesmente uma ‘caça às bruxas’ politicamente pensada com a intenção de tirá-lo da disputa”.

Fonte

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *