É Top Saber - Notícias e Análises

Redes sociais

Empresa de notícias russa indie levanta US$ 250 mil em criptomoedas após sanções prejudicarem as finanças

Compartilhe:

Uma empresa de notícias independente russa levantou mais de US$ 250.000 em doações de criptomoedas de apoiadores para continuar relatando notícias independentes sob uma enxurrada de propaganda e censura do governo russo.

O Meduza, um site de notícias em russo com sede na Letônia que afirma relatar sobre “a Rússia real, hoje” vem pedindo doações desde março na forma de dólares, euros e criptomoedas, incluindo Bitcoin (BTC), Ethereum (ETH), Binance (BNB), Amarração (USDT), Monero (XMR) e zcash (ZEC).

Desde que publicou seu pedido de doações, a empresa de notícias recebeu cerca de US$ 250.000 em doações de criptomoedas por meio de 146.000 transações individuais. Cerca de 93% do valor total da doação veio na forma de 3,75 BTC (US$ 116.954) e 49,9 ETH (US$ 117.767).

Os problemas financeiros da Meduza começaram em abril de 2021, depois que ela e vários outros meios de comunicação independentes foram rotulados pelo Ministério da Justiça da Rússia como “agentes estrangeiros”, exigindo que a empresa colocasse um aviso de fonte grande em cada um de seus artigos em russo informando os leitores sobre seus estatuto de “agente estrangeiro”. O mesmo aviso também deve aparecer em todos os anúncios, levando à perda de quase todos os seus anunciantes. Ele escreveu em suas perguntas frequentes sobre doações:

“Como você pode imaginar, poucas empresas pagarão para promover seus produtos abaixo de um aviso de que o conteúdo foi “criado por agentes estrangeiros”.

No entanto, ser rotulado como um agente estrangeiro não impediu que os leitores na Rússia doassem para a organização, pois a empresa prontamente abriu um caminho para os contribuintes fornecerem doações aos reguladores por meio de seus bancos usando o processador de pagamentos Stripe.

Mas em março, a Meduza se viu pressionada tanto pela censura do governo russo quanto pelo impacto das sanções ocidentais. Seu site foi bloqueado pelas autoridades russas por “divulgar informações em violação à lei”, e sua única via de recebimento de doações de apoiadores russos foi bloqueada por um proibição do SWIFT rede para bancos russos em 26 de fevereiro.

SWIFT é uma rede global de mensagens financeiras usada por instituições financeiras para realizar transferências internacionais de dinheiro.

Meduza escreveu sobre sua doação local na rede Internet que as restrições financeiras os impossibilitaram de receber doações de seus apoiadores na Rússia.

Desde 25 de fevereiro, a organização de notícias e seus jornalistas publicam atualizações diárias sobre a guerra da Rússia contra a Ucrânia, compartilhando imagens e histórias sobre civis ucranianos afetados pela guerra e outros grandes eventos não relatados pela mídia russa local.

“Milhões de pessoas na Rússia agora confiam em nossas reportagens”, escreveu Meduza, observando que seus jornalistas foram forçados a deixar o país.

“Desde o início desta guerra, é impossível transferir dinheiro da Rússia para a Europa. Perdemos 30.000 doadores. No momento, não recebemos nenhum dinheiro da Rússia”.

Ivan Kolpakov, editor-chefe da Meduza contou Bloomberg as doações ajudarão seus 25 jornalistas, que desde então fugiram do país para se estabelecer em Riga, Letônia, onde fica a sede da empresa.

Relacionado: A invasão da Ucrânia mostra por que precisamos de regulamentação de criptomoedas

A Meduza e seus jornalistas não são as únicas vítimas não intencionais das sanções russas. Reportagens da mídia ao longo dos meses apontaram para russos comuns, estudantes que estudam no exterior, estudantes internacionais na Rússia e até inteira populações civis das nações como tendo sido severamente impactadas pelas sanções enfrentadas pela Rússia.