É Top Saber - Notícias e Análises

Redes sociais

Descubra avaliações de barganha com estratégia de preço para vendas

1660293586_0x0.jpg

Compartilhe:

Neste artigo abordo a estratégia da AAII que se concentra em empresas com um baixo preço para vendas (P/S) em relação à sua média histórica. Como medidas baseadas em receita, como a relação preço/vendas, são usadas com menos frequência, elas podem levar você a ações cujas avaliações de barganha não foram descobertas por outros investidores.

A Relação Preço-Vendas

As avaliações baseadas em receita são consideradas entre as metodologias de avaliação “mais limpas”. As receitas, ou vendas, são menos impactadas do que o lucro ou o valor contábil por decisões contábeis tomadas pela administração e pela estrutura financeira corporativa.

Há duas outras grandes razões pelas quais as metodologias de avaliação baseadas em receita têm seguidores. Primeiro, eles estão entre as medidas de avaliação com menor probabilidade de ter um valor negativo ou inutilizável. Uma perda temporária tornará os índices de avaliação baseados em lucros sem sentido. Em segundo lugar, as medidas de avaliação baseadas em receita tendem a ser menos voláteis do que as medidas de avaliação baseadas em lucros.

Enquanto o relação preço-lucro, e suas versões, é a medida de avaliação mais popular, as metodologias de avaliação baseadas em receita não devem ser negligenciadas como uma ferramenta para avaliar se uma empresa é barata, tem preço justo ou é cara. Como essas medidas são menos usadas, elas podem levar você a ações cujas avaliações de barganha não foram descobertas por outros investidores.

As críticas à relação preço/vendas têm alguma legitimidade, pois as vendas não são iguais aos lucros. A simples triagem de baixos índices de preço/vendas provavelmente resultará em empresas com margens de lucro baixas e perspectivas fracas. Para usar efetivamente essa medida de avaliação, você deve comparar o índice preço/vendas da empresa com seu nível anterior ou com o de empresas do mesmo setor.

Investir Usando o Modelo de Triagem Preço-Vendas

Numerosos estudos estão de acordo sobre a conveniência de investir em ações desfavorecidas como estratégia para obter taxas de retorno de longo prazo acima da média. O mercado muitas vezes reage exageradamente às notícias – boas e ruins – aumentando os preços das empresas que estão indo bem até o ponto em que estão supervalorizadas, enquanto reduz os preços das empresas problemáticas a ponto de representarem um valor atraente.

A triagem de ações subavaliadas na relação preço/vendas (preço atual dividido pelas vendas por ação nos últimos 12 meses) não é um conceito novo. A técnica foi popularizada pela primeira vez por Kenneth Fisher em seu livro de 1984 “Super Stocks”. Os proponentes do índice preço/vendas argumentam que as abordagens baseadas em lucros para selecionar ações são inferiores porque os lucros são influenciados por muitas suposições gerenciais que se espalham pelos livros contábeis. O valor base relativo às vendas tende a ser mais confiável do que o valor base relativo aos lucros. Desenvolvimentos temporários, como custos incorridos no lançamento de um novo produto ou uma desaceleração cíclica, podem influenciar os lucros mais do que as vendas, muitas vezes levando a lucros negativos. A relação preço/vendas pode fornecer uma ferramenta de avaliação significativa quando lucros negativos tornam inúteis os modelos baseados em lucros.

Os níveis de vendas tendem a ser mais comparáveis ​​entre diferentes empresas – levando a uma ferramenta de avaliação que é mais comparável de empresa para empresa dentro do mesmo setor. Modelos baseados em ativos, como baixo preço para valor contábil As telas podem ser influenciadas por fatores da empresa, como cronogramas de depreciação específicos, idade dos ativos e até métodos de contabilidade de estoque. O mercado pode não ser capaz de se ajustar adequadamente a esses fatores específicos da empresa, o que leva a valores mobiliários incorretos.

Intervalos para a relação preço-vendas

Os investidores normalmente procuram ações com medidas de avaliação baixas, como a relação preço-vendas ou preço-lucro, acreditando que o mercado pode ter negligenciado uma empresa ou avaliado incorretamente seu valor.

Ações com baixos níveis de avaliação já podem ser derrotadas, portanto, qualquer boa notícia pode se traduzir em preços de ações mais altos. No entanto, algumas indústrias tradicionalmente vendem com baixos rácios preço/venda. As empresas desses setores normalmente têm margens de lucro baixas (renda dividida pelas vendas), como supermercados ou empresas com perspectivas de crescimento de vendas muito ruins. Uma simples tela para apenas uma baixa relação preço/venda tenderá a revelar muitas dessas empresas. É por isso que nos concentramos em empresas com índices atuais de preço/vendas abaixo de sua média histórica e abaixo da norma para seu setor.

Os níveis de preço para vendas estão vinculados às expectativas de crescimento futuro da empresa, lucratividade e risco. Quanto maior o crescimento esperado, maior a relação preço-vendas que uma ação pode suportar. Margens de lucro mais altas também se traduzem em altos índices de preço/vendas. As margens de lucro medem o nível de renda produzido para um determinado nível de vendas. Os lucros apontam para o crescimento a longo prazo da empresa e seu poder de permanência.

Desenvolvendo o Filtro Principal de Preço-Vendas

As relações preço/vendas geralmente não funcionam muito bem com empresas como bancos, fundos de investimento imobiliário (REITs) ou outras empresas onde as vendas contínuas não são uma força motriz fundamental. Portanto, nosso primeiro critério exclui empresas financeiras e REITs.

Com bancos e REITs excluídos, resta a questão de estabelecer um nível de corte adequado para a relação preço/vendas. Acredita-se que as empresas com baixos índices preço/vendas sejam boas perspectivas para futuros aumentos no preço das ações. Com os estoques de preço baixo para vendas já derrotados, qualquer boa notícia pode se traduzir em preços mais altos das ações.

Como mencionado, algumas indústrias tradicionalmente vendem com baixos rácios preço/venda. Para ajudar a levar em consideração os fatores do setor, nosso filtro procura empresas cujas relações preço/vendas estejam abaixo da média de seu setor.

Outra abordagem para julgar o nível relativo do índice preço/vendas da empresa é compará-lo com os níveis históricos da empresa. Um índice menor que sua média histórica seria um sinal de que a ação está potencialmente subvalorizada, enquanto um índice alto em relação à sua média histórica pode indicar uma empresa supervalorizada. Essa abordagem pressupõe que as perspectivas subjacentes de crescimento e lucro da empresa não mudaram drasticamente. Comparar uma empresa com sua própria média alivia o problema de encontrar o ajuste correto em termos de grupo industrial. Outra vantagem desse tipo de análise é que ele não excluirá automaticamente empresas de alto crescimento em setores de alto crescimento, como faria uma relação preço-vendas absoluta. As empresas são classificadas de acordo com a comparação de seus índices atuais com a média dos últimos cinco anos.

Critérios de Condicionamento

Mesmo uma ação com uma baixa relação preço/venda não é uma pechincha se não tiver perspectivas de crescimento de vendas e lucros. Se uma empresa tem perspectivas ruins, ela deve negociar com um índice baixo. Idealmente, um investidor está procurando uma empresa em crescimento que tropeçou devido a um fator temporário ou uma empresa negligenciada que ainda não atraiu a atenção de Wall Street. O próximo critério exige que a empresa tenha uma taxa de crescimento nas vendas nos últimos cinco anos maior do que a mediana do setor – identificando empresas que expandiram seus níveis de vendas mais rapidamente do que outras empresas em seu setor, mas que estão negociando com desconto em relação ao norma da indústria.

Um critério de triagem usando apenas taxas de crescimento pode mascarar uma grande variabilidade. Um exame atento dos números ano a ano, tendências trimestrais recentes de vendas e perspectivas futuras de crescimento das vendas devem fazer parte da análise detalhada realizada nas empresas que passam pela tela. A outra consideração é que a análise de um investidor deve olhar para as perspectivas futuras da empresa.

Alavancagem financeira

Uma tela de valor para ações oprimidas revelará empresas que podem estar um pouco problemáticas. Como hedge de segurança, muitos investidores incluem uma tela que estabelece um nível máximo de alavancagem financeira. Embora o uso de dívida possa ajudar a aumentar o retorno sobre o patrimônio líquido quando a empresa está apresentando um bom desempenho, também pode sobrecarregar a empresa com pagamentos de juros que devem ser feitos ao longo do ciclo de negócios, diminuindo assim o retorno sobre o patrimônio líquido quando o negócio desacelera e aumentando o risco que a empresa pode não ser capaz de cumprir os seus pagamentos de juros.

As telas básicas de alavancagem analisam fatores como dívida em relação ao patrimônio ou passivos em relação aos ativos. Empresas em setores mais estáveis ​​podem assumir com segurança maiores níveis de endividamento. As empresas são rastreadas quanto a índices passivos/ativos inferiores à mediana do setor. Embora as telas de alavancagem não tendam a revelar investimentos promissores, elas são úteis para destacar empresas com problemas, especialmente se estudadas ao longo do tempo.

Força Relativa do Preço

As telas de valor geralmente mostram empresas que exigem paciência do investidor esperando que o mercado mude sua visão pessimista do setor. Uma tela para alta força de preço relativo pode ajudar a sinalizar uma melhora nas perspectivas de ações. É especificada uma tela que requer uma relação de resistência relativa de 52 semanas mais alta do que a mediana da indústria. O índice de força relativa compara o desempenho do preço da empresa ao do S&P 500. As empresas com índices de força relativa positivos superaram o S&P 500, enquanto índices negativos refletem um desempenho relativo inferior.

Tamanho da empresa

À medida que as empresas crescem, suas relações preço/vendas normalmente diminuem. Uma vez que uma empresa atinge uma grande escala, torna-se cada vez mais difícil para ela sustentar taxas de crescimento acima da média. Razões de preço/vendas mais baixas vêm com essas perspectivas mais baixas. No outro extremo da escala, empresas muito pequenas e de alto crescimento em mercados em desenvolvimento são difíceis de incorporar em uma tela de valor. Essas ações de micro capitalização também são ações muito ilíquidas que carregam altos custos de transação. Para excluir a parte muito pequena do mercado, uma capitalização de mercado mínima de US$ 50 milhões é especificada como a tela final. Como é verdade para qualquer tela, a lista de empresas aprovadas representa um ponto de partida bruto para uma análise mais aprofundada.

Considerações Finais sobre a Abordagem Preço-Vendas

A relação preço/vendas é promissora como uma abordagem de triagem. Ele pode identificar empresas subavaliadas mais cedo do que a abordagem preço-lucro e evitar algumas das complicações contábeis das telas preço-lucro e preço-livro. Mas o conhecimento do setor é crucial para julgar as relações preço/vendas. As telas para empresas de baixo preço para vendas tendem a ser mais específicas do setor do que as telas de relação preço-lucro. Nosso Modelo de triagem de preço para vendas tem um ganho anual de preços desde o início (1998) de 12,9%, contra 5,7% para o índice S&P 500 no mesmo período.

25 Ações que Passam na Tela Preço-Vendas (Classificadas pela Relação Preço-Vendas)

___

As ações que atendem aos critérios da abordagem não representam uma lista “recomendada” ou “comprada”. É importante realizar a devida diligência.

Se você quer uma vantagem em toda a volatilidade do mercado,torne-se um membro da AAII.

Fonte

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *