ÉTopSaber Notícias e Criptomoedas

Redes sociais

DCG e Silbert negam alegações da NYAG e decidem encerrar processo de US$ 3 bilhões

Dcg Gemini.jpg

Compartilhe:

Grupo de Moeda Digital (DCG) e seu CEO Barry Silbert arquivaram moções para demitir o processo de fraude de US$ 3 bilhões movido pelo Gabinete do Procurador-Geral de Nova York (NYAG), argumentando que as acusações feitas contra eles são “insinuação infundada.

A NYAG entrou com a ação em Outubro de 2023 sobre alegações de que DCG e sua subsidiária Capital Gênesis enganou os clientes sobre os riscos envolvidos no programa Gemini Earn, causando perdas aos clientes no valor de US$ 3 bilhões.

Gênesis já concordou em resolver o processo separadamente. Enquanto isso, o DCG também apresentou uma objeção ao acordo.

DCG nega acusações

O DCG negou categoricamente as alegações da NYAG, enquadrando-as como infundadas e sem provas substanciais. A empresa argumentou que o seu apoio à Genesis Capital foi conduzido de “boa fé”, apoiado por sólidos conselhos de consultores e consultores de investimento de renome.

De acordo com o arquivamento:

“As alegações são uma teia tênue de insinuações infundadas, descaracterizações flagrantes e declarações conclusivas sem suporte.”

Em sua defesa, o DCG afirma que as alegações são uma tentativa equivocada da NYAG de encontrar um bode expiatório para as perdas sofridas pelos clientes devido a fatores fora do controle da empresa.

A empresa afirmou que foi além das suas obrigações ao injetar centenas de milhões de dólares na Genesis Capital antes do seu pedido de falência.

Os documentos legais detalham ainda mais a natureza das comunicações feitas pela DCG e pela Genesis Capital, incluindo retuítes e declarações consideradas vagas demais para constituir fraude. A empresa também contestou a aplicabilidade da Lei Martin de Nova Iorque às suas atividades, argumentando que o quadro jurídico não apoia o caso da NYAG.

'Abordagem da pia da cozinha'

No centro da defesa está a afirmação de que Silbert estava totalmente comprometido em apoiar a Genesis nos desafios do mercado de criptografia em 2022, agindo sem qualquer intenção fraudulenta.

A defesa criticou a NYAG por empregar uma abordagem de “pia de cozinha” – acusando-a de agrupar Silbert injustamente com outros réus e baseando o seu caso em alegações de grupo impróprias.

De acordo com o arquivamento:

“Senhor. Silbert está a vários passos da alegada fraude, mas a Reclamação Alterada procura responsabilizá-lo pessoalmente e excluí-lo permanentemente do setor de valores mobiliários.”

Além disso, desafiou a confiança da NYAG em citações selectivas das comunicações de Silbert – que, quando vistas no contexto completo, supostamente demonstram a sua confiança contínua na saúde financeira da Genesis.

As ações de Silbert, incluindo o fornecimento de uma nota promissória de US$ 1,1 bilhão à Genesis, são destacadas como prova de sua crença na viabilidade da empresa e de sua supervisão responsável como CEO.

A defesa também afirma que ele e o DCG nada tiveram a ver com a declaração que a Genesis fez aos investidores, que é o principal argumento que sustenta as acusações de que as empresas enganaram os investidores. A defesa acrescentou que o DCG não acreditava que essas declarações fossem fraudulentas.

Além disso, a equipe de Silbert aponta preocupações processuais, observando que a NYAG prosseguiu com o processo sem ouvir o depoimento de Silbert – depoimento que foi adiado devido a problemas de saúde de seu filho. Esta medida, segundo a defesa de Silbert, sublinha a pressa e o desrespeito da NYAG por uma investigação abrangente.

Fonte

Leave a Comment