ÉTopSaber Notícias e Criptomoedas

Redes sociais

Como os pagamentos descentralizados são uma porta de entrada para o desenvolvimento económico

African Nation Payments.jpg

Compartilhe:

A seguir está uma postagem convidada de Alexander Mamasidikov, CEO da CrossFi.

O mundo das transações financeiras está se transformando, impulsionado pelas soluções crescentes em Web3 pagamentos. Embora esta evolução esteja a ser testemunhada em todo o mundo, é particularmente digno de nota que os países em desenvolvimento estejam a liderar esta mudança.

Esta abordagem proativa reflete a agilidade e adaptabilidade destas economias e posiciona-as na vanguarda da inovação financeira. Desde a revolução das transferências descentralizadas de dinheiro até à democratização dos instrumentos de pagamento, o aumento dos pagamentos Web3 no mundo em desenvolvimento anuncia uma mudança sísmica na forma como percebemos e interagimos com as transações financeiras.

Enquanto navegam pelas águas desconhecidas do DeFiestas nações estão preparadas para ultrapassar economias estabelecidas como os Estados Unidos, inaugurando uma nova era de economia global dinâmica.

A mudança nas transferências de dinheiro

Os países em desenvolvimento há muito que enfrentam os desafios de sistemas económicos dispendiosos e ineficientes na inclusão financeira. Os métodos tradicionais muitas vezes implicam pesadas taxas de transferência de mais de 10% ou maislongos tempos de processamento de pagamentos transfronteiriços de até 5 dias úteis e acessibilidade limitada para quem não tem conta bancária, que muitas vezes não tem endereço permanente, documentação de identificação governamental ou rendimento regular.

Tudo isso, é claro, afeta desproporcionalmente as comunidades mais carentes. No entanto, o surgimento das tecnologias Web3 está a remodelar este cenário, oferecendo uma tábua de salvação para aqueles anteriormente excluídos do ecossistema TradFi.

Um dos impactos mais significativos dos pagamentos Web3 de utilização diária nos países em desenvolvimento está a revolucionar a forma como as transferências de dinheiro funcionam nas escalas macro e micro. Quer se trate de comprar uma refeição, pagar renda ou enviar dinheiro através das fronteiras, esta transformação não só agiliza o processo de envio e recebimento de dinheiro, mas também reduz a dependência de intermediários, mitigando assim quaisquer atrasos e normas KYC associadas relacionadas com os bancos.

De forma encorajadora, incluir a capacidade de utilizar pagamentos criptográficos é bom para os proprietários de empresas, uma vez que as empresas que adotaram os pagamentos criptográficos obtiveram um retorno médio sobre o investimento (ROI) de 327% e testemunharam um aumento de até 40% na aquisição de novos clientes.

Em todo o mundo, testemunhamos exemplos convincentes de implementações bem-sucedidas de transferência de dinheiro baseadas na Web3 em economias em desenvolvimento, como o Brasil. Desde trocas de criptografia P2P até protocolos DeFi que facilitam transações transfronteiriças, essas plataformas oferecem transparência e segurança sem precedentes, reinstalando a confiança em sistemas financeiros anteriormente suspeitos.

Na verdade, a mudança para os pagamentos Web3 é uma promessa imensa para o mundo em desenvolvimento. Ao desmantelar barreiras ao acesso financeiro e promover uma maior inclusão financeira, estas inovações abrem caminho para a capacitação económica e a resiliência. À medida que os países em desenvolvimento abraçam o potencial transformador dos pagamentos Web3, não só colmatam a lacuna com os seus homólogos desenvolvidos, mas também emergem como pioneiros na evolução contínua das finanças globais.

Aproveitando os pagamentos Web3 para uma prosperidade global inclusiva

A rápida adopção de pagamentos Web3 nos países em desenvolvimento é impulsionada por uma convergência de factores económicos, regulamentares e de base, cada um contribuindo para a aceleração desta tendência. Ao mesmo tempo, as implicações desta adopção estendem-se muito para além das fronteiras destas nações, ajudando a remodelar as tendências da economia e das finanças globais.

A adopção de pagamentos Web3 nos países em desenvolvimento não é apenas uma questão de conveniência, mas uma resposta a imperativos económicos e sociais urgentes. Em nações atormentadas pela hiperinflação, como Venezuela e Argentinaonde as moedas tradicionais vacilaram, as criptomoedas oferecem uma tábua de salvação, proporcionando uma reserva estável de valor e uma proteção contra a volatilidade económica.

Da mesma forma, as preocupações em torno da liberdade financeira e dos excessos do governo estão a impulsionar a adopção em regiões como o Afeganistão, onde a capacidade de congelar activos pode ter consequências terríveis, especialmente para grupos marginalizados como as mulheres.

O ambiente regulamentar em muitos países em desenvolvimento é cada vez mais propício à adopção de tecnologias Web3 porque existe uma necessidade urgente de soluções alternativas.

Recentemente, A FSCA da África do Sul esclareceu os regulamentos sobre criptomoedas, desencadeando esforços de formalização. Reconhecendo os benefícios potenciais da criptografia, os membros do União Africana em muitas regiões continuam a tomar medidas proativas para criar estruturas que apoiem a inovação e o investimento no espaço.

Ao proporcionar clareza e segurança regulamentar, estas iniciativas incentivam o desenvolvimento de um ecossistema vibrante de soluções Web3, estimulando ainda mais a adoção e impulsionando o desenvolvimento económico.

Movimentos populares e iniciativas empresariais onde pessoas que não são nativas da criptografia, mas continuam a adotar soluções Web3, desempenham um papel cada vez mais crucial na promoção da adoção de pagamentos Web3 em todo o mundo. Desde projetos conduzidos pela comunidade até startups inovadoras, estas iniciativas demonstram a procura ascendente de soluções financeiras alternativas que atendam às necessidades e desafios únicos que os indivíduos e as empresas enfrentam nos países em desenvolvimento.

A adoção popular da criptografia continua a aumentar nos países de renda média baixa (LMI), com sua adoção total ultrapassando os níveis pré-alta do mercado no terceiro trimestre de 2020.

Vale a pena saber disso 40% da população mundial vive em países LMI, maior do que qualquer outra categoria de rendimento único. À medida que esses movimentos populares crescem, eles lideram o avanço para uma nova era de adoção global da Web3. Prepare-se porque a revolução está apenas começando e o mundo inteiro está começando a perceber.

Fonte

Leave a Comment