ÉTopSaber Notícias e Criptomoedas

Redes sociais

Como a tecnologia emergente cultiva uma revolução sustentável na agricultura

Seeds.jpg

Compartilhe:

Numa era em que a sustentabilidade ambiental já não é uma mera aspiração, mas sim um imperativo global, a união entre tecnologia de ponta e compromisso ambiental dá origem a soluções inovadoras e eficazes de redução de carbono em todo o sector agrícola.

Na vanguarda desta intersecção está o potencial transformador da tecnologia blockchain para tornar os compromissos e reivindicações ambientais mais vinculativos e verificáveis ​​- uma sinergia dinâmica que contém a chave para revolucionar a forma como percebemos e gerimos os ativos do mundo real nos setores agrícolas.

À medida que o mundo começa finalmente a confrontar-se com a necessidade urgente de enfrentar as alterações climáticas, os governos e os reguladores estão agora a constatar que o investimento em sistemas tecnológicos modernos é um elemento imperativo da luta global contra as emissões. Muitas das abordagens tradicionais que governaram as medidas, compromissos e promessas de sustentabilidade no passado revelaram-se inadequadas à sua finalidade e foram repletas de défices de transparência, eficiência, verificabilidade e, o mais importante, de confiança.

Um exemplo de algumas destas questões é a recente imposição pelo governo canadiano de uma agenda fiscal ambiental às principais empresas petrolíferas, uma política destinada a reduzir os impactos ecológicos através do aumento dos preços de mercado.

Este imposto revelou-se pouco prático, pois vai muito além de afectar apenas as empresas petrolíferas, uma vez que o imposto se aplica a qualquer lugar onde o petróleo e o gás sejam utilizados. Por exemplo, vejamos o efeito sobre os agricultores – este imposto tem impacto sobre eles em todas as frentes, desde o abastecimento de tratores, aquecimento de celeiros e transporte de produtos. Como resultado, os preços dos alimentos estão a disparar e o fardo é suportado desproporcionalmente pelos consumidores que lutam para colocar comida na mesa.

Embora a ambição do governo possa ter sido nobre e motivada pelo desejo de combater as emissões, as medidas foram ineficazes e realçaram novamente a necessidade de soluções mais práticas e viáveis.

Os défices na abordagem tradicional podem começar a ser resolvidos através do aproveitamento da tecnologia moderna, como a blockchain, para implementar práticas de medição modernas e verificáveis ​​que, por sua vez, incentivarão e recompensarão práticas genuinamente sustentáveis. A importância de avançar para um sistema de medição mais verificável e confiável torna-se clara quando vemos os compromissos assumidos na conferência COP28 do ano passado nos EAU.

Embora os grandes pronunciamentos tenham sido abundantes, é agora vital que vejamos ações climáticas concretas e incentivos para práticas ecológicas implementadas, para alcançarmos verdadeiramente reduções significativas nas emissões de gases com efeito de estufa. A mudança para um processo de medição mais moderno tem o benefício adicional de fornecer também relatórios de progresso quase em tempo real sobre os compromissos climáticos, incentivando e recompensando novamente as práticas sustentáveis ​​a nível comunitário.

Trazendo todos conosco – regulamentação mais eficaz

O desmatamento é responsável por cerca 11% das emissões globais de carbono – uma estatística que dominou as conversas na COP28 no ano passado. 2024 é um potencial ponto de viragem nesta esfera, uma vez que a nova lei anti-desflorestação da UE, EUDRentra em vigor, exigindo prova de que produtos como café, soja e cacau não foram produzidos em terras que foram sujeitas a desflorestação, caso sejam importados para a UE.

Embora os activistas climáticos tenham saudado esta medida, também é justo questionar como se pode esperar que os agricultores do Sul Global sobrevivam e cumpram o EUDR, sem assistência significativa. Por exemplo, pelo menos 70% dos grãos de cacau do mundo são produzidos em países da África Ocidental, como Gana, Nigéria e Camarões, e posteriormente processados ​​e distribuídos pela Europa.

Agora, os regulamentos da UE proibirão os agricultores de exportar para mercados lucrativos, a menos que possam provar que os seus produtos provêm de terras livres de desflorestação – ser capaz de confirmar isto é um desafio significativo, especialmente quando se consideram os processos de monitorização relativamente rudimentares que existem actualmente em todo o país. explorações agrícolas mais pequenas no Sul Global.

Uma transformação tecnológica

Uma tecnologia nova e facilmente acessível pode ajudar os pequenos agricultores nesta jornada.

A fotografia aérea e a IA tornam viável aos agricultores diferenciar com precisão entre culturas cultivadas e cultivadas em áreas afetadas pela desflorestação. O aprendizado de máquina avançado permite o monitoramento contínuo das atividades agrícolas – oferecendo aos agricultores insights acionáveis ​​com base em informações em tempo real.

Unindo tudo isso, a integração do blockchain fornece um registro transparente, seguro e verificável do histórico de um produto – esses registros fornecem um registro verdadeiro, que não pode ser alterado depois de gravado no blockchain. Esta característica imutável é vital para os processos de rastreabilidade em toda a cadeia de abastecimento, abrindo novas possibilidades para os agricultores e permitindo-lhes cumprir o EUDR e outros regulamentos.

A melhor parte é que estas tecnologias também estão agora mais acessíveis do que nunca através de aplicações móveis criativas que chegam aos agricultores que anteriormente não tinham qualquer tipo de exposição a AgTech.

Esta combinação de novos elementos tecnológicos permite aos agricultores aceder aos mercados, cumprindo os regulamentos, optimizando o rendimento das colheitas e minimizando os impactos ambientais. Isto abre muitas novas oportunidades para os pequenos agricultores e apoia práticas agrícolas mais sustentáveis ​​e amigas do ambiente.

Destacar estas novas oportunidades tecnológicas e torná-las facilmente acessíveis é vital para impulsionar práticas agrícolas mais sustentáveis ​​e, em última análise, um futuro mais sustentável do ponto de vista ambiental.

Fonte

Leave a Comment