É Top Saber - Notícias e Análises

Redes sociais

Como a stablecoin algorítmica da Terra caiu

1652845425_0x0.jpg

Compartilhe:

Na última semana e meia, em um dos maiores eventos destruidores de riqueza da história das criptomoedas, testemunhamos o terrível desmoronamento do ecossistema Terra.

Terra, antes de seu desaparecimento, era um dos ecossistemas de criptomoedas mais promissores e ambiciosos com uma missão principal – construir a maior stablecoin algorítmica. Uma próspera comunidade de construtores, investidores e crentes se uniram em torno dessa missão, com o impetuoso cofundador da Terra, Do Kwon, apontado como seu messias. Enquanto os críticos a chamavam de ponzi com economia insustentável, a ousada missão do Terra atraiu bilhões de dólares de capital de patrocinadores proeminentes e cresceu tanto que muitos a consideraram “grande demais para falir”. E então tudo desmoronou.

Breve História da Terra & UST

O Terra foi criado por uma startup chamada Terraform Labs em 2018, fundada por Do Kwon e Daniel Shin. Existem duas partes principais no blockchain do Terra: TerraUSD (UST) e LUNA.

A UST é uma stablecoin algorítmica, que mantém sua atrelagem ao dólar americano por meio de um mecanismo de arbitragem com o LUNA. O LUNA também é o token de governança nativo e pode ser apostado por validadores para processar transações de rede e acumular recompensas.

Para quem não conhece, uma stablecoin é uma criptomoeda que deve ser atrelada a uma moeda estável, como o dólar americano. A maneira mais fácil de implementar isso é apoiar cada stablecoin com um dólar real e torná-las livremente resgatáveis, uma por uma. Uma stablecoin algorítmica, no entanto, tenta manter sua atrelagem ao dólar por meio de um sistema de incentivo econômico baseado na teoria dos jogos. Isso ignora a necessidade de realmente manter dólares americanos físicos, um recurso intencional. A confiança em qualquer entidade centralizada vai contra o espírito das criptomoedas, e as stablecoins algorítmicas (em teoria) são uma das poucas maneiras de alcançar a descentralização e a estabilidade de preços.

Então, como a UST mantém seu peg? Por meio de um mecanismo simples de resgate: 1 UST sempre pode ser resgatado por US$ 1 em LUNA e vice-versa.

  • Se UST < $ 1, os arbitradores podem comprar 1 UST, queimá-lo e cunhar $ 1 em LUNA e depois vender esse LUNA para obter lucro
  • Se UST > $ 1, os arbitradores podem comprar $ 1 em LUNA, queimá-lo e cunhar 1 UST e depois vender esse UST para obter lucro

Por que alguém manteria uma stablecoin algorítmica, que é claramente mais arriscada do que manter uma lastreada em dólares americanos reais? Por alguns motivos. Por um lado, a capacidade de manter o valor em dólares sem uma entidade centralizada que guarde o sistema é uma forte invenção para alguns. Além disso, se a stablecoin tiver utilidade que outras não, isso aumentaria sua adoção. Esta utilidade foi alcançada através do protocolo Anchor.

O objetivo de longo prazo da Terra era construir um ecossistema próspero de aplicativos financeiros, com integrações de pagamento no mundo real. No entanto, para obter a adoção do UST no curto prazo, incentivou os detentores de UST com rendimento. Ele implementou isso por meio de um protocolo de economia chamado Anchor, que oferecia 20% de juros sobre o UST. Isso aumentou a demanda por UST, pois os usuários correram para capturar os rendimentos elevados. No auge, a UST tinha mais de US$ 18 bilhões em oferta circulante e a Anchor tinha mais de US$ 15 bilhões em Total Value Locked (TVL).

A Terraform Labs também criou o Luna Foundation Guard (LFG), uma fundação sem fins lucrativos com o mandato de defender o peg UST. O LFG comprou mais de US$ 3 bilhões em Bitcoin

BTC
e tinha planos de, eventualmente, chegar a US $ 10 bilhões.

O De-Peg

O de-peg começou no sábado, 7 de maio. Foi catalisado pela retirada de US $ 150 milhões UST do pool Curve Wormhole pelos laboratórios da Terraform para se preparar para o lançamento do 4pool. Isso foi seguido por uma grande venda de US$ 350 milhões do UST para o USDC on Curve, por um suposto “atacante”, que causou um desequilíbrio significativo entre o UST (85%) e o 3CRV (15%) no pool. Posteriormente, houve uma corrida bancária no Anchor, com usuários correndo para sacar seus fundos e trocar do UST.

Essa pressão de venda no UST levou a uma espiral descendente reflexiva, comumente conhecida como “espiral da morte”. Os árbitros resgataram UST por LUNA que venderam, levando a uma diminuição significativa em seu preço, o que exigiu que mais LUNA fosse cunhado para cada UST queimado, criando um ciclo hiperinflacionário no fornecimento do LUNA.

Em resposta, a Guarda da Fundação Luna (LFG) implantado quase US$ 1,5 bilhão de capital de suas reservas em um esforço para adicionar liquidez ao ecossistema e proteger a paridade. O LFG também tentou levantar uma rodada de emergência de US$ 1 bilhão para reforçar as reservas. Apesar desses esforços, o LFG não conseguiu manter o peg e a implantação do BTC causou mais pressão de venda, com o mercado de criptomoedas mais amplo caindo em sincronia com o UST.

À medida que esse ciclo reflexivo se desenrolava, parecia que a comunidade Terra tinha duas opções:

  1. Permita que o mecanismo de arbitragem continue. Isso faria com que o suprimento do LUNA inflasse e os preços se depreciassem rapidamente, à medida que os arbitradores pegavam o UST, queimavam e cunhavam o LUNA e depois despejavam esse LUNA no mercado. O benefício é que o UST poderia re-fixar se funcionasse, mas o risco aqui é que o LUNA poderia ir para zero e, nesse caso, o UST também iria para zero
  2. Abandone UST. Deixe o UST depeg e vá para zero parando o mecanismo de arbitragem. Isso salvaria o LUNA de uma espiral inflacionária, e eles poderiam tentar reconstruir do zero, com uma nova stablecoin.

Em última análise, eles decidiram ir com a primeira opção, e o pior cenário aconteceu como muitos esperavam. Na quinta-feira, 12 de maio, o preço da LUNA atingiu US$ 0 e muitas bolsas começaram a interromper suas negociações. Algumas pessoas especularam que este era um ataque estilo Soros, potencialmente coordenado pela Citadel e/ou BlackRock, no entanto ambas as empresas negado qualquer envolvimento.

Para onde vamos daqui

Embora a experimentação e o fracasso sejam fundamentais para a inovação, o colapso da Terra foi um golpe particularmente doloroso para o ecossistema de criptomoedas. Ao todo, mais de US$ 30 bilhões em valor foram destruídos em uma única semana.

Existem também alguns efeitos secundários importantes deste colapso que podem ter impactos duradouros. Muitos fundos e instituições que foram expostos ao LUNA e/ou UST sofreram grandes golpes, e alguns provavelmente se tornaram insolventes. A inovação em stablecoins algorítmicas será significativamente mais difícil daqui para frente. Além disso, os reguladores provavelmente tomarão conhecimento e aumentarão o escrutínio. Por exemplo, Janet Yellen saiu com uma declaração referenciando a queda espetacular do Terra e pressionando por mais regulamentação de stablecoins durante um depoimento anual em frente ao Comitê Bancário do Senado.

Na segunda-feira, 16 de maio, Do Kwon saiu com um proposta para reviver o que resta do ecossistema Terra. O plano é bifurcar a cadeia Terra em uma nova cadeia, sem a stablecoin algorítmica. Se isso passará e o ecossistema Terra se recuperará não está claro, mas o desafio que Do e Terra têm pela frente é tremendo. Eles terão que reconstruir todo o sistema de baixo para cima. Eles terão que redesenhar completamente o modelo econômico. E o mais importante, eles terão recuperado a confiança de seus desenvolvedores, construtores, investidores e comunidade vibrante.

Fonte

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *