ÉTopSaber Notícias e Criptomoedas

Redes sociais

Comissão Europeia pede dados de risco de IA do Google, Facebook, X e cinco outros

Ai Europe.jpg

Compartilhe:

A Comissão Europeia iniciou um inquérito abrangente sobre os riscos colocados pela tecnologia de IA generativa em algumas das maiores plataformas online e motores de pesquisa do mundo.

O 14 de março solicitação tem como alvo oito serviços online: Pesquisa do Google, Microsoft Bing, Facebook, XInstagram, Snapchat, TikTok e YouTube.

A Comissão Europeia disse:

“As questões dizem respeito tanto à disseminação quanto à criação de conteúdo de IA generativa.”

A investigação visa determinar como cada serviço mitiga problemas comumente vistos na IA generativa, incluindo “alucinações” que produzem informações falsas, a propagação viral de deepfakes e a manipulação de eleitores.

Procura também informações semelhantes sobre o impacto da IA ​​no processo eleitoral, a propagação de conteúdos ilegais, violações de direitos, violência baseada no género, proteção de menores e saúde mental. A solicitação abrange a criação e divulgação de conteúdos gerados por tecnologias de IA.

O foco parcial nas questões eleitorais segue os esforços mais amplos da agência para mitigar os riscos representados pela ascensão da IA, incluindo a introdução do Lei dos Serviços Digitais (DSA).

A DSA exige que as Very Large Online Platforms (VLOPs) e os Very Large Online Search Engines (VLOSEs) adiram a um conjunto abrangente de regulamentos concebidos para combater a disseminação de conteúdos ilegais e mitigar quaisquer efeitos adversos sobre os direitos fundamentais, os processos eleitorais e o bem-estar mental. ser e proteção da criança.

Respostas previstas para abril

Cada serviço deverá fornecer a informação solicitada relativa às eleições até 5 de abril e deverá fornecer a informação relativa às restantes categorias até 26 de abril.

O não fornecimento de informações precisas, completas e transparentes pode resultar em penalidades substanciais. A Comissão enfatizou a sua autoridade para impor multas por quaisquer respostas consideradas incorretas, incompletas ou enganosas.

Além disso, caso as plataformas não respondam dentro do prazo estipulado, a Comissão poderá impor o cumprimento através de um processo formal de tomada de decisão, o que poderá levar a novas sanções financeiras.

Esta iniciativa marca um passo significativo na aplicação do DSA e destaca o compromisso da UE em mitigar os riscos associados às tecnologias digitais e em garantir um ambiente online seguro.

A notícia chega meses depois de relatos de uma iniciativa separada da UE chamada Lei de Inteligência Artificialqual proíbe certas aplicações biométricas de IA enquanto cria exceções para a aplicação da lei.

Mencionado neste artigo

Fonte

Leave a Comment