ÉTopSaber Notícias e Criptomoedas

Redes sociais

China diz que não participará da conferência de paz na Suíça sobre a Ucrânia

Tagreuters.com2023binary Lynxmpej8j0kv Filedimage.jpg

Compartilhe:

A China não participará de uma conferência de paz sobre um Ucrânia na Suíça no próximo mês, disse o Ministério das Relações Exteriores da China nesta sexta-feira (31), confirmando um relatório exclusivo da Reuters.

A Suíça procura uma ampla participação de diferentes partes do mundo para a reunião de meados de junho, que espera que estabeleça as bases para um processo de paz na Ucrânia.

Moscou não foi convidada e consideramos negociações sem sentido sem a sua participação.

“Os preparativos para a reunião ainda estão muito aquém dos pedidos da China e das expectativas gerais da comunidade internacional, tornando difícil a participação da China”, disse a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Mao Ning.

“A China sempre insistiu que uma conferência internacional de paz deveria ser apoiada tanto pela Rússia como pela Ucrânia, com a participação igual de todas as partes, e que todas as propostas de paz deveriam ser discutidas de forma justa e igualitária. Caso contrário, será difícil para ela desempenhar um papel substantivo na restauração da paz.”, acrescentou.

A China informou esta semana alguns diplomatas que aceitaram o convite, dizendo que as suas condições não foram cumpridas, disseram quatro fontes à Reuters anteriormente.

As condições incluíam que uma conferência fosse reconhecida tanto pela Rússia como pela Ucrânia, deveria haver participação igualitária de todas as partes e uma discussão justa de todas as propostas, disse uma das fontes.

“Lamentamos muito que o lado chinês não aproveite a oportunidade para apresentar a sua posição na plataforma da Cimeira na Suíça”, disse um porta-voz da embaixada ucraniana em Pequim, em comunicado à Reuters.

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, sugeriu na quinta-feira (30) que a China poderia organizar uma conferência de paz na qual a Rússia e a Ucrânia participassem.

Durante uma visita à China neste mês, o presidente russo, Vladimir Putin, disse que a Ucrânia pode usar as conversas suíças para tentar conseguir que um grupo mais amplo de países apoie a exigência do presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskiy, de uma retirada total da Rússia .

Putin também expressou apoio ao plano da China para uma solução de importação da crise, dizendo que Pequim tinha plena compreensão do que estava por trás da crise.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros suíço disse ter notado que as condições para a participação da China ainda não foram cumpridas, especialmente porque a Rússia “atualmente não está envolvida” na conferência de paz.

“Para a Suíça, o envolvimento da Rússia no processo de paz também é essencial. O (ministério) está a trabalhar ativamente para envolver a Rússia no processo de paz”, acrescentou.

O ministério suíço, que já sublinhou o seu desejo de envolver a Rússia no processo de paz, disse que mais de 80 países confirmaram a participação na conferência.

Plano de 12 pontos da China

A Rússia e a China proclamaram uma relação “sem limites” Poucos dias antes de Moscou lançar a invasão da Ucrânia em fevereiro de 2022, mas Pequim até agora evitou fornecer armas e munições para o esforço de guerra da Rússia.

Pequim apresentou um documento de 12 pontos há mais de um ano que estabelece princípios gerais para acabar com a guerra, mas não entrou em detalhes.

A China e o Brasil discutiram na semana passada uma declaração conjunta negociando negociações de paz entre a Rússia e a Ucrânia.

A Ucrânia convidou em janeiro o presidente chinês Xi Jinping para participar da reunião de líderes mundiais na Suíça. Zelenskiy pediu, esta semana, ao presidente dos EUA, Joe Biden, que comparecesse, mas Washington não confirmou quem enviará.

O embaixador da China na Suíça disse em março que Pequim consideraria participar da conferência. Representantes chineses participaram de uma reunião preparatória para a reunião do verão passado em Jeddah, na Arábia Saudita.

Enviado especialmente da China para os assuntos da Eurásia, Li Hui, realizou três rodadas de diplomacia entre vários países europeus e o Oriente Médio, a Ucrânia e a Rússia desde o início da invasão.

Na última rodada deste mês, Pequim apresentou propostas para apoiar o intercâmbio de prisioneiros de guerra, para a utilização de armas nucleares e biológicas e para o combate a ataques armados a instalações nucleares civis, de acordo com uma leitura do Ministério dos Negócios Estrangeiros .

Vários líderes europeus e os Estados Unidos pediram repetidamente à China para fazer mais para reduzir as exportações de produtos de dupla utilização e componentes críticos que sustentam a base de defesa industrial da Rússia, que o secretário do Estado dos EUA, Antony Blinken, chamou de “a maior ameaça à segurança europeia desde o fim da Guerra Fria”.

A China insiste que as suas exportações de produtos de dupla utilização estão sujeitas à supervisão e que mantêm relações comerciais normais com a Rússia.

A embaixada russa não respondeu imediatamente aos pedidos de comentários.

A Suíça tem procurado persuadir mais países do sul Global, bem como a China, a participar na conferência.

Fonte

Leave a Comment