ÉTopSaber Notícias e Criptomoedas

Redes sociais

Bukele é proclamado vencedor em El Salvador antes dos resultados oficiais

Gettyimages 1258726252 E1707031164464.jpg

Compartilhe:

Nayib Bukele se proclamou o vencedor das eleições presidenciais deste domingo em El Salvador antes de a Justiça Eleitoral do país divulgar os resultados oficiais.

Bukele se declarou vencedor através de uma mensagem em sua página no X, o antigo Twitter.

A mensagem de Bukele diz que ele ganhou a eleição com mais de 85% dos votos. No texto, ele ainda convocou apoiadores para irem ao Palácio Nacional e pediu que Deus abençoe El Salvador.

“Presidente millennial”

Nayib Bukele chegou ao poder em 2019 como o mais jovem “presidente millennial” da América Latina, que, com seu carisma, captou a atenção não apenas dos salvadorenhos, mas de toda uma região.

Quase cinco anos se passaram desde então e, apesar de algumas pesquisas refletiram sobre a alta popularidade, analistas e observadores internacionais criticaram duramente a sua política de segurança pelo seu impacto na situação dos direitos humanos.

Bukele era empresário do ramo de publicidade, em uma empresa fundada por seu pai e da qual prestava serviços ao governo da Frente Farabundo Martí de Libertação Nacional (FMLN), ex-guerrilheiro de esquerda que, duas décadas após o fim da Guerra Civil, governaria o país por 10 anos.

Ao ser eleito presidente em 2019, ele transformou a forma de governar no país latino-americano: da ruptura com o sistema bipartidário que se instaurou no país após a Guerra Civil, passando pelas selfies na ONU e sua forma casual de se comunicar nas redes sociais para – embora nunca tenha admitido isso publicamente – negociar com gangues, invadir um Congresso relutante com militares e policiais armados e governar sob um estado de exceção que foi prorrogado por quase dois anos.

Presidente de El Salvador, Nayib Bukele / 01/06/2023 REUTERS/Jessica Orellana

Quem é Nayib Bukele?

Bukele nasceu em 24 de julho de 1981 em El Salvador.

Ele é filho de Armando Bukele Kattán, químico e empresário descendente de uma família de imigrantes palestinos, e de Olga Ortez. Seu nome completo é Nayib Armando Bukele Ortez.

Depois de terminar o ensino médio em 1999, Bukele começou a estudar Ciências Jurídicas na Universidade Centro-Americana José Simeón Cañas (UCA El Salvador), mas não descobriu, segundo sua biografia publicada pelo Centro de Assuntos Internacionais de Barcelona.

Em vez disso, aos 18 anos decidiu ingressar na agência de publicidade de sua família chamada Obermet, da qual também era presidente.

Além disso, foi presidente da concessionária de motocicletas Yamaha em El Salvador.

É casado desde dezembro de 2014 com a psicóloga, educadora e dançarina Gabriela Rodríguez, após 10 anos de namoro. “O amor de sua vida”, como o próprio Bukele disse publicamente, o acompanha na maior parte de suas atividades políticas.

Prefeito de São Salvador

Bukele, torcedor declarado do Alianza, time da primeira divisão do futebol salvadorenho, iniciou sua vida política na FMLN.

Em março de 2012, essas iniciais, venceram as eleições para o município de Nuevo Cuscatlán, a 8,5 quilômetros de San Salvador, a capital do país.

Três anos depois, também pela FMLN, foi eleito prefeito de San Salvador, o que acabou sendo uma plataforma para posteriormente conseguir sua candidatura à presidência.

Presidente de El Salvador, Nayib Bukele, discursa durante conferência de inauguração da usina hidrelétrica em San Luis de La Reina / 19/10/2023 REUTERS/Jose Cabezas

Na capital, Bukele promoveu uma recuperação do Centro Histórico sob a ideia de que “o público não deve ser inferior ao privado”, pelo que seus detratores o acusaram de ser “populista”.

Em 2017 foi expulso pelo Tribunal de Ética da FMLN após declará-lo “culpado” de promoção da divisão do partido e de agressões verbais e físicas contra uma deputada da organização política, entre outras acusações.

“Fui expulso da FMLN justamente porque eles não gostaram das minhas queixas públicas sobre o mau desempenho do governo”, disse o próprio Bukele numa entrevista à CNN em 2018.

Esta foi a razão, disse ele, por qual decidiu concorrer com a Gran Alianza Nacional (GANA), um partido de centro-direita, geralmente em coligações no Congresso com a Aliança Republicana Nacionalista (Arena), um partido de extrema-direita que governou El Salvador nas duas décadas anteriores à chegada da FMLN ao poder e sobre as quais também surgiram acusações de corrupção.

“Fizemos o que para mim era o mais lógico, o mais natural, que era formar um partido político”, disse.

Bukele, o polêmico “ditador mais legal do mundo”

Ele chegou ao poder em 2019, aos 37 anos, com uma plataforma anticorrupção.

Tornou-se naquela época o mais jovem presidente da América Latina e também o mais jovem de El Salvador.

Os jovens e os insatisfeitos com os partidos políticos tradicionais foram os principais seguidores do “presidente milenar”, segundo as pesquisas.

Bukele é o primeiro presidente desde 1989 que, embora tivesse origem política na FMLN, chegou à presidência sem pertencer na época a um dos dois partidos que expressavam os dois lados opostos na Guerra Civil, ou seja, Arena e a FMLN.

Bukele é conhecido na região por suas práticas violentas e projeções de poder, como quando invadiu o Congresso escoltado por policiais militares e armados.

Perfil no Twitter de Nayib Bukele, presidente de El Salvador
Perfil no Twitter de Nayib Bukele, presidente de El Salvador / Reprodução/nayibbukele/Twitter (21.set.2021)

Com a irrupção, descrita pela oposição como “uma tentativa de golpe de Estado”, o presidente salvadorenho esperava a proposta de um empréstimo de cerca de 109 milhões de dólares que lhe permitiria levar a cabo uma nova fase do seu plano de segurança.

O confronto entre os poderes Executivo e Legislativo terminou um ano depois, quando a Assembleia Legislativa – agora controlada pela maioria oficial, após a vitória do partido de Bukele nas eleições legislativas – aprovou o financiamento.

A partir deste momento, Bukele passou a assumir o controle total dos poderes do Estado.

Com o apoio da maioria no Congresso, demitiu o procurador-geral e substituiu o Supremo Tribunal por novos membros, que mais tarde lhe permitiriam procurar a reeleição, embora a Constituição não o permitisse.

A Assembleia aprovou também que ele se afaste do cargo por seis meses para fazer campanha em vez de renunciar, conforme previsto na decisão da Câmara Constitucional do Tribunal. Enquanto isso, Bukele nomeou seu secretário particular para exercer as funções de Executivo.

Bukele, que certa vez se descreveu como “o ditador mais legal do mundo” em resposta aos seus detratores, defendeu sua estratégia de segurança opressiva argumentando que os níveis de violência no país diminuíram.

Inclusive, a sua carta para ganhar mais uma vez a presidência de El Salvador é continuar a guerra contra as gangues.

O governo também atribuiu a redução dos homicídios ao estado de exceção em vigor desde 27 de março de 2022, quando foi registrado o dia mais violento da gestão de Bukele.

Manifestante de Segurança da Constituição de El Salvador
Manifestante seguro da Constituição de El Salvador em protesto contra o governo Bukele / Foto: Camilo Freedman/APHOTOGRAFIA/Getty Images

O decreto do regime de emergência, que foi prorrogado várias vezes pela Assembleia Nacional, foi aplicado pelas autoridades para deter mais de 75 mil pessoas, desde o início de janeiro, pelas suas alegadas ligações às gangues e para deslocar internamente mais de 220 pessoas, de acordo com um relatório da organização de direitos humanos Cristosal.

O governo apenas reporta estes números através de declarações dos seus responsáveis ​​​​ou da presidência, mas desde abril de 2022 não permite o acesso a estatísticas publicadas sobre crimes como homicídios, afirmando que esta informação será confidencial durante sete anos.

Analistas e observadores internacionais têm questionado essas práticas, considerando que “violam sistemicamente” os direitos humanos, como acontece com a megaprisão que pretende confinar pelo menos 40 mil reclusos.

Organizações como a Human Rights Watch e o Comitê contra a Tortura da ONU criticam o que compartilham que são transparentes dos direitos da população.

Os familiares de vários detidos denunciaram a prisão injusta, alegando que muitos dos presos não têm qualquer relação com as gangues.

Fonte

Leave a Comment