ÉTopSaber Notícias e Criptomoedas

Redes sociais

Brasileira denuncia racismo e agressão na Alemanha: “Pior momento da minha vida“

@gabimonteiroreau.jpg

Compartilhe:

A designer brasileira Gabriela Monteiro, de 34 anos, relatou neste sábado (30) em suas redes sociais, ter sido alvo de ataque racista de um grupo de seis a oito pessoas em Berlim, na Alemanha, onde mora. Contou ainda que seu companheiro, Dominik Haushahn, também de 34 anos, foi agredido pelo mesmo grupo durante uma trajetória de metrô em 26 de março do ano passado na capital alemã.

O boletim de ocorrência foi registrado em 27 de fevereiro deste ano. Desde então, a polícia de Berlim investiga o caso. Três dos agressores foram entregues às autoridades nos mesmos dados. “A investigação está em andamento”, afirmou a polícia local, em nota publicada em seu site.

Em um longo relato nas redes, Gabriela contou que ela e Dominik se deslocaram pelo metrô até a estação Alexanderplatz, que leva a uma das principais praças da cidade, quando um grupo entrou no vagão e começou a rir e a fazer comentários agressivos sobre o cabelo e a aparência brasileira.

Um designer disse que um dos membros do grupo sacou o celular para gravar e tirar uma selfie, mas ela teria se recusado a fazer o registro.

“Quando me levantei reafirmando minha recusa, todo o grupo começou a nos assediar e a ameaçar”, conta Gabriela. Ela relata que o homem teria insistido em fazer a foto e que, após a terceira tentativa, ela reagiu e buscou tirar o celular da mão do rapaz.

“O grupo disse coisas agressivas como 'Em Berlim, as coisas não são assim””, relata.

Ela diz que a situação se agravou quando o casal chegou à estação Alexanderplatz. Ao saírem do trem, três homens do grupo seguiram Gabriela e Dominik pela plataforma da estação e agredido o companheiro da brasileira “com socos no rosto até ele ficar coberto por sangue”.

As agressões só foram interrompidas depois que uma pessoa apareceu para entrevistar a briga. Ela lembra ainda que duas mulheres que faziam parte do mesmo grupo dos agressores sobreviveram à porta do vagão para que o trio conseguisse escapar.

“Essa covardia que nos aconteceu foi um crime de ódio com temática racista e sexista e precisa ser nomeado como tal. Foi o pior momento da minha vida”, escreveu Gabriela na publicação.

Segundo a brasileira, ela passou a conviver com o medo de andar pelas ruas de Berlim depois do episódio, que ela descreveu como uma “covardia”. “Este crime deve ser julgado pelos acontecimentos ocorridos: racismo, sexismo, agressão física, bem como pelos danos psicológicos como depressão, ansiedade e medo de que venho sofrer desde então”, disse.

Agressores são entregues à polícia

A brasileira afirma que fotografou o grupo e as imagens foram usadas pela polícia para identificar os três agressores que foram atacados por Dominik na plataforma. As imagens de Gabriela e as câmeras de vigilância foram publicadas em veículos de imprensa, nos quais as autoridades policiais pediam à população que ajudavam com informações sobre o paradeiro dos suspeitos.

No dia seguinte ao registo da ocorrência, no entanto, a polícia informou que o trio de agressores foi entregue — são dois jovens de 20 anos e um de 23 anos.

No registro da ocorrência, a polícia de Berlim afirma que, “de acordo com as investigações até o momento, um homem de 34 anos e sua esposa, da mesma idade, viajaram no metrô U2 em direção a Hermannstrasse por volta das 6h10” quando o homem e sua esposa “foram insultados e ameaçados por um grupo de seis a oito jovens depois que o homem de 34 anos pediu que não fossem tiradas fotos de sua esposa”, descreveu a polícia.

“Quando o casal saiu da vaga na estação Alexanderplatz, o homem teria sido agredido várias vezes na cabeça por três membros do grupo na plataforma. Ele sofreu lesões nos lábios e no nariz. Apenas a intervenção de uma testemunha fez com que os suspeitos parassem de atacar o homem de 34 anos. Em seguida, quase todos os membros do grupo permaneceram fugidos de volta para o vagão do metrô e partiram”, relata a polícia na mesma nota.

Brasileira pede que outros agressores sejam identificados

Gabriela afirma, no entanto, que o rapaz que teria insistido em fazer as fotos e iniciou a confusão ainda não foi identificado.

“O homem que, com o apoio dos amigos, agiu de forma racista e machista, rindo do meu cabelo e insistindo agressivamente em me fotografar, foi o motivador de tudo o que aconteceu. Ele também deve ser identificado e responsabilizado pelo crime de ódio que cometeu”, disse o designer.

Procurada pelo Estadão, Gabriela disse que todas as declarações que poderiam fornecer estão na postagem feita nas redes sociais. O Ministério das Relações Exteriores também foi procurado, e afirmou que irá consultar a embaixada brasileira na Alemanha para ter mais informações sobre o caso.

Fonte

Leave a Comment