É Top Saber - Notícias e Análises

Redes sociais

BlockFi confirma movimento para permitir que os usuários da BlockFi Wallet acessem fundos

blockfi.jpg

Compartilhe:

BlockFi lançou um declaração em 20 de dezembro, confirmando uma moção apresentada em relação aos usuários da carteira BlockFi que acessam fundos.

A empresa é mais conhecida por seu serviço de rendimento, BlockFi Interest Accounts; no entanto, um produto central dentro do ecossistema BlockFi era uma carteira criptográfica de custódia. A carteira não estava sujeita a serviços de empréstimo; assim, a BlockFi argumentou que “é nossa convicção que os clientes possuem inequivocamente esses ativos”.

Os termos de serviço (ToS) da carteira afirmam claramente que a propriedade da criptomoeda armazenada nela permanece propriedade do indivíduo, não da BlockFi.

“O título da criptomoeda mantida em sua Carteira BlockFi deve permanecer com você o tempo todo e não deve ser transferido para BlockFi.”

A declaração vem horas depois que a notícia estourou através de um e-mail vazado que os clientes possam em breve ter acesso a fundos.

Os fundos depositados no BlockFi foram enviados para a carteira BlockFi. Os usuários podem mover seus ativos digitais para um de seus serviços de rendimento para obter até 10% de juros em stablecoins e outros ativos.

O ToS para o produto de carteira também confirma que é uma conta “sem juros”.

“Nossa Carteira BlockFi é uma conta criptográfica sem juros que permite que você mantenha, transfira e gerencie sua criptomoeda mantida em sua conta.”

A BlockFi teve problemas devido a problemas de liquidez no início de 2022. Ela relatou ter apenas 10% de fundos de clientes em reserva, agindo de forma semelhante a um banco de reservas fracionárias. Além disso, foi relatado que 50% dos fundos estavam em posições de “curto prazo”. No entanto, devido à natureza de alto risco dos empréstimos criptográficos, a BlockFi acabou enfrentando problemas de liquidez que a forçaram a falência.

Não está claro neste momento por que os fundos de clientes que foram claramente designados como sendo de propriedade exclusiva de seus clientes entraram em processo de falência. No entanto, a cláusula F nos ToS dá à BlockFi o direito de transferir os fundos da carteira dos clientes mediante solicitação judicial. Tal cláusula é normalmente reservada para situações de falência ou outras questões financeiras relacionadas com os clientes em oposição ao próprio custodiante.

“Exceto conforme exigido por uma ordem judicial válida ou lei aplicável, BlockFi não deve vender, transferir, emprestar, hipotecar ou de outra forma alienar criptomoeda mantida em sua Carteira BlockFi, a menos que especificamente instruído por você.”

Ao contrário das carteiras sem custódia, a BlockFi Wallet exigia que os usuários fizessem login no aplicativo BlockFi para acessar qualquer ativo digital armazenado dentro dela. Porém, após a empresa pausar os saques, o acesso ao aplicativo foi revogado para os clientes.

Nenhuma chave privada foi disponibilizada aos clientes, o que significa que a conta não pode ser importada para outra carteira, como MetaMask ou Trust Wallet. A carteira agia como uma conta criptográfica de custódia para clientes que não queriam a responsabilidade de armazenar uma frase inicial.

A data da audiência está marcada para 9 de janeiro para clientes nos Estados Unidos e 13 de janeiro para clientes internacionais.

Mais informações podem ser encontradas no Blog do BlockFi.

Leia nosso último relatório de mercado

Fonte

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *