ÉTopSaber Notícias e Criptomoedas

Redes sociais

Bill Ackman desencadeia ampla discussão sobre o uso de energia do Bitcoin

Bill Ackman Bitcoin Energy.jpg

Compartilhe:

Bill Ackman, um investidor conceituado e CEO da Pershing Square Capital Management, descreveu um cenário hipotético que gerou intenso debate entre entusiastas da criptografia, economistas e ambientalistas.

Os comentários de Ackman abordaram várias questões críticas, incluindo a sustentabilidade da mineração de Bitcoin, as suas implicações para o consumo global de energia e as consequências económicas mais amplas de uma dependência crescente de criptomoedas.

Ele twittou:

“Um cenário: o aumento do preço do Bitcoin leva ao aumento da mineração e ao maior uso de energia, aumentando o custo da energia, fazendo com que a inflação suba e o dólar caia, impulsionando a demanda por Bitcoin e aumentando a mineração, impulsionando a demanda por energia e o ciclo continua. O Bitcoin vai para o infinito, os preços da energia disparam e a economia entra em colapso. Talvez eu devesse comprar alguns Bitcoins.”

Ele acrescentou que isso também poderia funcionar “ao contrário”.

O “cenário” de Ackman gerou uma série de respostas, que vão desde respostas defensivas até apelos por uma compreensão mais sutil do uso de energia do Bitcoin. O debate foi ainda catalisado por um comentário que destacou o considerável consumo de energia atribuído à mineração de Bitcoin, comparado ao valor de um país inteiro – a Grécia.

Os críticos argumentam que o uso de energia do Bitcoin é um problema inegável com significativo implicações ambientais. Em contraste, os proponentes argumentam que os cépticos precisam de se envolver mais profundamente com a comunidade criptográfica para compreender as complexidades da mineração e os seus potenciais benefícios para o sector energético.

Bitcoin é um alimentador de fundo

Especialistas na área, incluindo Michael Saylorforam citados pelas suas opiniões sobre o debate energético.

O próprio Saylor contribuiu para o debate e argumentou que a mineração de Bitcoin poderia realmente levar a soluções energéticas mais eficientes e impulsionar a adoção de fontes de energia renováveis, criando uma demanda por energia mais barata e mais sustentável.

Alexander Leishman respondeu enfatizando a natureza competitiva da mineração de Bitcoinsugerindo que a procura de rentabilidade da indústria leva naturalmente à utilização de fontes de energia mais baratas, muitas vezes renováveis.

Esta perspectiva desafia a noção de que a mineração de Bitcoin exacerba a procura por recursos energéticos convencionais, defendendo, em vez disso, o seu papel potencial na promoção da eficiência energética e da sustentabilidade.

Troy Cross argumentou que aumentos no valor do Bitcoin não levam necessariamente a custos de energia mais elevados, apontando a sofisticação da tecnologia de mineração e o implantação estratégica das operações de mineração em todo o mundo.

Cruz disse:

“A energia mais barata é aquela que ninguém mais deseja, presa no tempo ou no espaço. Consumir esse poder é o destino do Bitcoin. E embora possa se desviar em um curto espaço de tempo durante picos exorbitantes de preços do bitcoin, ele retornará rápida e inevitavelmente ao seu devido lugar como alimentador de fundo, e não como predador de ponta.”

Enquanto isso, Alex Gladstein, conhecido por sua defesa ambiental, apoiou o argumento de que a mineração de Bitcoin explora predominantemente fontes de energia renováveis ​​ou excedentes. Sua postura reforçou a ideia de que o setor de mineração de Bitcoin está contribuindo para a otimização do mix energético global, em vez de prejudicá-lo.

Organismo autorregulador

Vozes da indústria como Hunter Horsley e Muneeb Ali projetaram um futuro onde a demanda de energia da rede Bitcoin poderia diminuir potencialmente. Eles destacaram os eventos de redução da blockchain pela metade e a eventual dependência de taxas de transação como mecanismos que reduzirão o incentivo para operações de mineração com uso intensivo de energia.

Um argumento notável comparou o ecossistema do Bitcoin a um “organismo autorregulado” governado por leis matemáticas precisas que contribuem para a estabilidade económica. Este ponto de vista ilustra a previsibilidade inerente e a resiliência sistêmica do Bitcoin, contrastando-o com os ativos financeiros tradicionais.

Ao enquadrar o Bitcoin e tecnologias semelhantes como organismos autorregulados, os proponentes defendem a robustez, adaptabilidade e potencial inovador destes sistemas. Eles sugerem que, tal como os organismos vivos, estes sistemas são capazes de evoluir e de se autocorrigir em resposta aos desafios, garantindo assim a sua sobrevivência e relevância num ambiente em constante mudança.

Mencionado neste artigo

Fonte

Leave a Comment