ÉTopSaber Notícias e Criptomoedas

Redes sociais

Biden diz que Suprema CortePublica “perigoso precedente“ sobre imunidade

Joe Biden Fala Sobre A Decisao Da Suprema Corte Sobre A Imunidade De Donald Trump.jpg

Compartilhe:

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, criticou, na noite desta segunda-feira (1º), a decisão da Suprema Corte sobre a soberania presidencial de Donald Trump em comentários da Casa Branca. A medida foi vista como uma vitória para seu rival republicano.

Biden também emitiu um alerta sobre um possível segundo mandato para o ex-presidente Donald Trump.

“Não há reis na América. Cada um de nós é igual perante a lei. Ninguém, ninguém está acima da lei, nem mesmo o presidente dos Estados Unidos”, disse Biden em discurso na Casa Branca.

“(Com) a decisão de hoje do Supremo Tribunal sobre a soberania presidencial, isso mudou fundamentalmente. Para todos os efeitos práticos, praticamente não há limites para o que o presidente pode fazer. É um princípio fundamentalmente novo e um precedente perigoso porque o poder do cargo não será mais limitado pela lei, mesmo incluindo o Supremo Tribunal dos Estados Unidos.”

A Suprema Corte, em uma decisão de 6 contra 3 linhas ideológicas subsequentes, decidiu que Trump pode reivindicar imunidade de processo criminal por algumas das ações que tomou como presidente antes de deixar o cargo, provavelmente atacando seu julgamento de subversão eleitoral federal relacionado às suas ações em 6 de janeiro.

Biden alertou repetidamente que os limites do poder do presidente agora dependem exclusivamente do titular do cargo e das escolhas que essa pessoa faz. Ele disse que Trump seria um perigo nesse papel.

O discurso notavelmente político surge em um momento crítico para a campanha de Biden, enquanto ele tenta combater as preocupações persistentes sobre a sua idade, aumentadas pelo seu desempenho no debate presidencial da semana passada.

O desempenho eficiente causou preocupação entre alguns dos seus principais doadores e levantou questões incômodas aos democratas sobre se ele deveria permanecer na chapa, e muito menos servir mais quatro anos na Casa Branca.

Durante o discurso desta segunda-feira (1º), Biden parecia alerta, lendo energicamente um teleprompter no Cross Hall da Casa Branca. Mas o democrata não respondeu às perguntas, respondendo imediatamente após sua declaração escrita de cinco minutos.

Biden fez referência à invasão de 6 de janeiro de 2021 no Capitólio dos EUA e chamou-a de “um dos dias mais sombrios da história da América”. Ele disse que a decisão do tribunal torna improvável que Trump seja julgado por seus crimes relacionados ao motivo antes das eleições.

“Sei que respeitarei os limites dos poderes presidenciais que estiveram presentes durante três anos e meio, mas qualquer presidente – incluindo Donald Trump – será agora livre para ignorar a lei”, disse Biden.

O presidente americano fez da proteção da democracia um princípio central de sua campanha.

Biden propôs a decisão como um padrão mais amplo do Supremo Tribunal ao minar “uma vasta gama de princípios jurídicos há muito estabelecidos”, apontando para outras decisões sobre direito de voto e direitos civis, enquanto implicitamente expunha o que estava em jogo para as eleições presidenciais.

O democrata acrescentou que os Petrobras agora têm a palavra final sobre a responsabilização de Trump.

“O povo americano deve decidir se quer confiar… a presidência de Donald Trump, agora sabendo que ele terá ainda mais coragem para fazer o que quiser, sempre que quiser.”

Biden acrescentou: “Concorde com a dissidência da Juíza (Sonia) Sotomayor hoje. Aqui está o que ela disse: 'Em cada uso do poder oficial, o presidente é agora um rei acima da lei. Com medo pela nossa democracia, discordo”, final da citação. O mesmo deveria acontecer com o povo americano. Eu discordo.”

Lembre-se do caso

A Suprema Corte dos Estados Unidos divulgou, nesta segunda-feira (1º), uma decisão determinando que o ex-presidente Donald Trump conta com a soberania presidencial limitada em relação aos atos feitos enquanto estava à frente da Casa Branca.

Com isso, o republicano pode reivindicar imunidade criminal por algumas das ações que tomaram nos últimos dias de sua Presidência – em uma decisão que provavelmente atrasará ainda mais o julgamento que ele enfrenta por crimes criminais Federal tentará reverter o resultado das eleições de 2020.

Essa decisão – que era vista como o caso mais acompanhado no tribunal neste ano – rejeita uma decisão de uma instância inferior, tomada por um tribunal federal de apelações em fevereiro.

Esse corte havia concluído que Trump não tinha imunidade por supostos crimes que teria cometido durante sua Presidência para reverter os resultados das eleições de 2020.

Trump comemora: “Grande Vitória para Constituição e democracia”

A decisão foi rapidamente bem recebida por Trump, que a chamou de “grande vitória para a nossa Constituição e democracia” em postagem na Truth Social.

A equipe jurídica do ex-presidente diz que acredita ser possível que o caso do procurador especial Jack Smith sobre supostas tentativas de anular a eleição presidencial de 2020 esteja agora completamente anulado.

Isso aconteceria porque qualquer comunicação que Trump teve com o então vice-presidente Mike Pence ou funcionários do Departamento de Justiça pode ser considerada oficial, impedindo que seja apresentada no julgamento.

A equipe também destacou que isso poderia até ajudar Trump no caso de investigar documentos médicos encontrados na residência do empresário, embora as visões iniciais não signifiquem necessariamente que é assim que o processo legal acabará se estendendo.

Fonte

Deixe um comentário