É Top Saber - Notícias e Análises

Redes sociais

Biden declara guerra às ‘taxas de lixo’ – mas não é disso que os americanos precisam

1664587322_0x0.jpg

Compartilhe:

Observações do Fintech Snark Tank

Um comunicado de imprensa da Casa Branca intitulado Leitura da Terceira Reunião do Conselho de Concorrência da Casa Branca reportou que:

“O Consumer Financial Protection Bureau tomou medidas para lidar com os quase US$ 30 bilhões em ‘taxas de lixo eletrônico’ – como multas por atraso, cheque especial, cheques devolvidos – que os americanos pagam todos os anos. Estimulados pelas ações do CFPB, três quartos dos 20 maiores bancos do país estão se livrando das cobranças de cheques devolvidos. O nível geral de taxas de cheque especial deve cair US$ 3 bilhões em 2022, em comparação com os níveis pré-pandemia”.

Um novo estudo da Cornerstone Advisors, encomendado pela Velocity Solutions, intitulado Além do cheque especial: ajudando os consumidores a gerenciar a liquidez sugere que isso pode não ser uma boa notícia para os americanos – e não de acordo com o que eles fazem dos bancos com os quais fazem negócios.

A falácia da taxa oculta

Os políticos (e outros críticos do setor bancário) adoram criticar os bancos pelas supostas “taxas ocultas” que cobram de seus clientes.

Os americanos têm uma perspectiva diferente.

Oito em cada 10 americanos – incluindo dois terços da geração Z, oito em 10 millennials e geração X e quase nove em cada 10 boomers – disseram à Cornerstone que seus principais provedores de contas correntes divulgam adequadamente suas taxas.

Essa constatação é ignorada pela imprensa e ignorada pela CFPB, que há anos trabalha para impor exigências adicionais de divulgação aos bancos, assumindo que os bancos devem reter informações. Os dados da pesquisa não respaldam esse pensamento.

Muitos americanos acham que as taxas bancárias são justas

E apesar de toda a imprensa e atenção dada às taxas de contas correntes, três quartos dos americanos acreditam que as taxas de seus provedores de contas correntes são justas, variando de seis em 10 Gen Zers a oito em 10 Baby Boomers.

Apenas 27% dos consumidores acreditam em taxas NSF (fundos não suficientes) – que são cobradas quando o banco não paga um item para o cliente – e taxas de cheque especial, que são pagas quando o banco faz pagar um item para o cliente, não são justos.

Isso não quer dizer, no entanto, que o resto pensa que eles são justos. Quatro em cada dez americanos acreditam que as taxas de NSF e de cheque especial que seus bancos cobram são justas, mas um terço diz que não sabe ou não tem certeza.

Ouvindo a Casa Branca, no entanto, você pensaria que todos os americanos estão protestando contra essas taxas. Que estão de alguma forma escondidos.

Atacar ‘taxas de lixo eletrônico’ não resolve o problema real

Reduzir, ou mesmo eliminar, cheque especial e taxas NSF não resolverá o problema real com o qual os americanos estão lutando: liquidez.

Em 2021, 70% dos Gen Zers e dois terços dos Millennials gastaram mais dinheiro do que tinham em suas contas correntes pelo menos uma vez, e um quarto de ambas as gerações o fez três ou mais vezes.

As razões para isso são inúmeras – incluindo grandes despesas imprevistas, déficits inesperados de renda, gastos excessivos e desemprego.

O que os americanos fazem quando se deparam com esse problema de liquidez? Eles recorrem a uma ampla variedade de táticas, incluindo pedir emprestado a amigos e familiares, incorrer em multas por não pagar suas contas, pegar empréstimos do dia de pagamento, solicitar empréstimos de curto prazo e até vender seus pertences em casas de penhores.

O verdadeiro culpado e a resposta errada

Não são as “taxas de lixo” que estão causando os maiores danos aos americanos – é a inflação e uma economia fraca.

A mudança recente nas políticas de saque a descoberto de muitas instituições financeiras é uma boa notícia para os consumidores e, na verdade, boa para as instituições financeiras – do ponto de vista regulatório e de relações públicas, isto é.

Do ponto de vista da receita, é uma história diferente, pois muitas instituições estão enfrentando milhões de dólares em receitas perdidas com taxas. De acordo com Steven Simpson, diretor sênior da Cornerstone Advisors:

“A renúncia às taxas do cheque especial pode parecer uma grande vitória para os consumidores. A questão não é tão simples, no entanto, porque o modelo bancário do consumidor que oferece agências convenientes, contact center, banco digital, cartões de débito, limites de proteção contra fraudes, segurança cibernética e acesso a grandes quantidades de dinheiro precisa de receita para se sustentar.”

No entanto, aumentar as taxas mensais da conta não é uma reação viável, pois isso provavelmente resultará na perda de clientes. Quase sete em cada 10 clientes disseram que fechariam sua conta e encontrariam outro banco se o banco aumentasse a taxa mensal da conta em US$ 15.

Os americanos precisam de melhores programas de gestão de liquidez

Para resolver esse problema – e recuperar milhões perdidos em taxas – bancos e cooperativas de crédito devem transformar seus programas de cheque especial em programas de gerenciamento de liquidez. Esses programas devem:

  • Seja proativo e personalizado. Um programa “gerenciado” atribui limites de saque a descoberto com base em uma variedade de pontos de dados do titular da conta, incluindo depósito específico e atividade de saque a descoberto. As instituições devem estabelecer um perfil de risco para cada conta e atribuir limites de saque a descoberto individualizados com base na capacidade do titular da conta de reembolsar o saque a descoberto.
  • Seja rápido. Os consumidores gostam da velocidade de disponibilidade imediata usando cheque especial, com muitos dizendo que gostariam da opção de cheque especial se precisassem de fundos para fazer uma compra de US$ 500 (44%, comparado a 17%, 22% e 15% para empréstimos de acesso rápido de 4 horas). , empréstimos regulares de 24 horas, ou 5 dias para pedidos de linha de crédito, respectivamente).
  • Estabeleça uma “exceção de minimis”. Uma exceção de minimis é um valor mínimo de saque a descoberto abaixo do qual a instituição não cobrará uma taxa. Os bancos podem fornecer essa exceção por item ou por dia. Essa política é uma prática amigável ao consumidor para evitar o cenário principal de “taxa de US$ 30 por uma xícara de café de US$ 3”.
  • Use ferramentas para limitar as taxas de cheque especial para consumidores de baixa renda. Cobrar $ 400 de um consumidor que tem $ 2.000 por mês em depósitos não é do melhor interesse do consumidor ou da instituição financeira. Estão disponíveis softwares que podem reduzir o uso do serviço de cheque especial (e as taxas associadas) quando as taxas excedem uma determinada porcentagem dos depósitos do consumidor.
  • Fornecer uma variedade de alternativas de crédito. Os bancos se esforçaram para substituir o intercâmbio perdido das compras compre agora, pague depois (BNPL), mas o maior problema pode ser a erosão do relacionamento com o consumidor devido a outros provedores oferecendo crédito no ponto de necessidade do consumidor. Os programas de gestão de liquidez dos bancos devem oferecer uma gama de alternativas de crédito, incluindo BNPL e referências a provedores que possam oferecer empréstimos de curto prazo de pequenos dólares.

Fonte

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *