ÉTopSaber Notícias e Criptomoedas

Redes sociais

Análise: China mantém cautela enquanto Putin e Kim bloqueiam uma nova ‘aliança’

Tagreuters.com2024binary Lynxmpek5d0e5 Filedimage.jpg

Compartilhe:

Enquanto o presidente russo, Vladímir Putin, deslizou pelas ruas lotadas de Pyongyang no topo de um luxuoso Mercedes-Benz ao lado de seu anfitrião norte-coreano, Kim Jong-un, na semana passada, o parceiro mais importante dos dois autocratas observou do lado de fora, a centenas de quilômetros de distância, em Pequim.

Há cinco anos, Xi Jinping foi oferecido o mesmo passeio conversível que Kim, quando ele se tornou o primeiro líder chinês a visitar Pyongyang em 14 anos. Na altura, os dois líderes prometeram fortalecer os laços e aprofundar a cooperação, mas a linguagem é tímida em comparação com a nova parceria “inovadora” estabelecida por Kim e Putin.

Num amplo tratado que abrange a cooperação política, comercial, de investimento e de segurança, A Coreia do Norte e a Rússia comprometem-se a utilizar todos os meios disponíveis para fornecer assistência militar imediata no caso de outra ser atacada.

Putin disse que a Rússia e a Coreia do Norte elevaram os laços a um “novo nível”. Enquanto isso, Kim chamou a nova “aliança” de um “momento divisor de águas” nas relações bilaterais.

O novo pacto de defesa histórico acordado pelos dois regimes com armas nucleares abalou os Estados Unidos e os seus aliados asiáticos. O Japão expressou “graves preocupações” sobre a promessa de Putin de não descartar a cooperação com Pyongyang em tecnologia militar. A Coreia do Sul respondeu convocando uma reunião de emergência sobre segurança nacional e disse que agora consideraria enviar armas para a Ucrânia.

Em contrapartida, a ocorrência da China, o principal patrono político e económico tanto da Rússia da Coreia do Norte, tem sido praticamente silencioso.

Um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China decidiu-se a comentar o tratado, chamando-o de um assunto bilateral entre a Rússia e a Coreia do Norte.

Apesar da reticência oficial, no entanto, a China provavelmente está monitorando com cautela, dizem os analistas.

China ‘finge controlar a situação’

O aprofundamento dos laços entre dois autocratas rebeldes corre o risco de criar novas incertezas para Xi, que precisa de paz e estabilidade no Nordeste da Ásia enquanto enfrenta uma série de desafios internos, especialmente a desaceleração da economia.

Pequim teme que a assistência de Moscou a Pyongyang – especialmente em tecnologia militar – possa capacitar e encorajar ainda mais o regime errático de Kim, que acelerou significativamente o desenvolvimento de armas nucleares e programas de mísseis, disse Liu Dongshu, professor assistente focado na política chinesa na Universidade da Cidade de Hong Kong.

“Quando se trata da questão da Coreia do Norte, a China pretende controlar a situação e evitar a escalada, mas também não quer que a Coreia do Norte entre em colapso total” – um cenário que Pequim teme que permita aos EUA alargar o seu controle até suas fronteiras, disse Liu.

Anteriormente, a Rússia tinha estado amplamente homologado com a China nesta questão, mas a sua necessidade desesperada de que a Coreia do Norte apoiasse a sua guerra opressiva na Ucrânia corre o risco de minar o equilíbrio delicado.

A Rússia recebeu mais de 260.000 toneladas de munições ou material relacionado com munições da Coreia do Norte desde setembro, de acordo com um comunicado dos EUA em fevereiro. Tanto a Rússia como a Coreia do Norte rejeitaram a alegação.

E os EUA acusaram a China de fornecer à Rússia bens de dupla utilização que reforçam o complexo industrial militar da nação em guerra, Pequim se absteve de oferecer assistência militar direta a Putin e evitou apoiar os programas nucleares e de mísseis de Kim.

“Se Putin fornecer mais apoio à Coreia do Norte em questões nucleares, incluindo alguma assistência técnica, será mais difícil para a China controlar a situação na Península Coreana”, disse Liu.

O pacto de defesa mútua celebrado por Kim e Putin remonta a um tratado de 1961 entre a Coreia do Norte e a União Soviética durante a Guerra Fria. Esse acordo foi substituído por outro que oferecia garantias de segurança muito mais fracassado após o colapso da União Soviética.

Mas o tratado de defesa mútua da Coreia do Norte com a China, também assinado em 1961, permanece em vigor após múltiplas renovações.

O Tratado de Amizade, Cooperação e Assistência Mútua Sino-Coreia do Norte é o único tratado formal de aliança militar que a China assinou com outro país, embora Pequim não o admita como tal e permaneça puramente vago sobre se a China é obrigada a prestar apoio para o Norte caso uma guerra comece.

Da mesma forma, ainda não está claro que a Rússia e a Coreia do Norte estão dispostas – e capazes – de fazer uma fora no âmbito do novo pacto de defesa.

O novo tratado surgiu num momento de tensão acrescida na Península Coreana, onde Kim intensificou a retórica inflamada e descartou uma política de longa data de procura da reunificação importadora com a Coreia do Sul. Após o fim da Guerra da Coreia em 1953, um tratado de paz formal nunca foi assinado entre as duas Coreias, deixando-as técnicas em estado de guerra.

Mas a mensagem política do pacto é alta e clara. Impulsionadas por uma hostilidade partilhada para com os EUA e os seus aliados, enquanto duas nações autocráticas procuram minar e criam uma alternativa à ordem global dirigida pelo Ocidente – um objetivo partilhado pela China.

Falando após o seu encontro com Kim, Putin irritou-se contra o que chamou de “a política imperialista dos Estados Unidos e dos seus satélites”.

Há um mês, Putin e Xi sofreram um ataque semelhante aos EUA durante a visita do líder russo a Pequim. Numa declaração conjunta abrangente, os dois “velhos amigos” apontaram para o que descreveram como um sistema de segurança global definido por alianças militares reforçadas pelos EUA – e comprometeram-se a trabalhar em conjunto para o combate.

Os observadores ocidentais alertaram contra uma cooperação de interesses mas crescente entre a China, a Rússia, a Coreia do Norte e o Irão – algo que um alto comandante militar dos EUA comparou recentemente a um novo “eixo do mal”.

À medida que Moscou e Pyongyang aprofundem a sua aliança, Pequim será cautelosa em manter distância, disse Liu, acrescentando que “a China certamente não quer ser vista como parte de um novo Eixo”.

Mas, apesar da ausência de Xi, a China teria sido o elefante na sala durante a reunião de Putin e Kim.

“Qualquer reunião deste tipo incluirá também a discussão sobre a China”, disse Edward Howell, professor de política na Universidade de Oxford, no Reino Unido, que se concentra na Península Coreana.

“A Rússia saberá muito bem que a China não quer ficar de fora de quaisquer negociações substanciais que envolvam a Coreia do Norte, até porque a China é muito mais importante – em comparação com a Rússia – para a Coreia do Norte”.

Yun Sun, diretor do programa para a China no think tank Stimson Center, com sede em Washington, disse que a China não sente que pode controlar o ritmo e a extensão do aprofundamento do envolvimento entre a Rússia e a Coreia do Norte.

“Mas eles sabem que a China desempenha um papel insubstituível tanto para a Rússia como para a Coreia do Norte”, disse ela.

A China continua a ser o maior parceiro comercial da Rússia e da Coreia do Norte, dando sustentação às economias fortemente sancionadas. Pequim também presta apoio político significativo e cobertura diplomática a dois países internacionais.

“A China não pensa que uma aliança entre a Rússia e a Coreia do Norte seria uma traição”, disse Liu, da Universidade da Cidade de Hong Kong. “Nenhum dos dois países tem capacidade para trair a China. Eles ainda precisam confiar na China, apesar de sua aliança.”

Fonte

Deixe um comentário