É Top Saber - Notícias e Análises

Redes sociais

Algorand financia FlexID para oferecer IDs auto-soberanos não bancarizados da África

Compartilhe:

👋 Quer trabalhar conosco? CryptoSlate está contratando para algumas posições!

Algorand, um protocolo blockchain Proof-of-Stake (PoS), investiu uma quantia não revelada no FlexID para expandir sua plataforma Self Sovereign Identity (SSI), de acordo com um anúncio.

FlexID é uma plataforma de identidade digital que visa aproveitar sua rede descentralizada de identidade digital em mercados emergentes. Ao fazer isso, a empresa espera ajudar mais de 1 bilhão de pessoas que não possuem identificação formal. Notavelmente, este é o primeiro acordo de financiamento da FlexID.

Fundada pelo empresário de tecnologia serial do Zimbábue Victor Mapunga, a FlexID busca aliviar a exclusão financeira. Mapunga criou a plataforma a partir de frustrações com o sistema bancário, excluindo indivíduos sem documentos de identidade.

O financiamento da Algorand está na categoria de impacto, identificando o FlexID como um catalisador para a inclusão financeira global. Especificamente, a FlexID pretende começar ajudando 400 milhões de africanos que não podem acessar os serviços bancários porque não possuem documentos de identidade.

Segundo Mapunga,

“A identidade é fundamental para o comércio moderno. Sem um ID, não se pode participar da economia, mesmo nos níveis mais básicos, como acesso a serviços básicos de telecomunicações, dinheiro móvel e serviços bancários”.

Ele acrescentou que a falta de um documento de identidade também limita o acesso à educação e à saúde. Além disso, os registros nacionais são caóticos na maioria dos casos, aumentando ainda mais os custos das empresas. No entanto, o FlexID oferece uma solução que introduz o setor informal na economia formalizada.

Divulgando a plataforma, Mapunga disse que os agricultores podem acessar facilmente crédito e insumos.

África continua a aquecer para o ecossistema web3

A África continua se aquecendo para as tecnologias de criptografia e blockchain para simplificar a inclusão financeira. No início desta semana, a Nigéria uniram-se com o Developing Africa Group para lançar um grande projeto de criptografia na Algorand. Esta iniciativa busca lançar uma carteira em todo o país e um mercado de troca de IP.

Antes disso, a República Centro-Africana anunciado planeja lançar a primeira plataforma de investimento legal em Bitcoin da África. De acordo com os planos, o país pretende batizar a plataforma de Sango.

Explicando por que o país quer desenvolver a plataforma, o presidente Faustin-Archange Touadera disse:

A economia formal não é mais uma opção. Uma burocracia impenetrável está nos mantendo presos em sistemas que não dão chance de sermos competitivos.

A República Centro-Africana também se tornou o segundo país a abraçar Bitcoin (BTC) como curso legal depois de El Salvador. A Assembleia Nacional aprovou um projeto de lei para tornar o BTC moeda legal para ajudar a melhorar a economia e a segurança locais.

Fonte

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.