ÉTopSaber Notícias e Criptomoedas

Redes sociais

Advogados da SBF criticam proposta de sentença de ‘morte na prisão’ alegando falta de perdas

Sbf Prison.jpg

Compartilhe:

Sam Bankman-Fried Os advogados da SBF criticaram duramente o memorando de sentença do Departamento de Justiça em 19 de março. carta ao juiz Lewis Kaplan.

Na carta, os advogados descreveram o DOJ proposta de pena máxima de 50 anos de prisão para a SBF como “perturbadora” e “com acentuada hostilidade”.

Segundo os advogados:

“O memorando distorce a realidade para apoiar a sua preciosa narrativa de “perda” e apresenta Sam como um supervilão depravado; atribui a ele motivos sombrios e megalomaníacos que vão contra o registro; faz profecias apocalípticas de reincidência; e adota uma visão medieval de punição para chegar ao que equivale a uma recomendação de sentença de morte na prisão.”

Eles argumentaram ainda que o memorando do governo ignora completamente a condição e vulnerabilidades da SBF, acrescentando que a sentença proposta foi a tentativa do governo de “quebrar Sam Bankman-Fried”, já que não houve nenhum “réu federal condenado por um crime não violento que cumpriu pena de 40 anos”. -50 anos de sentença e foi libertado.”

Pena reduzida

A equipe jurídica da SBF apresentou uma série de argumentos para defender a redução da pena para ele.

Em primeiro lugar, alegaram que não houve perdas tangíveis, uma vez que o processo de falência garantiria a restituição total a todos os clientes e credores.

Os advogados escreveram:

“Nunca houve perdas. O dinheiro sempre esteve disponível. Os ativos permanecem. Cada vítima citada na oposição do governo receberá 100 centavos de dólar —mais juros. Isto seria impossível se os bens do espólio tivessem desaparecido nos bolsos pessoais de Sam.”

Além disso, refutaram o retrato feito pela acusação de que Bankman-Fried era motivado pela ganância. Eles destacaram seus esforços filantrópicos, apontando que a SBF havia doado seus ganhos antes de criar as entidades criptográficas falidas FTX e Alameda Pesquisa.

Além disso, contestaram a afirmação do governo de que Bankman-Fried representava um risco significativo de reincidência, citando pesquisas que indicam baixas taxas de reincidência entre indivíduos de colarinho branco, instruídos e com antecedentes limpos.

“Infratores sem antecedentes criminais, como Sam, são os menos propensos a reincidir. O nível de ofensa também não prevê reincidência. E os infratores com formação universitária têm menos probabilidade de reincidir”, concluíram.

Como tal, propuseram uma pena reduzida de no máximo 78 meses, equivalente a 6,5 ​​anos, para o seu cliente.

Mencionado neste artigo

Fonte

Leave a Comment