ÉTopSaber Notícias e Criptomoedas

Redes sociais

A Suprema Corte nega o pedido da Coinbase para obrigar a arbitragem na disputa de sorteios Dogecoin

Coinbase Lawsuit.jpg

Compartilhe:

A Suprema Corte dos EUA negou da Coinbase moção para obrigar a arbitragem relacionada ao seu Dogecoin (DOGE) sorteios em 23 de maio.

O juiz decidiu que “um tribunal, não um árbitro”, deve decidir se um dos acordos da Coinbase substitui o outro.

O primeiro acordo é o Contrato do Usuário da Coinbase, que estabelece que um árbitro cuidará das disputas. O segundo acordo são as regras oficiais do sorteio, que contêm uma cláusula de seleção de fórum que concede aos tribunais da Califórnia jurisdição exclusiva sobre controvérsias relacionadas a sorteios.

O caso representa uma perda para a Coinbase, que buscou arbitragem.

CLO da Coinbase Paulo Grewal comentou brevemente o resultado, escrevendo: “alguns você ganha… alguns você perde”, e agradeceu ao tribunal pela consideração.

Decisões anteriores afirmadas

A decisão do Supremo Tribunal confirma uma decisão anterior do Tribunal de Apelações dos EUA para o Nono Circuito e, por sua vez, uma decisão do Distrito Norte da Califórnia. Ambos os tribunais consideraram que as regras oficiais do sorteio controlavam a disputa e ela não era elegível para arbitragem.

O juiz Ketanji Brown Jackson disse que as disputas podem ser arbitradas quando ambos os lados concordam com a arbitragem, mas que as partes podem ter um desacordo secundário sobre se concordaram com a arbitragem.

Jackson também comentou sobre a alegação da Coinbase de que os tribunais do Nono Circuito aplicaram indevidamente a lei do estado da Califórnia em suas decisões anteriores. Jackson disse que a Suprema Corte “recusou[s] considerar questões auxiliares” sobre o assunto, que fogem ao escopo da questão apresentada.

Além disso, Jackson negou que a decisão “convidaria ao caos” ao permitir contestações às causas de delegação, afirmando:

“Independentemente de onde as partes concordaram em dois contratos, um tribunal deve decidir qual contrato rege.”

Sorteios Dogecoin

A disputa mais ampla refere-se a uma ação coletiva em que a Coinbase e seu parceiro de sorteios Marden-Kane. Os demandantes alegaram que a exchange orientou os usuários a comprar ou vender US$ 100 ou mais de DOGE para participar do sorteio, enquanto ocultava formas alternativas de participar da oferta.

Os demandantes também alegaram que as empresas cometeram violações da Lei de Publicidade Falsa da Califórnia, da Lei de Concorrência Desleal e da Lei de Remédios Legais do Consumidor.

Mencionado neste artigo

Fonte

Leave a Comment